Category Archives: História Casa Concelho Sabugal

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (17)

1.º Torneio de Futebol de Salão Inter-Aldeias – 1977Iniciado este périplo pelo desporto, trazemos à estampa neste escrito, o primeiro Torneio de Futebol de Salão Inter-Aldeias, organizado pela Casa do Concelho de Sabugal em Lisboa, disputado no Ringue do Império do Cruzeiro, provocando uma grande euforia na juventude sabugalense em Lisboa.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (16)

Historial dos Torneios Inter-Aldeias de Futebol de 5Aldeia da Ponte é uma das equipas mais antigas e com presenças regulares em todos os Torneios Inter-Aldeias de futebol de Salão, organização anual da Casa do Concelho de Sabugal em Lisboa, com início em 1977, dois anos depois da sua fundação.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (15)

Iniciado este périplo pelo desporto, muitos foram os jogos disputados pela equipa da Casa, com algumas boas exibições e resultados, pensamos nós, mas não posso deixar de recordar, ficando na memória, um espectacular encontro entre uma magnifica equipa de Juvenis do Sporting Clube de Sabugal de 1983 e a nossa equipa da Casa, jogo esse, que teve lugar em 2 de Julho de 1983, no campo de treinos do antigo Estádio José de Alvalade, com um empate a 3 golos, no tempo regulamentar, seguindo-se o prolongamento, vindo os jovens juvenis sabugalenses a vencer por 4-3, sendo premiados com uma bela taça em disputa.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (14)

O desporto é um dos temas que me é mais caro, devido a uma pratica constante ao longo da minha existência, que ainda hoje continuo a cultivar, reforçada com os múltiplos escritos, disponibilizados ao longo de quase três décadas, sendo por muitos considerado uma escola de virtudes, servindo para um aproximar das pessoas congregando novas amizades pois, através da pratica desportiva, proporcionam-se novos conhecimentos e reforçam-se os laços que nos unem em torno de uma convivência saudável, tanto na grande zona arraiana, como por onde permanecemos, ao longo do ano.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (13)

Passada a natural euforia e, decorrida toda esta árdua luta pela fundação da Casa, no sentido de manter vivo o sonho de ter em Lisboa uma Associação do Concelho, onde os sabugalenses tivessem o seu espaço de encontro, importa agora, darmos atenção às primeiras actividades culturais, desportivas e outras, que foram sendo levadas a cabo, tanto pela Comissão Instaladora, como pelos primeiros Corpos Gerentes, eleitos em Fevereiro de 1976.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (12)

Parabéns, Casa do Concelho do Sabugal!… Muitos anos de vida!

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (11)

A Comissão Instaladora trabalhou, afincadamente, para a formação da primeira lista candidata aos Corpos Sociais, sujeita a eleições, vindo a ser eleita em Fevereiro de 1976, um ano após a oficialização da Casa, tomando posse de seguida e iniciando o mandato para que foi eleita.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (10)

Antes de se chegar a esta situação, que permitiu um respirar de alívio e uma aparente normalização, em termos de receitas, no princípio de Agosto de 1975, disponibilizou-se o Dr. Seabra a custear a renda da Casa e outras despesas, enquanto não houve meios para o efeito, vindo a Comissão Instaladora a fazer um acerto de contas, logo que se proporcionou, sem qualquer benefício extra, como ele próprio impôs.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (9)

Solucionado o problema da renda, com o aluguer de dois quartos, conforme já descrevemos, levando a uma cisão de alguns elementos, havia que seguir em frente, apesar deste contratempo.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (8)

A reunião de 18 de Março de 1975 da Comissão Instaladora decorreu muito acalorada, gerando acesas discussões, pois os outros elementos, embora reconhecendo a necessidade da casa para a sede, não quiseram aceitar a ideia de ter um Lar dentro da Casa, pois não era nada adequado, visto se irem realizar no seu interior bailes, convívios e reuniões, que não eram nada propicias ao descanso e silêncio necessários para o fim a que se destinava, além de que esta situação custava dinheiro e este não abundava, pelo contrário, mal dava para pagar a publicação dos estatutos no Diário do Governo, tendo ainda, de instalar convenientemente os pensionistas e alimentá-los.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (7)

Face aos parcos recursos existentes e à falta de receitas, assegurada a sede ideal, como vimos no último artigo, vamos relembrar os factos da origem desta.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (6)

Na Casa das Beiras continuaram as reuniões da Comissão Instaladora, trabalhando nos estatutos e discutindo outros assuntos de interesse para a Casa.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (5)

Consumada a fundação da Casa, vamos agora destacar todo o trabalho da Comissão Instaladora, que passou a reunir na Casa das Beiras, situada no andar de baixo, mediante o pagamento de cem escudos mensais, a partir de 10 Julho de 1974, enquanto não se encontrou a sede própria, terminando as reuniões no Técnico, a partir desta data.

Convivio da Casa do Concelho do Sabugal

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (4)

Conforme referido nos escritos anteriores, o grupo que iniciou os encontros de sabugalenses em Lisboa, antes da primeira convocatória para as reuniões do Instituto Superior Técnico, foi constituído por João Leitão, José Correia, Álvaro Corte e Ramiro Matos, podendo ainda existir outros mais, que partilharam estes encontros. Como não há grandes registos, torna-se difícil a lembrança de mais nomes da época.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (3)

Na sequência das reuniões no Instituto Superior Técnico são constituídos grupos de trabalho encarregues de algumas áreas, surgindo então, a colaboração de várias outras pessoas, principalmente, no esclarecimento dos direitos das populações no Concelho, nesta fase um pouco conturbada, proporcionando alguma voz e dando a visibilidade possível, a quem nunca a teve, por estas nossas bandas concelhias.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (2)

À chegada a Lisboa, todos os jovens oriundos da nossa região, tinham como poiso habitual, o famoso Café Império, na Alameda D. Afonso Henriques, bem próximo do Areeiro, onde mais tarde, haveria de se fixar a sede da Casa, ali confluindo, vezes sem conta, principalmente, depois de mais um dia de trabalho, onde, em amena cavaqueira, eram dissecadas as novidades das nossas terras, bem como as habituais sessões de jogar conversa fora, próprias da juventude irrequieta daquela época.

Esteves Carreirinha - Ecos da Aldeia - © Capeia Arraiana (orelha)

História da Casa do Concelho do Sabugal (1)

Já há algum tempo, que tinha em mente a abordagem à Casa do Concelho do Sabugal. Assim sendo, vou intercalando com o que tenho vindo a disponibilizar, alguns artigos que vão ter como tema, contributos sobre a embaixada sabugalense, assim considerada por muitos arraianos, cujo nascimento data do já longínquo ano de 1975 em Lisboa, dando a conhecer aos mais jovens, ou outros menos atentos, algumas actividades relevantes, que a Casa desenvolveu ao longo de mais de três décadas de existência.