Category Archives: Emigração Clandestina

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (25)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Apresentamos a CONCLUSÃO deste estudo sobre a epopeia de povo.

bloncourt5

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (24)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos hoje de como era organizada e concretizada a viagem «a salto» para fora do país.

ob_ffd988_1106-34a-dans-les-pyrennees-copie

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (23)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora a documentação dos emigrantes, que muitas vezes era falsa.

Passaporte de 1965

Passaporte de 1965

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (22)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora das redes organizadas que auxiliavam a emigração clandestina.

Trilhos da emigração clandestina (foto José Carlos Callixto)

Trilhos da emigração clandestina (foto José Carlos Callixto)

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (21)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora dos trilhos usados pelos emigrantes para cruzarem a fronteira a salto.

PASSADORAS MARCO DE FRONTEIRA VILAR FORMOSO

PASSADORAS
MARCO DE FRONTEIRA
VILAR FORMOSO

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (20)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Continuamos a falar da importância da experiência do contrabando para a prática da emigração clandestina, abordando agora como operavam as redes organizadas de contrabando.

A maior parte do contrabando era transportado às costas por trilhos clandestinos

A maior parte do contrabando era transportado às costas por trilhos clandestinos

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (19)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora do contrabando como prática arreigada no concelho e cuja experiência contribuiu para o êxito da emigração.

O contrabando foi percursor da emigração clandestina

O contrabando foi percursor da emigração clandestina

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (18)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora dos processos judiciais existentes no Tribunal do Sabugal que resultaram da acção das autoridades contra a emigração clandestina.

Tribunal do Sabugal - Capeia Arraiana

Edifício do Tribunal do Sabugal

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (17)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora o modus operandi da Polícia de Segurança Pública e o controlo da emigração no concelho do Sabugal.

A PSP colaborava com as demais autoridades

A PSP colaborava com as demais autoridades

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (16)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora o modus operandi da força policial incumbida de evitar, descobrir e reprimir o contrabando: a Guarda Fiscal.

A Guarda Fiscal estava implantada junto à linha de fronteira

A Guarda Fiscal estava implantada junto à linha de fronteira

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (15)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora o modus operandi de outra força policial encarregue da segurança do país: a Guarda Nacional Republicana.

A GNR estava em todo o território nacional

A GNR estava em todo o território nacional

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (14)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora o modus operandi das forças policiais encarregues da segurança do país, começando pela PIDE, que detinha especiais responsabilidades no controlo das fronteiras.

À PIDE (depois DGS) competia o controlo da emigração

À PIDE (depois DGS) competia o controlo da emigração

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (13)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora, dentro do contexto nacional, a caracterização da política policial seguida pelo regime de Salazar face à emigração.

Militares da GNR

Militares da GNR

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (12)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora o contexto nacional entre os anos de 1960 e 1975.

João Antunes Varela, ministro da Justiça, acreditava que o motivo da emigração eram os baixos salários pagos em Portugal

João Antunes Varela, ministro da Justiça, acreditava que o motivo da emigração eram os baixos salários pagos em Portugal

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (11)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falemos agora nas potencialidades da chamada «Raia Seca».

Raia seca

Raia seca

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Apresentação de livro sobre a Emigração

O livro «Visages de l’Émigration Portugaise», da autoria do valdespinhense Joaquim Tenreira Martins, vai ser apresentado no Salão Nobre dos Paços do Concelho do Sabugal, no dia 12 de Agosto, pelas 16h30.

Visages de l'emigration portugaise - Joaquim Tenreira Martins - Capeia Arraiana

Capa do livro «Visages de l’emigration portugaise» de Joaquim Tenreira Martins

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (10)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falemos agora no concelho do Sabugal, aludindo às fronteiras do concelho e à evolução do número de freguesias.

Castelo de Vilar Maior

Castelo de Vilar Maior

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (9)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falemos agora no concelho do Sabugal, aludindo à caracterização do território.

Sabugal 1967

Sabugal 1967

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (8)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falemos agora no concelho do Sabugal, aludindo às suas origens históricas.

Castelo do Sabugal

Castelo do Sabugal

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (7)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Continuamos a fazer alusão à «metodologia» que é seguida na investigação e na apresentação deste trabalho.

A fronteira na Serra das Mesas

A fronteira na Serra das Mesas

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (6)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Façamos agora alusão à «metodologia» que é seguida na investigação e na apresentação deste trabalho.

Homens do Soito que foram a salto para França

Homens do Soito que foram a salto para França

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (5)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Façamos agora o que se chama o «levantamento da problemática».

A Guarda Fiscal vigiava a fronteira - antigo posto de Vale de Espinho

A Guarda Fiscal vigiava a fronteira – antigo posto de Vale de Espinho

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (4)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Continuamos a analisar o «estado da arte» em termos académicos.

Emigrantes em viagem

Emigrantes em viagem

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (3)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Continuamos a analisar o «estado da arte» em termos académicos.

ob_59fc24_1097-14a-passage-clandestin

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (2)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Vejamos o «estado da arte» em termos académicos.

A fronteira atravessava-se a salto

A fronteira atravessava-se a salto

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (1)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes.

O Sabugal foi centro importante da emigração clandestina

O Sabugal foi centro importante da emigração clandestina