Category Archives: Arquivo Histórico

Rede de Judiarias de Portugal - Sabugal - © Capeia Arraiana

Herança Judaica em exposição na Torre do Tombo

«Heranças, Vivências e Património Judaico em Portugal» tem como objetivo divulgar ao público em geral a vivência dos sefarditas portugueses. A exposição, que estará patente na Torre do Tombo, em Lisboa, tem inauguração marcada para esta segunda-feira, 20 de março. Após o dia 29 de abril a mostra irá viajar por 37 municípios incluindo o Sabugal. (Actualização.)

Exposição sobre os Judeus foi visitada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Exposição da Herança Judaíca na Torre do Tombo foi visitada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Efemérides - 2015 - © Capeia Arraiana

Centenário da partida para a guerra

Há exactamente 100 anos, partiu de Portugal, com destino a França, a primeira brigada do Corpo Expedicionário Português, com o fim de engrossar as forças aliadas que estavam nas trincheiras para suster o avanço das tropas alemãs.

Partida do CEP para a guerra

Partida do CEP para a guerra

Invasões Francesas - Paulo Leitão Batista - © Capeia Arraiana

Coimbra – o massacre que nunca existiu

Em 7 de Outubro de 1810, a milícia do coronel Trant e populares terão cometido um terrível acto de selvajaria em Coimbra, chacinando boa parte dos cerca de 5 mil soldados franceses ali deixados por Massena após a batalha do Buçaco. Porém o major general Rui Moura, numa investigação aturada, prova que esse massacre nunca existiu.

Cidade de Coimbra. London: C. Turner and Colnaghi, 1812-1815. St. Clair, Thomas Staunton

Cidade de Coimbra. London: C. Turner and Colnaghi, 1812-1815. St. Clair, Thomas Staunton

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

Os 40 anos de poder local democrático

Há 40 anos realizaram-se as primeiras eleições democráticas para as autarquias locais, em 12 de Dezembro de 1976, nas quais PS e PPD conseguiram o mesmo número de presidentes de Câmara, mas os socialistas tiveram mais votos. No Sabugal venceu o CDS, sendo eleito presidente João Lopes, natural de Vale de Espinho.

Tomada de posse do primeiro presidente da Câmara do Sabugal eleito democraticamente - João Alberto Antunes Lopes

Tomada de posse do primeiro presidente da Câmara do Sabugal eleito democraticamente – João Alberto Antunes Lopes

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Mário Bigotte Chorão

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A derradeira comunicação da Cimeira dos 700 anos do Foral do Sabugal, realizado há 20 anos, coube ao Professor Universitário Mário Bigotte Chorão, que proferiu uma eloquente oração de sapiência acerca do documento fundador do concelhio.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Horácio Alexandrino

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O último dia da cimeira evocativa dos 700 do Foral do Sabugal, teve como interveniente o professor e advogado sabugalense Horácio Alexandrino, que falou sobre o tema «Sabugal – os desafios do Futuro».

Horácio Alexandrino no uso da palavra

Horácio Alexandrino no uso da palavra

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Mário Simões Dias

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A última intervenção do segundo dia do Cimeira comemorativa dos 700 anos do Foral do Sabugal e Vilar Maior, coube a Mário Simões Dias, escritor e investigador que falou sobre «D. Dinis e o Foral de Vilar Maior».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (25)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Apresentamos a CONCLUSÃO deste estudo sobre a epopeia de povo.

bloncourt5

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de José Manuel S. Louro

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia da cimeira sabugalense, realizada há 20 anos, prosseguiu com a intervenção de José Manuel S. Louro, que abordou o tema «Valores da natureza e da arte».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Fernando Patrício Curado

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia n(em 9 de Novembro de 1996) da cimeira histórica do Sabugal prosseguiu com a muito apreciada intervenção do arquélogo Fernando Patrício Curado, que falou sobre «O património arqueológico do concelho.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Pinharanda Gomes

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Os trabalhos do segundo dia do Congresso, em 9 de Novembro de 1996, prosseguiram cm a intervenção do filósofo Pinharanda Gomes, que falou sobre o tema «Os Geógrafos da Coa».

Pinharanda Gomes

Pinharanda Gomes

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (24)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos hoje de como era organizada e concretizada a viagem «a salto» para fora do país.

ob_ffd988_1106-34a-dans-les-pyrennees-copie

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Adérito Tavares

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Foi longo o segundo dia do congresso dos 700 anos do Foral do Sabugal, a 9 de Novembro de 1996, que continuou com a intervenção do historiador Adérito Tavares, que falou sobre «A Tauromaquia Popular na Raia do Sabugal».

Adérito Tavares

Adérito Tavares

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Maria José Mexia

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Continuando a expor o que foi o segundo dia da Cimeira do Foral do Sabugal, em 9 de Novembro de 1996, expomos uma comunicação marcante: a da arquivista Maria José Mexia, que abordou o tema «Livrarias particulares do Concelho, no Século XVIII».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (23)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora a documentação dos emigrantes, que muitas vezes era falsa.

Passaporte de 1965

Passaporte de 1965

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Manuel Leal Freire

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: As intervenções no segundo dia do Congresso, a 9 de Novembro de 1996, prosseguiram com o bismulense Manuel Leal Freire, que, numa intervenção muito apreciada, falou sobre «Aspectos etnográficos do concelho do Sabugal».

Manuel Leal Freire (Foto D.R.)

Manuel Leal Freire (Foto D.R.)

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (22)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora das redes organizadas que auxiliavam a emigração clandestina.

Trilhos da emigração clandestina (foto José Carlos Callixto)

Trilhos da emigração clandestina (foto José Carlos Callixto)

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A intervenção de António Amaro Monteiro

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A manhã do segundo dia do Congresso, em 9 de Novembro de 1996, com o Salão Nobre da CM Sabugal repleto de gente, prosseguiu com a intervenção do filósofo António Amaro Monteiro, que abordou o tema «Cultura e Sociologia do Concelho do Sabugal».

Um congresso histórico

Um congresso histórico

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de Vítor Pereira Neves

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: O segundo dia do Congresso, em 9 de Novembro de 1996, abriu com a profunda e rigorosa comunicação de Vítor Pereira Neves dedicada ao tema Os Concelhos Medievais Integrados no Concelho do Sabugal.

Vítor Pereira Neves

Vítor Pereira Neves

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Apresentação do livro Forais do Sabugal

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A primeira sessão da cimeira comemorativa dos 700 anos do foral de D. Dinis, acontecida no dia 8 de Novembro de 1996, encerrou com a apresentação do livro «Forais do Sabugal», da autoria do historiador sabugalense Carlos Alberto Morgado Gomes, editado pela Câmara Municipal.

O livro de Carlos Alberto Morgado Gomes

O livro de Carlos Alberto Morgado Gomes

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (21)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora dos trilhos usados pelos emigrantes para cruzarem a fronteira a salto.

PASSADORAS MARCO DE FRONTEIRA VILAR FORMOSO

PASSADORAS
MARCO DE FRONTEIRA
VILAR FORMOSO

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação de João Bigotte Chorão

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Na primeira jornada do Congresso, dia 8 de Novembro de 1996, uma sexta-feira à noite, ouviu-se a cuidada e pertinente intervenção do crítico literário João Bigotte Chorão, que abordou o tema «Interioridade e Raia».

João Bigotte Chorão

João Bigotte Chorão

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

A comunicação do Padre Francisco Vaz

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: ::O Padre Claretiano Francisco Vaz, natural de Alfaiates, já falecido, fez a primeira intervenção de fundo no Congresso realizado há 20 anos, com uma profunda reflexão acerca da «Religiosidade Popular no Concelho do Sabugal.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (20)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Continuamos a falar da importância da experiência do contrabando para a prática da emigração clandestina, abordando agora como operavam as redes organizadas de contrabando.

A maior parte do contrabando era transportado às costas por trilhos clandestinos

A maior parte do contrabando era transportado às costas por trilhos clandestinos

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Um congresso de sucesso

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A reunião magna evocativa da história do concelho do Sabugal, das suas tradições e da sua cultura, constituiu um evento solene que chamou atenções sobre o Sabugal e o exemplo de como comemorar uma data marcante.

Sessão do Congresso

Sessão do Congresso

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Uma carta de Manuel António Pina

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: Há 20 anos, aquando da organização do Congresso procurámos reunir no Sabugal figuras ilustres do concelho. Enviámos várias missivas e uma delas seguiu para o poeta e jornalista Manuel António Pina que nos respondeu informando que não poderia participar por razões emocionais.

Manuel António Pina

Manuel António Pina

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (19)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora do contrabando como prática arreigada no concelho e cuja experiência contribuiu para o êxito da emigração.

O contrabando foi percursor da emigração clandestina

O contrabando foi percursor da emigração clandestina

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Como nasceu o Congresso do Foral

:: :: CONGRESSO DO FORAL DO SABUGAL :: :: A ideia de comemorar em Novembro de 1996 os 700 anos do foral dionisino do Sabugal nasceu na Casa do Concelho, e resultou de uma conversa com o grande filósofo e historiador quadrazenho Jesué Pinharanda Gomes.

O congresso deve-se a Pinharanda Gomes

O congresso deve-se a Pinharanda Gomes

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

O Congresso do Foral do Sabugal

Foi há 20 anos que se realizou no Sabugal o Congresso comemorativo do sétimo centenário dos forais do Sabugal e de Vilar Maior, evento que durante três dias evocou a história do concelho nas suas diferentes vertentes.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (18)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Falamos agora dos processos judiciais existentes no Tribunal do Sabugal que resultaram da acção das autoridades contra a emigração clandestina.

Tribunal do Sabugal - Capeia Arraiana

Edifício do Tribunal do Sabugal

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 18 de Junho de 1955

Desavença com o recluso Quintão na prisão de Caxias. O Espanhol que não sabia ler português. Visita a Monsenhor Ruas, que lhe traça limites. FIM dos registos no Diário

O fim do Diário de joaquim Salatra

O fim do Diário de joaquim Salatra

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 22 de Abril de 1955

Nas prisões de Monsanto, Caxias e Limoeiro. Assistência aos presos com sobressaltos. Querem impedi-lo de exercer a acção de vicentino.

Salatra continua a acção vicentina nas prisões

Salatra continua a acção vicentina nas prisões

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 29 de Março de 1955

Dado como mentalmente incapaz para o serviço, Joaquim Salatra foi afastado da Caixa Geral de Depósitos e passou a dedicar-se à obra de S. Vicente de Paula, a que pertencia. A sua «acção vicentina» desenvolve-se na assistência aos proscritos, levando-lhes a mensagem fraternal cristã.

Prisão de Caxias

Prisão de Caxias

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 28 de Julho de 1954

À procura de uma cunha na Justiça. A miserável arranjou trabalho. Carta ao administrador geral da Caixa Geral de Depósito. Querem dá-lo por maluco e expulsá-lo e ainda teve que pagar ao médico que o atestou!

Sede da Caixa Geral de Depósitos no Largo do Calhariz em Lisboa

Sede da Caixa Geral de Depósitos no Largo do Calhariz em Lisboa

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 19 de Julho de 1954

Durante dois anos não há registos no diário… Os factos dão a entender que Joaquim Salatra foi suspenso do serviço da Caixa Geral de Depósitos, sendo-lhe movido um processo disciplinar, a par de uma acção médica para verificação da sanidade mental.

Avenida Almirante Reis, Lisboa

Avenida Almirante Reis, Lisboa

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 31 de Maio de 1952

A mulher volta a pedir dinheiro. As compras recentes que Salatra lhe fez. Mudança de advogado.

O Diário de Joaquim Salatra

O Diário de Joaquim Salatra

ca2016_RuiPaiva_180x135_01

Emigração clandestina no concelho do Sabugal (17)

Nas décadas de 1960 e 1970 a emigração clandestina para França teve por principal palco a zona raiana do concelho do Sabugal, onde a fronteira se atravessava «a salto», usando os «serviços» de passadores experientes. Abordamos agora o modus operandi da Polícia de Segurança Pública e o controlo da emigração no concelho do Sabugal.

A PSP colaborava com as demais autoridades

A PSP colaborava com as demais autoridades

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 2 de Fevereiro de 1952

Houve tumultos à porta do carvoeiro na Rua de Arroios. Almofada serve de capacho. Chamaram-lhe cabrão. A mulher sabe o que se passa.

O Diário de Joaquim Salatra

O Diário de Joaquim Salatra

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 24 de Julho de 1951

Na repartição fala-se no resultados das eleições que elegeram o general Craveiro Lopes presidente da República com o apoio de Salazar.

Craveiro Lopes

Craveiro Lopes

ca2016_joaquimsalatra_180x135_01

Joaquim Salatra – 25 de Junho de 1951

Depois de um tempo de interregno, voltamos ao Diário de Joaquim Salatra. A revolta face aos conselhos do Padre Pio, que o quis conduzir pelo bom caminho, leva-o a escrever uma carta ao Cardeal Patriarca.

Salatra escreve ao Cardeal Cerejeira

Salatra escreve ao Cardeal Cerejeira