Sair de mim

Fernando Capelo - Orelha - Capeia Arraiana - 180x135

A janela avisa-me da manhã, do sol e da cidade. Entreabro-a e confiro o inverno que se me oferece gelado e me arde no rosto. Chegam-me imagens de pessoas em movimentos apressados e de olhares efémeros.

A Serra, vista da janela, impõe-se sem dizer onde começa ou onde acaba

Veículos acelerados enviam-me sons com cheiro a fumo e gritos de buzinas repetidas.

Tudo me parece incongruente. Os começos são imprecisos e os desfechos são ambíguos. Se insisto em releituras, elas reiteram-se espontâneas sem deixar de ser complexas. Tudo se me emaranha na destreza da manhã urbana.
Do outro lado, do lado de trás, há uma outra janela e o que dela me chega é indubitavelmente diferente.

Impõe-se-me a Serra sem que me diga onde começa ou onde acaba. Porém convida-me a relaxar na sua mansidão.

Os cômaros trazem-me à vista o verde brilhante, arrefecido num frio travesso que faz doer. As rochas enduram a paisagem que oferece parcelas onde enraízam e enverdecem árvores. No horizonte seguem tortuosos trilhos em busca de remansos verdolengos.

Os fumos são de nevoa milagrosa, suspensa dos céus e desbotada de cinzento/azul.

Sons? Só os do vento onde os pássaros se fazem rápidos e leves.

Deste outro lado tudo é óbvio, tudo é harmonioso, tudo é isento de confusão.

Neste entretanto o dia já principia e eu preciso sair de mim.

:: ::
«Terras do Jarmelo», crónica de Fernando Capelo

2 Responses to Sair de mim

  1. António Emídio diz:

    Amigo Capelo :

    « Do outro lado, do lado de trás há uma outra janela…» Essa outra janela é a Saudade, atrevo-me eu a dizer, porque a Saudade é metafisica é matriz de reflexões às vezes bem profundas…

    Um abraço do Nabais.

  2. Fernando capelo diz:

    Amigo Nabais:
    Janelas, podemos abrir as que quisermos. Até para dentro de nós próprios, claro. E é sobretudo aí que reavivamos sensibilidades, reencontramos vivências e sentimentos. E se parcer que no nosso âmago mora a saudade é porque mora. E não julgo que isso seja mau.
    Um saudoso abraço, meu amigo.

Deixar uma resposta