As próximas eleições legislativas

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

Sem dúvida alguma que eleger os nossos representantes é uma forma de Cidadania, de Liberdade e de Democracia, mas acontece que entre a teoria e a práxis política vai um abismo, ou seja, nós cidadãos só participamos um mínimo na composição e organização da Res Publica!

Tempo de eleger os representantes do Povo no Parlamento

Tempo de eleger os representantes do Povo no Parlamento

Não duvidemos que esta sociedade de consumo atingiu um grau de despolitização perigosíssimo, e agora vou dizer-lhe querido(a) leitor(a) o que já muitas vezes escrevi nos meus artigos aqui no Capeia Arraiana: a Democracia também contém em si, e cada vez mais, um alarmante potencial do tipo – posso, quero e mando – com uma agravante, salvo honrosas excepções, não governam os melhores, mas sim os que conseguem ludibriar e deslumbrar, e também os que o poder económico e as organizações supranacionais apoiam, estudos feitos (e exemplos! Digo eu) provam que a Globalização da economia trouxe uma mediocridade às lideranças, e o maior ludíbrio, ou um dos maiores, é quando se fala em êxito económico, porque esse êxito, a existir, é simplesmente de ordem funcional, não é uma coisa sólida, não é uma coisa estrutural que inclua todos os cidadãos, ou seja, que tenha uma grande dimensão social e humana.

Votemos então no dia 6 de Outubro, mas quem votar, vote com a própria cabeça, não com a dos outros, com a do patrão, do cacique, da comunicação social, etc.

Mais cedo ou mais tarde, a Democracia irá reger-se por outros moldes, ela também tem de evoluir, caso contrário, morre.

:: ::
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

Deixar uma resposta