Fundão – novo pároco

António Alves Fernandes - Aldeia de Joane - © Capeia Arraiana

Em 22 de junho do corrente ano, D. Manuel Felício, Bispo da Guarda, nomeia como Pároco do Fundão, o Padre Helder Lopes, substituindo o Padre Jorge Colaço, que a seu pedido tinha pedido a saída desta paroquia. Hélder Lopes nasce no Colmeal da Torre, concelho de Belmonte, em 27 de junho de 1983 e é ordenado sacerdote em junho de 2008.

O Padre Helder na procissão da festa da Bismula, onde foi pároco

Em agosto de 2008 vai em serviço pastoral para a Comunidade de Unidade Pastoral do Planalto do Ribacôa, que integra as seguintes paróquias: Arrifana e Rapoula e Valongo do Coa, Badamalos, Bismula, Ruivós, Ruvina, Vale das Éguas e Vilar Maior. Durante seis anos, revelou nestas comunidades cristãs grande dinâmica e qualidades em diversas ações pastorais. Não esqueço as suas homilias de grande profundidade catequética.

Todos tem na memória a recriação da Paixão de Cristo, num espaço com vestígios de muitos povos, principalmente romanos, na histórica aldeia de Vilar Maior. Quem assistiu recebeu uma grande lição de catequese e de ensinamentos evangélicos. Fez-nos recuar ao nosso passado e relembrar “os dramas, representações religiosas”, que os nossos pais faziam em tempos quaresmais e pascais. A recriação da Encomendação das Almas em tempos quaresmais e as obras de requalificação do património religioso e de restauro de igrejas e capelas.

No fim de seis anos é nomeado Vice-Reitor do Seminário Maio da Guarda, onde se mantém algum tempo, Assistente Religioso do Estabelecimento Prisional da Guarda e no Secretariado para as Vocações, entre outros serviços.

Todas as semanas colabora no Jornal “A Guarda “, em que na penúltima página escreve pequenos, mas significativos textos de reflexão sobre as leituras dominicais, que quem os lê não fica indiferente. Termina sempre com uma oração simples e alusiva ao tema do Evangelho.

Em 2014 é nomeado pároco da Boidobra e Peso e in solidum de Santa Maria e São Martinho da Covilhã e Assistente do Agrupamento do CNE nº 1222 da Boidobra.

É desta região pastoral que vem para a Comunidade Fundanense, tomando posse em 22 de setembro do corrente ano.

Nesta data entra pela primeira vez a tomar posse como Pároco do Fundão, numa Igreja repleta de fiéis e ao som das vozes do Coro Litúrgico, cantando “nós somos as pedras vivas do Templo do Senhor”.

No meio da vasta assistência destacam-se os diversos movimentos da Comunidade Cristã Fundanense, o Agrupamento 120 do CNE/Escuteiros, das Guias de Portugal e da Fraternidade Nuno Álvares. Presentes o Presidente e a Vereadora da Cultura da Camara Municipal do Fundão e os Órgãos Sociais da Santa Casa da Misericórdia, entre outras entidades.

Antes da iniciação da Eucaristia, o Arcipreste do Fundão, Padre Gilberto, leu o texto da nomeação e as diversas orientações nos deveres e direitos que assistem aos párocos, fundamentados nos diversos artigos do Código do Direito Canónico.

Um representante da Paroquia de S. Martinho do Fundão, salientou que as gentes fundanenses, recebem o Padre Hélder Lopes de coração e de braços abertos e com muita hospitalidade.

O Bispo da Diocese apresentou o novo Pároco à Comunidade, afirmando que se estava a viver um momento muito alto nesta Paroquia, representando o Bom Pastor e Administrador. Salientou dois vetores ao serviço das comunidades, as boas relações e as boas gestões, numa dinâmica de vida comunitária, contando com a colaboração de todos. “Precisamos de estar nas pequenas coisas, para estar nas grandes“.

O Padre Hélder, saudou os fiéis e explicou que confrontado com uma entrevista com o Bispo da Diocese, esperava ir fazer-lhe uma análise dos seus últimos dois anos de vida pastoral e não o convite para nomeação do Pároco do Fundão. “Respondi-lhe com um sim fiel, como o fiz na minha ordenação sacerdotal. Não foi um sim fácil, mas um sim consciente e verdadeiro. Espero com o auxílio e cooperação de Deus, me dê as ferramentas necessárias. Tive o privilégio de contar com a colaboração do Padre Jorge Colaço, que me deu a conhecer a vida desta igreja. Sou apenas um simples instrumento de Deus que nos acompanhará em conjunto. A missão dos sacerdotes, resumidamente é anunciar e testemunhar o grande amor de Deus.”

De uma forma genérica, abordou vários sectores, a liturgia, a catequese, a renovação da pastoral juvenil, ação sócio caritativa, promover espaços e tempos de oração, viver-se uma igreja em comunhão.

Salientou para o vasto património cultural e histórico-religioso do Fundão e para a necessidade de se iniciar obras na Casa da Catequese, onde as centenas de crianças tenham umas instalações com maior conforto e meios pedagógicos. “É necessário arregaçar as mangas e trabalhar.”

:: ::
«Aldeia de Joanes», crónica de António Alves Fernandes

Deixar uma resposta