As tendas do grão-vizir

Os judeus de Constantinopla disputavam com os muçulmanos a perfeição das suas religiões. Falando-se a respeito do paraíso, os judeus não tinham pejo em afirmar peremptoriamente que eles seriam os únicos que nele haviam de entrar.

Constantinopla

Essa argumentação não agradou aos muçulmanos, que perguntaram:

– Onde julgais que seremos colocados?

– Fora das muralhas do Éden, e dali nos olhareis – responderam os judeus, não se atrevendo a dizer que os turcos seriam excluídos até da vista do paraíso.

Chegou o assunto aos ouvidos do Grão-vizir, que viu naquela disputa um oportuno pretexto para sobrecarregar os judeus com um novo tributo.

E disse assim aos seus ministros:

– Se essa canalha nos quer colocar fora do recinto do paraíso, olhando de longe para as muralhas, é justo que nos forneçam as tendas, a fim de não ficarmos desabrigados.

Vai daí, os judeus viram-se sobrecarregados com a cobrança de mais um imposto, destinado a custear as tendas do grão-senhor.

É caso para dizer que pela boca morre o peixe.

:: ::
Paulo Leitão Batista, «Histórias de Almanaque»

Deixar uma resposta