Faleceu mestre Jesué Pinharanda Gomes

Obituário - © Capeia Arraiana

Faleceu mestre Jesué Pinharanda Gomes. Nasceu em Quadrazais, concelho do Sabugal, a 16 de Julho de 1939 e foi um dos maiores escritores, pensadores e filósofos do nosso tempo. Era membro da Academia Luso-Brasileira de Letras, da Academia Internacional da Cultura Portuguesa, da Academia Portuguesa de História e Doutor Honoris Causa pela UBI-Universidade da Beira Interior da Covilhã. O corpo de Jesué Pinharanda Gomes estará em câmara ardente na Igreja de Santo António dos Cavaleiros, em Loures, a partir das 17:00 horas de domingo e, pelas 10:00 horas de segunda-feira haverá missa de corpo presente celebrada por D. Manuel Clemente, Cardeal Patriarca de Lisboa, de quem era amigo pessoal, seguindo depois para a sua terra natal, Quadrazais, onde se realizará o funeral pelas 18:00 horas.

Jesué Pinharanda Gomes  - Capeia Arraiana

Jesué Pinharanda Gomes – Capeia Arraiana

Faleceu este sábado, 27 de Julho, mestre Jesué Pinharanda Gomes. Foi ensaísta, pensador, escritor, filósofo, historiador e investigador. Autodidata por opção, e autor de valiosos trabalhos sobre Filosofia, Teologia, Pensamento Português, Etnografia, Filosofia Hebraico-Portuguesa e História.

Da sua obra destaca-se a «Introdução à História da Filosofia Portuguesa» (1967), os sete volumes da série «Pensamento Português» (1969-1993), «A Teodiceia Portuguesa Contemporânea» (1974), «A Filosofia Tomista em Portugal» (1978) os três volumes da pioneira «História da Filosofia Portuguesa» (1981, 1983 e 1991) – onde a contribuição hebraica e árabe para a constituição de uma tradição especulativa autónoma foram consideradas global e sistematicamente – o volume sobre «Os Conimbricenses» (1992 e 2005), os estudos dedicados à «Escola Portuense» (2005), ou à sua valiosa colaboração em diversos volumes da «História do Pensamento Filosófico Português» (1999-2004), dirigida pelo Professor Doutor Pedro Calafate.

A obra historiográfica de Pinharanda Gomes caracteriza-se pela seriedade intelectual, pelo rigor hermenêutico, pela lúcida compreensão reflexiva de obras, autores e correntes, pela clareza expositiva e qualidade literária, que fazem dela um marco essencial nos estudos contemporâneos da nossa história filosófica.

Pinharanda Gomes desenvolveu significativa obra especulativa própria, em livros e ensaios como «Exercício da Morte» (1964), «Peregrinação do Absoluto» (1965), «Teoria do pão e da palavra» (1973), «Pensamento e Movimento» (1974) ou «Saudade ou do mesmo e do outro» (1976).

Recordamos como descreveu, em entrevista a Paulo Leitão Batista, a metafísica data do seu nascimento:

«O ano do meu nascimento é 1939, mas o dia 16 de Julho é um acto de fé meu na memória de minha mãe, porque foi ela que me disse ter vindo ao mundo nesse dia. Era verão e nesse ano minha mãe e meu pai foram mordomos do Espírito Santo, que era uma festa muito importante que se fazia em Quadrazais, e de resto em todo o País, no domingo de Pentecostes. Por essa altura minha mãe já estava com a gravidez avançada e deu-se o caso de andarem a arranjar a capela do Espírito Santo na Lameira, do lado de lá do rio Côa. Meu pai transportava telhas no carro de bois e, ao atravessar o Côa, uma vaca caiu e morreu, o que para ele foi uma tragédia. A morte da vaca criou-lhes a necessidade de arranjar uma outra, para completar a junta com que faziam a vida da lavoura. Ora, na altura, um casal novo ao ver-se confrontado com uma despesa extraordinária ficava obrigado a desfazer-se de alguns bens, pois nem toda a gente tinha o dinheiro necessário a fazer frente a um imprevisto. Foi isso mesmo que sucedeu com os meus pais, para quem os rendimentos da agricultura, de onde viviam, não chegavam para constituir fundos de reserva. Mas, voltando ao meu nascimento, embora tenha acontecido a 16 de Julho, no dia da Senhora do Carmo, numa madrugada em que houve um incêndio numa casa do Vale, a verdade é que vim a ser registado no Registo Civil como tendo nascido no dia 7 de Outubro de 1939. Isso é curioso pela coincidência mariana, porque fui registado como tendo vindo ao mundo no dia de Nossa Senhora do Rosário, que também é a do Escapulário do Carmo.»

E como Josué passou a Jesué e obrigou mesmo a uma intervenção da Câmara Municipal do Sabugal…

«No registo civil está bem, e no registo do baptismo também, está Josué, tal qual como o nome do meu pai. Quando se tratou de tirar o bilhete de identidade no Sabugal, a pessoa que passou a certidão de nascimento cometeu erro de transcrição e no bilhete de identidade ficou o nome Jesué. Mais tarde, quando fui fazer exame de admissão para o liceu, na Guarda, o secretário do estabelecimento levantou o problema e ter na lista dos examinandos um Josué, que apresentava um bilhete de identidade onde constava o nome Jesué. Para resolver o problema tive que ir ao Sabugal, falar com o meu primo Lucas Baltazar, que era escrivão do Tribunal. Este falou com o secretário da Câmara Municipal, o Senhor Rubens, e vim de lá com uma «pública forma», em que a Câmara Municipal declarava para todos os convenientes efeitos que o Jesué era também conhecido por Josué, sendo uma e a mesma pessoa. E assim fiquei definitivamente Jesué.»

Sobre as suas origens e a aristocracia da sua família…

«Da parte de meu pai, há a dizer que a minha bisavó, Maria José Gomes Freire Vieira de Azevedo, que morreu em 1919, estava casada com António Caldeira Gonçalves Pinharanda, do Sabugal. Daqui é que vinha uma certa aristocracia. O meu bisavô era descendente do tabelião do Sabugal e a minha bisavó era filha de um capitão mor, de nome Vieira, que depois ficou conhecido pelo Major, proprietário da afamada Quinta do Major, que abarcava uma boa parte da Serra da Malcata. Tiveram oito filhos, entre eles o meu avô Alberto Gonçalves Pinharanda. Esse meu avô Alberto, que era o filho mais velho, conheceu uma mulher muito gentil de Quadrazais, filha do povo, chamada Maria Torrinha, com a qual veio a casar. O pai da Maria Torrinha chamava-se Manuel Torro e era almocreve, ou azemel, transportando em machos mercadorias de Quadrazais e do Sabugal para Penamacor e Monsanto, de lá trazendo outras coisas. Fazia troca de produtos agrícolas, como azeite, figos, nozes e vinhos. Sendo azemel e homem muito poupado, comprou progressivamente terras e comprou também um moinho com açude e terras anexas, no lugar do Salgueiral. A minha avó Torrinha casou com o Alberto, que era rico e recebeu o seu dote. Mas o meu avô Alberto tinha uma sina na vida: era um jogador inveterado. Jogou tudo o que pode até tudo perder. Tinha uma boa casa agrícola e destruiu tudo com o jogo. Jogou de tal forma que quando já nada tinha, vendo-se na desgraça, resolveu imigrar para a Argentina, deixando o meu pai, Josué, com um ano de vida, nos braços da mãe, a Maria Torrinha. Isto passou-se por volta de 1920. Nunca mais regressou da Argentina. Embarcou em Cadiz, levando no bolso 250 escudos que a minha avó, condoída, lhe arranjou. Passados dois anos enviou da Argentina esse dinheiro, e a partir daí nunca mais se soube nada dele.»

Infância em Quadrazais até aos 11 anos e depois foi viver com uma tia para a Guarda…

«Há aqui uma questão temporal importante. Eu nasci em 1939, mas saí de Quadrazais em 1950, com 11 anos feitos, porque depois vivi na Guarda, vindo a Quadrazais apenas esporadicamente. A minha tia, em cuja casa fiquei alojado na Guarda, não queria que eu voltasse a Quadrazais e fosse subtraído à sua tutela. Assim, a minha vida na aldeia foi muito breve e numa idade em que não tive tempo para me aperceber de muitas coisas. Porém estive lá o tempo suficiente para me aperceber que a vida não era fácil. E ser criança em Quadrazais era particularmente difícil. Eram tempos de miséria e de grande provação. Os nossos brinquedos eram pedrinhas e pauzinhos. Outra coisa não havia. As raparigas faziam as matrafonas, as bonecas de pano, e os rapazes jogavam à pedrinha, ao ferro, à macaca, à choina ou à belharda.»

Mas a cultura popular de Quadrazais esteve sempre presente…

«A minha relação com a cultura da aldeia foi tão forte que, quando fui para a Guarda, comecei por escrever coisas acerca de Quadrazais, manuscritos com a descrição dos usos e costumes. Tudo isso levou a que os primeiros artigos que consegui depois publicar em Lisboa, pagos (recebi 200 escudos por cada artigo), foram editados numa publicação prestigiada chamada «Mensário das Casas do Povo». Depois ainda os aperfeiçoei e vim a publicá-los também na «Revista de Portugal», dedicada à Linguística e à Etnografia, que era igualmente muito prestigiada. Não me pagaram, mas deram-me 50 separatas da revista com os meus textos. Foi a «Introdução à Etnografia Infantil», «A Gíria de Quadrazais», «O Cancioneiro de Quadrazais» e a narrativa «Da Quaresma à Festa das Flores» – quatro artigos que ali publiquei e de que me deram separatas. Foi por aqui que eu comecei. Quando, em 1968, já não me restava memória para a etnografia quadrazenha, fiz o livro «Práticas de Etnografia» e arrumei o assunto.»

Escola Primária em Quadrazais, liceu na Guarda e depois toda uma vida em Lisboa…

Em 1959 viajou para Lisboa, onde trabalhou e frequentou a Biblioteca Nacional, que foi a sua verdadeira escola superior. Era ali que passava o tempo disponível, lendo livros e investigando, dentro de uma metodologia e de uma disciplina que impunha a si próprio. Pretendeu estudar na Faculdade de Letras, mas desistiu face à descoberta das tertúlias que se realizavam nos cafés, e onde se aprendia ouvindo as palestras de pensadores consagrados e participando nos debates que ali se promoviam. Nessa senda, encontrou a tertúlia animada pelos ensaístas Álvaro Ribeiro e José Marinho, onde lhe foi revelada a Filosofia Portuguesa, corrente do pensamento de que viria a tornar-se um dos nomes mais proeminentes.

O mérito da sua obra levou-o a ser eleito para a Academia Luso-Brasileira de Letras, a Academia Internacional da Cultura Portuguesa e a Academia Portuguesa de História.

Primeira reunião em casa de Pinharanda Gomes com os responsáveis da Câmara Municipal do Sabugal (Foto: JCL)

Primeira reunião em casa de Pinharanda Gomes com os responsáveis da Câmara Municipal do Sabugal
(Foto: José Carlos Lages)

Em 2008 doou o seu património cultural aos sabugalenses…

Pinharanda Gomes ofereceu a sua valiosa biblioteca pessoal, pastas com correspondência particular do escritor, recortes e artigos de Imprensa sobre o autor, diplomas de instituições e a numerosa colecção de imagens de santos em que se destacam as valiosíssimas figuras em barro e outros materiais relativos à sua devoção pessoal, Santo António, padroeiro dos alfacinhas. A Câmara Municipal reuniu, catalogou e criou no Sabugal o Centro de Estudos Pinharanda Gomes constituído por vários núcleos de investigação cultural.

Doutoramento Honoris Causa pela UBI-Universidade da Beira interior

Doutoramento Honoris Causa pela UBI-Universidade da Beira Interior

Acontecimento do Ano 2018…

O Capeia Arraiana escolheu como Acontecimento do Ano 2018 a atribuição do grau de Doutor Honoris Causa ao pensador quadrazenho Jesué Pinharanda Gomes, pela Universidade da Beira Interior (UBI). A cerimónia de imposição das insígnias académicas aconteceu no dia 20 de Março, na Covilhã, perante uma imensa plateia de professores, estudantes, autoridades civis e religiosas e imensos conterrâneos do ilustre ensaísta e escritor.

Algumas das obras de Jesué Pinharanda Gomes…

– Raul Leal: iniciação no seu conhecimento. (1962).
– Nuno Montemor, testemunhos dos seus Contemporâneos (1964).
– Francisco Costa: poesia, verdade e vida. (1964).
– O cancioneiro de Quadrazais. (1964).
– Exercício da Morte (1964).
– Peregrinação do Absoluto (1965).
– Filologia e filosofia: Domingos Tarrozo, teórico da língua portuguesa. (1965).
– Filologia e Filosofia (1966).
– Filologia e filosofia: temas de filologia e filosofia portuguesas (1966).
– Introdução à História da Filosofia Portuguesa (1967).
– Da Quaresma à festa das flores em Quadrazais. (1967).
– Práticas de Etnografia (1968).
– Pensamento Português. 7 vols. (1969-1993).
– Dicionário de Escritores do Distrito da Guarda (1969).
– Subsídios para a Bibliografia do Distrito da Guarda (1970).
– Liberdade de pensamento e autonomia de Portugal: a controvérsia da filosofia portuguesa. (1971).
– O discurso de Fedro n’«O Banquete» de Platão. (1972).
– O pensamento filosófico de Silvestre de Morais, (1869-1936), (1972).
– Pensamento e movimento: (prolegómenos a uma ascese filosófica) (1974).
– Teodiceia portuguesa contemporânea: estudo e antologia. (1974).
– Cunha Seixas (1975)
– Gnose e liberdade: notas à obra do Visconde de Figaniére. Novelista luso-brasileiro, erudito, filósofo e personalista. (1976).
– Memória de Riba Côa e de Beira Serra I, II e III (1977, 1978, 1979).
– Pensamento português: vol. 4. ( 1979).
– O Carmo em Loures: Camarate: Frielas: Santo António dos Cavaleiros. (1979).
– Piedade eclesial, piedade popular. (1980).
– História da Diocese da Guarda. (1981).
– História da filosofia portuguesa. 2 vols. (1981).
– Jacques Maritain e o pensamento político português. (1982).
– A tensão positivismo – tomismo em Alfredo Pimenta. (1982).
– O povo e a religião no Termo de Loures. (1982).
– Memórias de Riba Coa e da Beira Serra: a imprensa da Guarda (subsídios). (1983).
– Memória Histórica do convento de Nossa Senhora da Esperança de Belmonte. (1983).
– Caminhos portugueses de Teresa de Ávila. (1983).
– A tradução portuguesa do “Curso de Filosofia” do Cardeal Mercier : (Viseu, 1904). (1983).
– Os congressos católicos em Portugal: subsídios para a história da cultura católica portuguesa contemporânea, 1870-1980. (1984).
– Bernardino de Santa Rosa, a Física Simbólica e a “Renascença Portuguesa”. (1984).
– João Lourenço Insuelas (1884-1950): patrologista bracarense. (1984).
– O arcebispo de Évora Dom Teotónio de Bragança: escritos pastorais. (1984).
– A renascença portuguesa: Teixeira Rêgo. (1984).
– Camões segundo Leonardo Coimbra. (1984).
– A teologia de Leonardo Coimbra. (1985).
– João de Santo Tomás na filosofia do séc. XVII. (1985).
– Formas de pensamento filosófico em Portugal (1850-1950). (1986).
– D. Manuel de Albuquerque presbítero egitaniense, Dom Prior de Guimarães e doutrinador do renascimento católico. (1986).
– Dicionário de Filosofia Portuguesa. (1987).
– Joaquim Alves Mateus: orador político e sagrado. (1987).
– Política e acção social cristãs em Portugal (1830-1980).
– A vida de Manuel Mendes da Conceição Santos na Guarda. (1905-1916). (1987).
– A Guarda Ilustrada, Breve Panorama dos Escritores do Distrito da Guarda. (1988).
– O servo de Jesus Alberto Diniz da Fonseca (1884-1962), (1988).
– Hipólito Raposo: seminarista na Guarda (1902-1904). (1988).
– Teses antropológicas e estéticas de Flávio Gonçalves (1929-1987). (1989).
– O Gallaz do Carmelo: heroísmo e santidade. (1989).
– Os Tojais e a Casa do Gaiato: monografia histórica. (1990).
– A grande refrega sobre o patriotismo de D. Frei Bartolomeu dos Mártires. (1990).
– As duas cidades. (1990).
– Leonardo Coimbra na Póvoa de Varzim (1912-1914). Elementos de biografia e de cronologia. (1990).
– A recepção de encíclica Rerum Novarum em Portugal. 1891-1900. (1991).
– História da filosofia portuguesa: a filosofia arábico-portuguesa. (1991).
– Francisco Costa, um escritor integral. (1992).
– Entre filosofia e teologia. (1992).
– Dom Manuel Martins Manso. Bispo do Funchal e da Guarda. (1996).
– D. Manuel Mendes da Conceição Santos: Vice-Reitor do Seminário da Guarda (1905-1916) e Bispo de Portalegre (1916-1920), (1996).
– Caminhos portugueses de Santa Teresinha do Menino Jesus. (1997).
– Confrarias, Misericórdias, Ordens Terceiras, Obras Pias e outras associações de fiéis em Portugal nos séculos XIX e XX. Bibliografia institucional e contributo. (1997).
– S. Teresinha do Menino Jesus na devoção portuguesa. (1998).
– A casa do Gaiato de Lisboa e o Palácio dos Arcebispos em Santo Antão do Tojal . (1998).
– Associações de fiéis em Portugal nos séculos XVIII-XX. Contributo de bibliografia institucional. (1998).
– Padre José Geraldes Freire: em louvor de nossa Senhora. (1998).
– Santo Frei Pedro da Guarda. (1999).
– A cidade nova. Reflexões sobre religião e sociedade. (1999).
– A regra primitiva dos cavaleiros templários. (1999).
– Imagens do Carmelo Lusitano. Estudos sobre história e espiritualidade Carmelitas. (2000).
– Aspectos da filosofia católica em Portugal na segunda metade do século XX. (2000).
– Os últimos dias de franciscanos e clarissas na Guarda. (2000).
– As “confissões” de Santo Agostinho em português. (2000).
– Laudes no 4º centenário da morte de D. Fr. Amador Arrais, O. Carm ou Fr. Amador do Carmo. (2000).
– O pensamento filosófico católico em Portugal na 2.ª metade do século XX. (2000).
– A Educação Feminina na Guarda. Os dois Colégios de Nossa Senhora de Lurdes. (2001).
– Meditações lusíadas. (2001).
– Memórias da Guarda. (2001).
– Livros didácticos portugueses de grego : (sécs. XVIII-XX). (2001).
– As “Confissões” de Santo Agostinho em português. Revisão e actualização. (2001).
– Cultos portugueses do divino Espírito Santo. Contributo bibliográfico. (2001).
– Alfredo Pimenta director do “Districto da Guarda” (1913-1915). ( 2001).
– A Guarda culta: imagens de literatura, música, poesia e religião. (2002).
– Criptónimos e pseudónimos de escritores. Contributo. (2002).
– Caminhos de Lourdes: seguidos de Lourdes em Portugal. (2002).
– Génese e percurso da Cartuxa de Évora. (2002).
– A Livraria da Cartuxa de Laveiras (Oeiras). (2002).
– O episcopado portuense (1536-1550) de D. Fr. Baltazar Limpo. (2002).
– O Escapulário de Nossa Senhora do Carmo: breve iniciação histórico-teológica. (2002).
– Guarda culta. (2003).
– Teses de educação e ensino de Guilherme Braga da Cruz. (2003).
– Amador Arraiz: mestre do espírito. (2004).
– Eva e Ave, ou lembrança da Imaculada Conceição. (2004).
– Imagens de literatura e de filosofia. (2006).

:: ::
Entrevista completa de Paulo Leitão Batista a Jesué Pinharanda Gomes… (Aqui.) (Aqui.) e (Aqui.)

«Carta Dominical», crónicas de Pinharanda Gomes no Capeia Arraiana (Aqui.)

jcl

4 Responses to Faleceu mestre Jesué Pinharanda Gomes

  1. Fernando capelo diz:

    Uma enorme perda. Fica-nos, agora, a sua Obra.

  2. António Emídio diz:

    Morreu um Homem de uma cultura impressionante, o Concelho do Sabugal ficou mais pobre. Deixou-nos a sua – Obra – oxalá a saibamos respeitar.

    António Emídio

  3. Adérito Tavares diz:

    Pinharanda Gomes era dotado de uma extraordinária inteligência, de uma imensa curiosidade intelectual e de uma espantosa capacidade de trabalho (a bibliografia aqui citada por JCL demonstra-o bem!). Não foi apenas a região sabugalense que perdeu este Homem raro, foi o País.
    Adérito Tavares

  4. António Cunha diz:

    Sentidos pesames á família.
    António Cunha

Deixar uma resposta