Retratos de um Povo

Fernando Capelo - Terras do Jarmelo - © Capeia Arraiana

Chegou-me o livro “Retratos de um Povo” pela mão do seu autor, José Grilo dos Santos, meu amigo de sempre. Foi-me entregue sob um olhar embebido de cumplicidade, gerada por vivências comuns e por uma ampla sobreposição de gostos.

José Grilo dos Santos retrata uma época plena de peculiaridades

O ressoado folhear que se seguiu acabou por sonorizar os curtos intervalos da conversa explanada ante o quente e repousado sabor de duas chávenas de café.
Posto isto, deu-se o esperar pela noite, com o livro por perto ou mesmo debaixo do braço, sustendo, durante a tarde inteira, o imoderado desejo de iniciar uma leitura compulsiva.

Findo o primeiro serão, já o livro havia chegado a meio. Na segunda sessão noturna rematou-se a apreciação da obra.

Escassos dias mais tarde, haveria de retornar à leitura para voltar a saborear uma escrita de pendor etnográfico, para recordar tarefas como as malhas e as matanças, para reviver procissões e bodas, para escutar o som dos sinos, para conferir territórios, para reconhecer personagens como o Profeta ou o Senhor da Cara Torta, para reler a história do Lobo ou do Ninho do Gaio, enfim, para testemunhar o inicio da perenidade de tudo isto e, simultaneamente, mergulhar em mim, nos meus tempos de meninice, vivida nas Cheiras, aldeia irmã das Lameiras, terra natal do autor, ambos os burgos partícipes do concelho de Pinhel.

Portanto, amigo leitor, consumada a tentativa de pôr de parte a parcialidade que poderia parecer fundada na amizade, suponho ter atingido um estado de alma neutro que me permite aconselhar vivamente um gostoso (re)ingresso aos meados do século passado e ao coração de uma aldeia inserida no mais profundo Interior Beirão.

De facto, através destas narrativas, José Grilo dos Santos, retrata uma época plena de peculiaridades e, estampando-a no presente, logra oferece-la ao futuro.
:: ::
«Terras do Jarmelo», crónica de Fernando Capelo

One Response to Retratos de um Povo

  1. José Gama diz:

    Belas e merecidas palavras. Tive o privilégio de apresentar o livro, ação que me deu a maior satisfação. Todos nós, filhos de agricultores naquele tempo, estamos lá.

Responder a José Gama Cancelar resposta