Dirão da Rua

António Gonçalves - Colaborador - Orelha - Capeia Arraiana

:: :: DIRÃO DA RUA :: :: Nome invulgar que causa estranheza! Vou tentar explicar!

Dirão da Rua

A lenda diz que um indivíduo ergueu uma parede para se abrigar do vento, que aqui existe em abundância, mas quando o vento mudou de direção teve necessidade de construir outra e assim sucessivamente, até ter quatro. Terminada esta etapa meteu-se dentro e disse:

– Que dirão os da rua?

Assim terá nascido o nome da povoação!

Contam os mais velhos que todas estas serras, hortas e hortinhas eram dos senhores de Sortelha. Ou seja, segundo esta versão, tudo isto era uma propriedade senhorial! Os quinteiros e trabalhadores, na medida das suas possibilidades, foram comprando pequenas parcelas. Os rendimentos destes servos só possibilitavam a compra de pequenas propriedades; o relevo acidentado, que obrigou à construção de paredes, e a necessidade de dividir o melhor e o pior por todos resultou nas inúmeras hortas e hortinhas. O mesmo processo terá ocorrido com a compra/arrematação dos baldios. Desta forma se explica a existência do minifúndio! Com estas propriedades e a pobreza do solo dificilmente alguém conseguiria enriquecer.

A servidão para com Sortelha:

Os habitantes iam trabalhar, ao serviço de Sortelha, para arranjar os caminhos, levando mesmo juntas de bois! Estas corveias arrastaram-se até cerca de 1960, resultando num certo ódio/aversão, das gerações que me precederam, para com o poder local. Tudo isto pode servir de exemplo para mostrar o atraso económico que aqui se vivia! As consequências foram a emigração, desertificação, envelhecimento da população e abandono dos campos.

Dirão da Rua – ponto de passagem para Sortelha

O que nos dizem os documentos?

Nesta longa viagem, pelos arquivos paroquiais de Sortelha, encontrei os nomes seguintes: Nos séculos XVI e XVII: Quinta do Duram da Rua e Durão da Rua; nos séculos XVIII e XIX: Quinta do Diram da Rua e Dirão da Rua (esta divisão temporal é flexível, na mesma época podemos encontrar escrito de modo diferente). Há cem anos ainda se dizia “Quinta do Dirão da Rua”. Com o aumento do número de habitantes, até meados do século XX, deixou de se utilizar a palavra Quinta, ficando só Dirão da Rua.

Conclusão:

Houve aqui uma quinta pertencente a um aristocrata de Sortelha, tendo ficado conhecida como quinta do Durão da Rua, que seria o nome do rendeiro ou do senhorio e que deu o nome ao lugar, podendo parte do nome derivar do apelido ou alcunha!

A avaliar pelos caminhos velhos existentes, tudo indica que era um ponto de passagem obrigatório para os que se dirigiam para Sortelha, vindos de diferentes locais: Guarda, Vila do Touro, Pousafoles do Bispo…

Seria bom que os responsáveis políticos locais tivessem consciência desta realidade!

Assim, deveriam promover uma política de proximidade através de atividades que reforçassem e promovessem o sentimento identitário da região.
:: ::
«Memórias de Sortelha», por António Augusto Gonçalves

One Response to Dirão da Rua

  1. António Borges diz:

    Segundo Rolinho Pires (Os cabeços das maias, p. 67) Dirão tem origem em Tirano

Deixar uma resposta