Casteleiro – A Quinta de Valverdinho

José Carlos Mendes - Orelha - Colaborador - Capeia Arraiana - 180x135

As maiores quintas do Casteleiro são: Santo Amaro, Anascer, Carrola, Gralhais e Valverdinho. Na semana passada falei de Gralhais – e muita gente gostou de ler, pelo que sei. Vou então falar das outras quintas. Hoje falaremos de Valverdinho.

Quinta de Valverdinho no Google - Capeia Arraiana

Quinta de Valverdinho no Google

Esta quinta que hoje é uma anexa do Casteleiro, já foi em tempos (até ao século XVIII pelo menos), mais importante: foi a Paróquia do Espírito Santo. Na altura pertencia, como o Casteleiro também, ao Concelho de Sortelha.

Vinho e eucaliptos

Há uns anos, Valverdinho foi notícia por duas razões: uma muito boa, outra muito má.

Boa foi a informação de que na Quinta dos Termos, lá perto, se empenha na produção de bons vinhos – a um dos quais até foi dado o nome de Casteleiro, por deferência do produtor.

Produção de vinho

Falemos então de Valverdinho dos dias de hoje.

Uma quinta onde até se produz um vinho com o nome do Casteleiro…

Os eucaliptais do Casteleiro

Os eucaliptais de Valverdinho

O eucaliptal da polémica

Há alguns anos, Valverdinho foi o centro de uma forte polémica: a projectada plantação de um eucaliptal. A tal propósito, na altura, no «Viver Casteleiro», lemos que «o Gabinete Técnico Florestal da Câmara do Sabugal salienta “o eucalipto é problemático para o ecossistema na medida em que contribui para a erosão dos solos” e que a área do projecto apresentado se caracteriza por ser um solo pobre o que “com uma plantação intensiva poderá contribuir para agravar a situação”».

Por essas e muitas outras razões, na altura, em Maio de 2011, a Assembleia de Freguesia do Casteleiro deliberou «manifestar a sua total oposição à aprovação de qualquer projecto de arborização, ou ensaio pontual, com eucalipto, na área da Freguesia de Casteleiro». E, mais e mais sério, afirmou publicamente «não compreender que, muito embora toda a legislação que a informação do Gabinete Técnico Florestal da Câmara evidencia, aponte para a não aprovação do projecto, a Câmara opte pela aprovação de um “ensaio”, tendo ainda em conta que, em 19 de Janeiro, recusou projecto idêntico para a Freguesia de Santo Estevão».

Paróquia de Valverdinho

Talvez não saiba é que Valverdinho já foi mais importante do que tudo isto que estou para aqui a arengar.

Digo isto porquê?

Porque encontrei a seguinte nota:

«Povoação ou Quinta do Valverdinho, hoje integra a freguesia e paróquia de Sortelha, concelho de Sabugal. Foi sede de uma antiga paróquia, cujo orago era o Espírito Santo. Paróquia cuja existência está documentada até ao ano de 1788, foi extinta em em data desconhecida».

No Arquivo Distrital da Guarda encontrei de tudo. Muita informação. Referências, números, dados. Tudo dos séculos XVI a XVIII. Coisas como: «Paróquia do Espirito Santo de Valverdinho 1660/1788». Ou: «Registo de Batismos de Valverdinho 1660/1788». Ou ainda: «Registo de Casamentos 1662/1773». Claro, também os «Registo de Óbitos 1662/1772».

Fique a saber ainda que «os livros dos registos de batismos de 1660 a 1788; de casamentos de 1662 a 1753, de 1756 a 1773 e dos registos de óbitos de 1660 a 1752, de 1754 a 1772), são detidos pelo AN/TT- Arquivo Nacional – Torre do Tombo».

Não esquecer: esta Paróquia do Espírito Santo de Valverdinho existiu quando havia ainda o Concelho de Sortelha (extinto em 1855), ao qual também pertencia o Casteleiro.

Nesse tempo, a importância e número de residentes de Valverdinho nada deve ter a ver com os dados de quando eu era miúdo – e menos ainda com os de hoje, presumo…

:: ::
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

Deixar uma resposta