Porque sou sabugalense, vou!…

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Dia 8 de Junho o Concelho do Sabugal apresenta-se a Lisboa!

Pedido da Praça em Aldeia Velha na Capeia Arraiana de 1980 (Foto: Rui Cunha) - Capeia Arraiana

Pedido da Praça em Aldeia Velha na Capeia de 1980 (Foto: Rui Cunha)

Tive um sogro, João Roque, que vivia no Brasil.

Um dia mandou-nos, a mim e à filha, uma encomenda via aérea.

Na posse da guia de envio, desloco-me ao aeroporto em Lisboa para levantar a encomenda.

Ando de Herodes para Pilatos uma manhã inteira e a encomenda sem aparecer.

Dirijo-me ao quarto ou quinto balcão, explico o que se passa, e a funcionária olha para mim e diz-me: «O senhor é do Sabugal, não é?»

Espantado, mas feliz, respondo que sim e durante uns minutos percebemos quem somos, isto é, sabugalenses os dois!

Não preciso dizer mais nada! Claro que a encomenda apareceu pouco depois.

Sim, sou sabugalense e tenho orgulho em ser sabugalense. Como esta funcionária do aeroporto, minha conterrânea, logo, minha amiga!

Somos assim, todos os que nascemos nas margens do Côa, sabugalenses dos quatro costados!

E por isso vamos estar todos estar juntos, porque o Concelho do Sabugal espera por todos!

Dia 8 de Junho vamos todos ao Campo Pequeno!

ps. O Concelho do Sabugal precisa como do pão para a boca de investimento e mais investimento para sobreviver. Mas basta ouvir falar de algo que podia mudar a vida dos sabugalenses e aí embarcamos nós no diz mal, no levantar de problemas que não existem. Foram as eólicas que seriam sempre boas se não fossem no Concelho, agora é o lítio, amanhã será outra coisa qualquer. Claro que tudo isto tem impactos ambientais, mas já alguém contabilizou os custos que a sua não concretização terá para a vida dos, poucos, que ainda vivem no Concelho?

:: ::
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

2 Responses to Porque sou sabugalense, vou!…

  1. Ramiro Manuel Lopes de Matos diz:

    Claro que no final do meu ps, a palavra custos deve ser lida como benefícios…

  2. José Antunes Fino diz:

    Tenho para mim que quem se opõe à extração do lítio e à instalação das eólicas são aqueles que não vivem no concelho e apenas o visitam nas férias ou de passagem em viagens de lazer. Se lá vivessem e necessitassem de proventos para sobreviver, certamente que não diabolizariam o lítio e as eólicas. Penso que, se devidamente controladas, estas inovações poderão contribuir, fortemente, para o desenvolvimento do nosso concelho, salvaguardando, sempre, a preservação da natureza e a relação de custo “versus”benefício.
    Já agora deixem-me dizer que as eólicas instaladas na Sortelha constituem um verdadeiro atentado à beleza paisagística da sua envolvente: uma aberração!
    Sem investimento, resta-nos a desertificação!

Deixar uma resposta