Assim se vive e festeja em Castelo Mendo

Fernando Capelo - Terras do Jarmelo - © Capeia Arraiana

As Portas da Vila sugerem a entrada num passado medievo. No âmago da Aldeia Histórica, a antiguidade, severa e granítica, grita silêncios durante a maior parte do ano e uma quietude religiosa acaricia as igrejas ainda que despojadas de fiéis.

Festa em Castelo Mendo

A placidez vigente, quiçá excessivamente estabelecida, quebra-se, de forma esporádica com a visita de turistas e suspende-se de forma mais fincada, apenas duas vezes por ano. Uma, por ocasião da Feira Medieval, que regressa todas as primaveras para cumprimento dos seus programas e encenações. Outra, na festa a Nossa Senhora do Rosário de Fátima que se impõe, anualmente, no fim de semana mais próximo do dia treze de maio.

Por altura da festa, avivam-se todas as devoções. As luzes decoram recantos. As colchas engalanam janelas. Os rosmaninhos perfumam e tonalizam de verde as ruas. As maias, ripadas das gestas, pintam de amarelo torrado diversas passadeiras naturais. A música da banda solta-se de bombos, clarins, trompetes e tubas enchendo largos e ecoando por ruas e ruelas.

Os foguetes atroam as manhãs de alvorada e sonorizam, acuradamente, as procissões depois de missas que fluem em catadupa durante todo o fim de semana.

Da sua colina, cercada de profundos vales, a Antiga Vila exibe eventos e patrimónios, de forma sobranceira, perante as margens do rio Côa e recebe, de braços abertos, todos os que a queiram visitar independentemente do argumento.

Castelo Mendo preenche, de facto, este enquadramento que referimos ao qual somamos vetustos residentes ainda empenhados em trabalhos árduos e diários. Esta é a sua dinâmica presente. Assim se mantém viva. Assim se une e é amada pelas suas gentes.
:: ::
«Terras do Jarmelo», crónica de Fernando Capelo

2 Responses to Assim se vive e festeja em Castelo Mendo

  1. Amigo Fernando esta Crónica está simplesmente…fabulosa, isto analisada por quem está por dentro da realidade.

  2. Tuxa Martins diz:

    Parabéns ao cronista e ao fotógrafo Guilherme Capelo.

Deixar uma resposta