Baltazar Jesuíno apresenta livro em Lisboa

Literatura - Capeia Arraiana (orelha)

Baltazar Martins Jesuíno, natural da freguesia da Nave, no concelho do Sabugal, vai apresentar a sua mais recente publicação «Como ser feliz na adversidade e no mundo de hoje» em Lisboa nos dias 11 de Maio na FNAC do Centro Comercial Vasco da Gama e a 18 de Maio na Biblioteca Orlando Ribeiro em Telheiras. Baltazar Jesuíno frequentou Psicologia na Universidade de Nijmegen, na Holanda, e no ISPA. Fez a sua Licenciatura em Antropologia no ISCSP e o Mestrado em Relações Interculturais na Universidade Aberta. Tirou o curso de Filosofia no «Studium Sedes Sapientiae» em Fátima e Teologia em Valência, Espanha, concluindo no ISET, em Lisboa. O autor convida todos os sabugalenses para as apresentações.

Como Ser Feliz na Adversidade e no Mundo de Hoje - Capeia Arraiana

Como Ser Feliz na Adversidade e no Mundo de Hoje

O sabugalense Baltazar Martins Jesuíno, natural da freguesia da Nave, escreveu mais um livro. «Como Ser Feliz na Adversidade e no Mundo de Hoje» foi apresentado no dia 7 de Abril na FNAC de Santa Catarina no Porto. Em dois sábados consecutivos do próximo mês de Maio terão lugar duas apresentações em Lisboa. A primeira será no dia 11, às 16:00 horas na FNAC do Centro Comercial Vasco da Gama e será apresentado pela doutora Madelon Schamarella. A segunda está marcada para o dia 18, às 16:30 horas, na Biblioteca Orlando Ribeiro de Telheiras, com a apresentação a cargo da doutora Madelon Schamarella e de Frei Bento Domingues, Doutor «Honoris Causa» pela Universidade do Minho.

No livro «Como Ser Feliz na Adversidade e no Mundo de Hoje», o Amor e a Felicidade estão para além de uma história pessoal. Trata-se de uma reflexão sobre o Homem no plano espiritual e respectivos reflexos no universo do ser humano. A Felicidade almejada pelo Homem é uma construção de cada um que supõe e determina uma atitude mental e uma actuação no meio social em que vive.

Como é destacado no livro, uma árvore grande precisa de um tronco largo, sólido, para que se mantenha diariamente de pé. Na vida de cada um de nós, esse tronco sólido é a autoestima e autoconfiança que nos permitem viver cada dia sendo nós próprios, com as nossas capacidades e limitações, proporcionando-nos mobilizar umas e eliminar outras, numa construção do «Eu» que é diária e singular.

O personagem António dos Santos define-se como um «ser único nesta viagem passageira que é a vida, onde tenho de me valorizar mais a mim próprio, levando-me também a dar mais valor aos que me rodeiam e ser feliz através do amor, saúde, pensamento positivo, liberdade, otimismo, altruísmo, sorriso, gratidão, espiritualidade, ter um objetivo, propósito e sentido de vida, conviver com os amigos e com a família. A felicidade, bem-estar subjetivo, é também uma forma de vida, um estado de espírito, de paz interior. Tem a ver com o autoconhecimento, com a autoestima e estar atento ao que me faz feliz».

António dos Santos a partir de um desamor e de uma profunda depressão, conseguiu reerguer-se, ganhar uma maior autoestima e autoconfiança e ser feliz. As reflexões que são feitas sobre a Felicidade são um precioso contributo para sermos felizes em qualquer situação ou crise em que nos encontremos ou venhamos a ter.

Baltazar Martins Jesuíno - Capeia Arraiana

Baltazar Martins Jesuíno


:: ::
Baltazar Martins Jesuíno

O autor é natural da freguesia da Nave, concelho do Sabugal, onde nasceu a 15 de Setembro de 1945. Depois da quarta classe foi estudar para um Seminário da Ordem Religiosa dos Dominicanos. Tirou o curso de Filosofia no «Studium Sedes Sapientiae» dos Dominicanos em Fátima, Teologia em Valência, Espanha, vindo a concluí-lo, em 1971, no Instituto Superior de Estudos de Teologia de Lisboa (ISET).
Frequentou Psicologia na Universidade de Nijmegen, Holanda, com uma bolsa de estudos como refugiado político, continuando depois do 25 de abril de 1974 no
Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), Lisboa. Tirou a Licenciatura em Antropologia no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) e, mais tarde, em 1996, o Mestrado em Relações Interculturais na Universidade Aberta.
Trabalhou no Instituto Nacional de Estatística (INE) durante oito anos e cerca de 30 no Ministério da Educação, tendo publicado vários estudos relacionados com a Educação de Adultos. Fez Investigação e desenvolveu projetos no Instituto de Estudos para o Desenvolvimento (IED).
Reformado desde 2007 do Ministério da Educação tem, actualmente, como grande paixão a Investigação sobre a Felicidade, tendo apresentado uma Palestra «Como Ser Feliz na Adversidade e no Mundo de Hoje» no I Simpósio Luso-Brasileiro de Psicologia Positiva & III Congresso Português de Psicologia Positiva, que decorreu em Março de 2018 no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP-ULisboa). Coordena, também, um projeto intitulado «Educar para a Felicidade».

Alguns dos livros publicados por Baltazar Jesuíno

«Situação do Analfabetismo nos Distritos do Continente em 1981», ME/DGEA (Ministério da Educação – Direção Geral da Educação de
Adultos), 1984.
«Situação do analfabetismo a nível concelhio em 1981», ME/DGEA, 1985.
«Análise do analfabetismo segundo os grupos socioeconómicos em 1981 – Relação com alguns indicadores sociais», MEC/DGEA, 1986.
«Disparidades regionais dos níveis de instrução da população adulta portuguesa por grupo socioeconómico (até ao ensino preparatório inclusive)», ME/DGEE (Ministério da Educação – Direção Geral de Extensão Educativa), 1988.
«Desemprego e nível de instrução», ME/DGEE, 1989.
«Caraterização Geral da Região Alentejo», ME/DGEA, 1983 (c/outros técnicos). Documento realizado no âmbito do Projeto Regional Integrado de Educação de Adultos no Alentejo, levado a efeito em conjugação com a Comissão da Região do Alentejo (CCRA).
«Situação do analfabetismo a nível regional e sua correlação com a distribuição do rendimento disponível das famílias», comunicação publicada no 1.º Congresso Nacional de Educação de Adultos, Coimbra, Ed. APCEP (Associação Portuguesa para a Cultura e Educação Permanente), 1986.
– Co-autor do Caderno Juventude XIV «As aspirações dos jovens face ao trabalho e à formação profissional», Lisboa, Instituto de Estudos para o Desenvolvimento (IED), 1988.

jcl

Deixar uma resposta