Cemitérios e práticas funerárias (1)

António Gonçalves - Colaborador - Orelha - Capeia Arraiana

:: :: POUSAFOLES :: :: A preparação para morte e as práticas religiosas a ela associadas, antes e depois, assumiram caraterísticas próprias ao longo dos séculos. As comunidades adaptaram os seus comportamentos ao espaço geográfico e às condicionantes de cada época. Pretendo divulgar informações que encontrei nos Arquivos, bem como alguns costumes que, se não escrevermos, correm o risco de desaparecerem da memória dos povos desta região.

Cemitério de Pousafoles do Bispo

1. Pousafoles do Bispo
Testamento de 1624:
Faleceo Guimar Gonçalves deste lugar mulher de Joam Gonçalves em dezanove de Agosto de mil seiscentos e vinte e quatro annos esta enterrada na egreja fez manda verbal em presença de mim prior e de António Jorge e Francisco Gonçalves e dos seos dois filhos todos deste lugar que presentes se achavam e deixou por sua alma dois officios de quatro clerigos duas missas por pai e mai duas por seus irmãos à confraria do Sacramento três alqueires de centeio à de Nossa Senhora dois a do … três meios a Santa Apolonia e S. Sebastião cada hum seu meio asi mais deixou a mim para despesas huma mantilha preta fina, e a sua prima de Carvalhal Meão hum cular azul e corpete dos pasemanes, a cada Gilmina hua saia azul usada e capotas he hua beatilha, a … fez uma mantilha preta de pano de coja hua camisa de pano novo hua beatilha, e a Francisco Lopes outra camisa do mesmo pano, a Maria da igreja dois iubonis usados e hua apertadousa he hum cabeçam e hum corpinho de linho, e assim mais deixava quinhentos reis para eu prior os repartir por pobres quais fossem mais necessitados he testamenteiro seu marido e assignei mez e era ut supra e assim mais um corpinho florescente … mez era ut supra.
Coelho(1)

Nos séculos XVII e XVIII, os testamentos faziam parte dos Assentos de Óbito.
Repare-se na natureza dos bens testamentados! Hoje acharíamos uma insignificância.

Assento de Óbito de um pobre:
“Aos onze dias do mez de Setembro de mil setecentos noventa e sete anos: Faleceo Teresa, menor de sete anos, filha legitima de António Francisco Miguel, e de Tereza Gomes Parochianos desta freguezia do Salvador de Pousafoles do Bispo, Aro e Bispado da Guarda, e foi sepultada em sepultura da em sepultura da Fábrica. Para constar fiz este assento, que assigno, eu João Rebello Corte Real, Prior desta mesma freguezia. Dia, mez e anno ut supra.
Prior João Rebello Corte Real”(2)

Óbito de um rico (cónego):
“Aos treze dias do mez de Agosto de mil setecentos noventa e seis anos: Faleceo depois de assistido com os Eclesiásticos Sacramentos, e foi sepultado no dia seguinte dentro da Capella Mor desta Igreja do Salvador de Pousafoles do Bispo, Aro e Bispado da Guarda, segundo tudo com certeza se me informou; o Reverendo D. José da Costa Cardoso Pacheco, Conego Regullar de S.º Agostinho, e Prior imediato que foi desta mesma igreja. Para constar fiz, pois que neste livro não achei feito, este assento de Obito, que assigno, eu João Rebello Corte Real, Prior desta mesma freguezia: aos treze dias do mez de Outubro do mesmo anno supra.
Prior João Rebello Corte Real”(3)

Veja-se a diferença de tratamento mesmo após a morte:
– O pobre em sepultura da Fábrica da Igreja; o rico, neste caso um cónego, em lugar privilegiado da Capela Mor. Aos tiveram uma vida melhor em vida, após a morte ficavam mais próximos de alcançar o Reino dos Céus.

A CONSTRUÇÃO DO CEMITÉRIO
Determinações para construção do Cemitério e de uma fonte em Pousafolles:
Artigo 1.º
“Para o corrente ano económico na qual depende desta Câmara autorização para a Junta lançar na respetiva freguesia uma contribuição direta de 70$ para a construção do Cemitério e de uma fonte e poderem lançar mão dos comparochianos para irem trabalhar nas ditas obras.”
Artigo 2.º
“Todos os parochianos da mesma freguesia poderão ser obrigados a ir trabalhar pessoalmente, ou pagar a quem por eles trabalhe nas ditas obras, os dias que necessário for.”
Artigo 3.º
“Todos aqueles que contrariarem as disposições do artigo antecedente sendo lavrador incorrerá numa multa de 400 a 800 réis; e sendo jornaleiro incorrerá numa multa de cento e cincoenta a trezentos réis.”(4)
Este documento é a prova de que nesta data Pousafoles do Bispo pertencia ao concelho de Sortelha

:: ::
«Memórias de Sortelha», por António Augusto Gonçalves
____________
1. Arquivo Distrital da Guarda: Registos Paroquiais de Pousafoles do Bispo, Registos mistos, consultável em: – PT-ADLSB-PRQ-PSBG22-004-M1_m0011.tif:
NOTA: Corpinho – fato/vestido de corpo pequeno.

2. Arquivo Distrital da Guarda: Paróquia de Pousafoles do Bispo, Livro de Registos de Óbitos, consultável em: PT-ADLSB-PRQ-PSBG22-003-O3_m021.tif / PT-ADLSB-PRQ-PSBG22-003-O3_m022.tif:; Fábrica – Comissão encarregue da administração dos bens da Igreja. Quando se verificava o óbito de um pobre, competia-lhe determinar o local da sepultura.

3. Arquivo Distrital da Guarda: Paróquia de Pousafoles do Bispo, Livro de Registos de Óbitos da , consultável em: PT-ADLSB-PRQ-PSBG22-003-O3_m016.tif:

4. Arquivo Municipal de Sabugal, Livro das Actas das Sessões da Câmara Municipal de Sortelha

PS:
Próximo artigo Santo Estevão, com uma reflexão/análise sobre o conteúdo das deliberações emanadas da Câmara Municipal de Sortelha.

4 Responses to Cemitérios e práticas funerárias (1)

  1. Josécarlos Mendes diz:

    Muito instrutivo. E a série promete.
    Obrigado, caro António.

    Mas permita o leitor que lhe diga que este já é o segundo artigo da série e não o primeiro – coisa que a modéstia do autor vê de modo diferente. É que na semana passada já tinha lido aqui:
    http://capeiaarraiana.pt/2019/04/13/a-revolucao-dos-cemiterios-e-praticas-funerarias/

    Agora, já com os meus instrumentos de trabalho em ordem, volto à liça de modo abrangente, como gosto.

    Vamos em frente.

  2. Admario Rocha de Azevedo diz:

    O que significa “manda verbal”?

Deixar uma resposta