A Inconfidência Mineira

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

A «Inconfidência Mineira» foi uma tentativa de revolta e posterior independência do Brasil, tudo se passou em 1789. Vou escrever sobre duas personagens – José Joaquim da Silva Xavier e Joaquim Silvério dos Reis – que tiveram grande influência nessa época histórica do Brasil, um foi um mártir, o outro um traidor.

Retrato de Joaquim José da Silva Xavier - O Tira-Dentes - Capeia Arraiana

Retrato de Joaquim José da Silva Xavier – «O TiraDentes»

O Iluminismo, a Filosofia das Luzes, deu origem a movimentos sociais como a Independência dos Estados Unidos da América e também à Inconfidência Mineira no Brasil, colónia portuguesa, só que no Brasil a independência deu-se mais tarde.

A independência dos Estados Unidos da América a 4 de Julho de 1776, fez com que no Novo Mundo, América Central e do Sul se começasse a respirar um ar de independência por parte dos colonos que queriam ser autónomos, não queriam criar riqueza para outro país, mas sim para o sitio onde estavam radicados. O Brasil não ficou imune a estes novos ares da História. Tanto assim foi, que José Joaquim da Maia Montenegro, natural do Rio de Janeiro e estudante de medicina em Montpellier, avistou-se com Thomas Jefferson, então embaixador dos Estados Unidos em França, e dele recebeu uma promessa de apoio para a independência do Brasil.

A Notícia recebida em Minas Gerais deu origem a um movimento para a independência do Brasil, a «Inconfidência Mineira» cujo líder foi o alferes José Joaquim da Silva Xavier que tinha por alcunha «O Tiradentes», um utópico, mas corajoso. Entre outros que aderiram à conjura esteve Joaquim Silvério dos Reis. Tudo estava preparado para proclamar a independência, mas mal preparado… E como se não bastasse a má preparação, o traidor Joaquim Silvério dos Reis denunciou tudo e todos.

O mártir, José Joaquim da Silva Xavier foi executado no Rio de Janeiro em 21 de Abril de 1792, mas passou a ter na alma dos brasileiros um lugar de honra, e foi o percursor da independência do Brasil. Joaquim Silvério dos Reis, com a sua traição, recebeu o hábito de Cristo , mais 200 mil réis de pensão pelos seus actos de fidelidade exemplar, de bom católico e leal vassalo.

Uma frase de Thomas Jefferson: «A árvore da Liberdade deve ser regada de quando em quando com o sangue dos patriotas e dos tiranos. É o seu adubo natural.»

:: ::
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

Deixar uma resposta