Passam os anos fica a saudade… (23)

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

A matança do porco é uma das festas familiares que mais lembro e de que tenho mais saudades.

Enchimento das chouriças - Capeia Arraiana

Enchimento das chouriças (Foto: D.R.)

A tarde avança e na cozinha vai um frenesim que me deixa confuso, mas feliz.

A massa negra e bem cheirosa já está a ficar no ponto; as tripas do porco foram bem lavadas; os fios cortados à medida para atar as morcelas já pendem nas paredes do alguidar; e as «enchideiras» estão a postos.

É a altura de começar a fazer as morcelas de assar e as outras.

Sentadas em bancos baixos a minha avó, a minha mãe e a Gé deitam-se ao trabalho, pois já se faz tarde.

No lume um caldeiro com água fervente espera as morcelas acabadas de encher e atar para uma pré-cozedura.

O trabalho está acabado, apenas falta pendurá-las nas varas que se guarda de ano para ano e que são suspensas em ganchos que para tal pendem do teto.

Mas já se colocam as necessárias em travessas de barro pretas que são encostadas a paus junto ao lume para ir assando lentamente.

Vou vigiando e ajudando a virar as morcelas com a boca em água e a ansiedade de que chegue a hora de jantar.

Que sabores! Que aromas! As batatas cozidas e os grelos acompanham aquele manjar dos príncipes!

Comenta-se se estão melhor ou pior que as do ano anterior; contam-se, recontam-se histórias velhas, lembram-se familiares já desaparecidos ou a viverem longe.

As crianças como eu e a minha irmã vão aprendendo o que é pertencer a uma família, vão interiorizando os saberes milenares dos mais velhos, vão construindo a sua própria personalidade.
É que a matança era também, e sobretudo, isto, a festa unida de uma família!

E ainda só íamos no primeiro dia…

:: ::
ps. A morte do sr. Albino, pai dos meus amigos Zé, Julieta, João e Paulo foi, para mim, uma notícia triste. Lembro-o, ainda eu era garoto, a viver numa pequena casa já inexistente em frente à Sacor, por detrás da pequena fonte ali existente.
Lembro-o como um homem austero, mas simpático.
Ao Zé, à Julieta, ao Paulo e aos outros familiares um abraço de solidariedade nesta hora má.

:: ::
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

Deixar uma resposta