Casteleiro – Os Italianos e a «Congra»

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Hoje, trago-lhe a memória dos «Italianos» e a lembrança de dois «impostos» da Igreja sobre os seus fiéis: a «congra» e «avença». Por outro lado, a memória de um edifício do Casteleiro muito famoso na altura…

Aqui, eram os Italianos (depois, o café) - Capeia Arraiana

Aqui, eram os Italianos… Depois, o café

Toda a gente com mais de 40 anos se lembrará muito bem dos Italianos, aquele edifício emblemático que devia ter sido um gigantesco forno de separação de minérios e acabou por ser apenas um grande centro de divertimento…

O edifício dos Italianos

O edifício dos Italianos era uma grande construção, bem sólida, mas já não era de pedra como era tradição no Casteleiro. Por exemplo: a igreja, construída também nos anos 40, é toda de pedra. «Os Italianos» tinham sido construídos com tijolo burro (julgo que era isso) e o bloco fora todo rebocado com uma massa de cimento lisinha, pintada de quase branco e era enorme. Ou parecia enorme aos nossos olhos de miúdos. O edifício foi demolido lá pelos anos 80, julgo, para dar lugar a habitações e comércio. Da estrada ao edifício, um grande largo de uns 30 metros de profundidade e que corria ao longo de todo o edifício. Antes da entrada, um telheiro alto, gigantesco. A porta de entrada era larguíssima. Mas tinha três degraus – o que significa que não era para entrada de viaturas. Lá dentro, logo à entrada, um hall enorme com dois grandes blocos rectangulares altos e com o tijolo à vista. Tinham sido construídos para serem os fornos. Depois, para a direita de quem entrava o grande salão. E, ao longo dessa sala grande, várias dependências, tudo em grande e com pé direito impressionantemente alto. Isso era uma imagem de marca da construção: o telhado ficava lá muito em cima… bem diferente das nossas casas: tipo dois ou três andares lá em cima. Era assim que eu via o edifício. Se calhar era só o meu olhar de criança a ampliar a coisa… Os bailes Do que mais nos lembramos é dos bailes. Enormes bailes de domingo. Toda a gente rodopiava naquele grande salão. De mim e dos meus amigos, só me lembro de andarmos a jogar à apanhada ou coisa assim por entre as pernas dos dançantes…

O cinema

O cinema que se via nesse tempo na aldeia ou era projectado numa parede da casa senhorial do Largo de São Francisco ou nos Italianos. Era cinema mudo ou lá perto, a preto e branco, naturalmente, e com histórias de amor em profundidade e muitas lágrimas.

O Delfim

Outro frequente utilizador era o comediante Delfim e a sua «troupe»: Delfim Pedro Paixão – bem me lembro do nome dele e da sua companheira e restante equipa de «actores» de rua. Muito nos ríamos com as suas brincadeiras ingénuas. Quando a mulher era viva, havia trapézio e tudo (acho que morreu de uma queda).

«Em Portugal, quem sustenta a Igreja é a generosidade dos fiéis» - Capeia Arraiana

«Em Portugal, quem sustenta a Igreja é a generosidade dos fiéis»

A «congra»

Agora, referência para a «congra», que de facto se deve dizer «congrua». Era um contributo dos paroquianos para garantir o modo de vida dos padres, que não podiam na altura trabalhar que não fosse dentro da igreja.

Para lá da «congra», é bom que se diga que o pároco do Casteleiro tinha direito a casa, mesmo antes de ser construída a casa paroquial hoje ao abandono. A «côngrua» é pois a «pensão que os párocos recebiam para o seu sustento»; era uma «tradição cristã paroquial e dever moral e religioso do crente contribuir financeiramente para a honesta e digna sustentação do seu pároco»; ou era «o que os habitantes de uma freguesia pagam ao pároco para sua sustentação».

Isso, porque «em Portugal, quem sustenta a Igreja é a generosidade dos fiéis».

Pois bem, para o Povo, nesse tempo, a «congra» era de facto uma contribuição de cada família para garantir a sustentabilidade do pároco e isso era assim entendido, mas não era voluntária nem resultado de generosidade. Era estipulado um montante e cada família pagava e pronto. Pior: há casos (não, que eu saiba, no Casteleiro) em que o padre recusava um serviço religioso se a côngrua estivesse em dívida.

:: ::
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

3 Responses to Casteleiro – Os Italianos e a «Congra»

  1. António Augusto Gonçalves diz:

    Em Sortelha continua a pagar-se a côngrua!
    Quanto aos estrangeiros na região de Sortelha: Também tenho histórias para contar um dia!
    Curiosamente não encontrei rasto do Dom Rodrigo, das Águas Radium!
    Um abraço.

  2. António Augusto Gonçalves diz:

    Em Sortelha ainda se paga a côngrua.
    Tenho algumas histórias de espanhóis por estas paragens!
    Desconhecia dos italianos e não encontrei rasto do tal Rodrigo das Águas Rádium.
    Um abraço.
    António Gonçalves

  3. José Carlos Mendes diz:

    Força: vamos continuar a estudar – os dois e mais alguém que queira juntar-se a nós, OK?
    Abraço, meu caro.

Deixar uma resposta