Os nomes de Deus

Em todas as línguas, os nomes de Deus significam alguma das suas infinitas perfeições, sejam a bondade, a grandeza, a sabedoria ou a omnipotência divina.

Os nomes de Deus significam grandeza, sabedoria e intangibilidade

Em português Deus, em espanhol Dios, em francês Dieu, em italiano Dio, nomes todos derivados do grego, Theos, que quer dizer temor – porque Deus é Forte e impõe respeito.

Os hebreus chamaram a Deus – El (forte), Elion (excelso), Adonais (senhor) e Jeová (eterno).

Os assírios chamavam a Deus Ahad, e os persas Choda, expressões que significam Uno.

Os abexins chamam-lhe Emlach e os antigos etíopes Amalacha, que em ambos os casos significa Rei.

Os arménios designam-no de Astaz, isto é, Fogo.

Os Alemães Gott, os ingleses God, os croatas Bog, os boémios Buh e os islandeses Bud, que quer dizer Bom.

Na língua cantábrica ou vascoense Deus chama-se Jaincoa, derivado de Janna, que vale o mesmo que Senhor.

Na Lapónia chamam a Deus Jumala, isto é, Celeste.

Os tártaros chamam-lhe Natigai – Senhor da Terra.

Os antigos habitantes de Calecut chamavam-lhe Tamerani, que é o mesmo que Oculto.

Os japoneses designam-no de Denicha – Ilustre.

Alguns povos da América chamam-lhe Zini – Resplendor.

E há outros exemplos, com a característica de todos aludirem a Deus referindo a sua grandeza, sabedoria e intangibilidade.
:: ::
«Histórias de Almanaque», Por Paulo Leitão Batista

Deixar uma resposta