Dia de Ano Novo

António Emídio - Passeio pelo Côa - © Capeia Arraiana

Vamos começar um novo ano, o meu será o sexagésimo quarto. Já vi muito durante estes 64 anos, mas o que mais me impressiona é a actual degradação moral e humana nesta sociedade extremamente competitiva.

Desejos de um mundo novo no ano novo - Capeia Arraiana

Desejos de um mundo novo no ano novo

Aquela amizade que todos nós conhecemos, aquela sã camaradagem que começava nos bancos da escola, passava pelo liceu e ia até à faculdade, continuava no primeiro dia de trabalho, no primeiro emprego em que o colega mais velho nos punha ao corrente do serviço, nos ensinava a dar os primeiros passos através da burocracia, e não só, chegou ao fim. Agora é o salve-se quem puder!

Estamos numa sociedade competitiva onde só temos duas alternativas, ou destruímos o próximo, ou somos nós os destruídos. Este competir para poder sobreviver cria um tipo de indivíduo humana e moralmente baixo, cujo lema é destruir os outros. As pessoas que estão à sua volta já não são colegas de estudo ou colegas de trabalho, são rivais.

Deprime-me esta desumanização, sinto-a! Já chegou até mim a hora triste da solidão… Presentemente, não existe um código de valores humanos, morais e espirituais, existe sim, uma luta de todos contra todos como bem dizia Thomas Hobbes.

Querido(a) leitor(a), tenha um bom ano de 2019, são os meus mais sinceros votos…

:: ::
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

Deixar uma resposta