Casteleiro – Homenagem justa a Lucinda Pires (5)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

O «Capeia» de Outubro de 2007 publicava esta nota triste: «Maria Lucinda Gouveia Pires, de 49 anos, antiga presidente da Junta de Freguesia do Casteleiro e ex-vereadora da Câmara Municipal do Sabugal, faleceu na madrugada de quarta-feira, 17 de Outubro, na sequência de acidente vascular cerebral». Falta uma semana e pouco para fazer 11 anos. Continuo hoje aqui uma série de algumas crónicas de homenagem justa e oportuna.

Lucinda Pires - Capeia Arraiana

Lucinda Pires

Hoje, como não podia deixar de ser, é a altura de lhe juntar aqui umas fotos e a explicação daquilo que cada uma delas significa.
Sempre com a intenção de recordar a dinâmica e a diversidade de vidas sociais desta nossa Autarca.
Veja e leia, que também vai apreciar, acho eu.

Estátua de Homenagem a Lucinda Pires - Capeia Ârraiana

Estátua de Homenagem a Lucinda Pires

No dia da inauguração deste busto no Casteleiro, a efeméride era registada do seguinte modo pelo «Capeia»: «Casteleiro homenageia Professora Lucinda Pires (em 5 Maio de 2009) / No dia 17 de Maio, domingo, a freguesia do Casteleiro, concelho do Sabugal, vai homenagear a memória da Professora Maria Lucinda Gouveia Pires, antiga presidente da Junta de Freguesia e vereadora da Câmara Municipal do Sabugal. A homenagem inclui a inauguração de um busto da antiga autarca, que ficará instalado no Largo de São Francisco, no centro da aldeia. O acto foi decidido pela Assembleia de Freguesia do Casteleiro (…)».

E nos dez anos da morte de Lucinda, o nosso conterrâneo Daniel Machado assinalou a data do seguinte modo: «Faz hoje, dia 17 de Outubro de 2017, 10 anos, que faleceu a Dr.ª Maria Lucinda Gouveia Pires, a saudosa e querida “Lucindinha.” Será que morreu? Não. Ela está aqui todos os dias no Casteleiro e, para sempre, no nosso pensamento, no nosso coração, a toda a hora e momento. Que Deus, em paz, a tenha no eterno descanso que bem merece.»

Lucinda Pires - Capeia Arraiana

Lucinda Pires

Esta lembrança traz a prova de que o associativismo e as causas sociais também ganhavam o empenho da Lucinda. Os seus amigos sabe, bem disso.

Neste caso, a defesa do Ambiente era o móbil de maior abrangência da Professora e Autarca.

Como alguém da área recordou e escreveu um dia, a propósito do empenhamento da nossa homenageada:
«Os Clubes da Floresta são o espelho do trabalho realizado, diariamente, nas nossas Escolas, aderentes à rede Prosepe, por todo o Portugal.»

O Ambiente mobilizou muito a Lucinda.

Poucos o sabiam. Poucos apreciaram essa sua faceta.

No entanto, considero-a uma das mais importantes, quer como Autarca, quer como Docente.

Lucinda Pires com um grupo de alunos - Capeia Arraiana

Lucinda Pires com um grupo de alunos

Com os seus alunos, que considerva seus grandes Amigos, Lucinda Pires manteve sempre, pelo que testemunham colegas e ex-alunos, uma relação de grande proximidade, de saudável colaboração e amizade.

Ela é recordada como sendo uma docente totalmente dedicada e sempre aberta para as caminhadas pedagógicas e as cumplicidades positivas, sobretudo em casos como o jovem que ela abraça na foto (hoje com mais de vinte anos, deficiente e em processo de terapia).

Azulejos com o nome de Lucinda Pires - Capeia Arraiana

Azulejos com o nome de Lucinda Pires

Finalmente, recordo a homenagem na Escola do Teixoso onde leccionou: foi dado o seu nome à Biblioteca Escolar.

O seu desaparecimento chocou muito a comunidade escolar que a conhecia.

Como justa decisão e para perpetuar a presença da colega, o Conselho Escolar deliberou atribuir o seu nome à Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos (BE/CRE).

(Continua.)

:: ::
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

Deixar uma resposta