A importância dos investigadores

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

Não se trata de mais uma crónica ou notícia policial. Estes investigadores são profissionais que se dedicam à ciência e procuram, entre outras coisas, a melhoria da nossa qualidade de vida. Pelo segundo ano consecutivo participei na Noite Europeia dos Investigadores na última sexta-feira de setembro. Trata-se de uma iniciativa europeia que tem por objetivo celebrar a ciência e aproximar investigadores e cidadãos, quebrando-se barreiras que supostamente separam a ciência dos cidadãos, e procurando-se divulgar o trabalho que as diferentes equipas de investigadores desenvolveram no ano transato.

Noite Europeia dos Investigadores - Capeia Arraiana

Noite Europeia dos Investigadores

A ideia sem dúvida é oportuna. E este ano, o Centro de Investigação das Ciências da Saúde da UBI, conhecido por CICS, que desde a primeira hora aderiu a este projeto, procurou enquadrar o evento num espaço que relembra o património industrial da Covilhã, com uma mostra de como foi uma unidade fabril, uma exposição sobre arte com lanifícios, abrilhantada por uma alfarrabista, com livros a muito bons preços, e uma divulgação em vídeo dos trabalhos mais relevantes que o CICS tem efetuado nos últimos tempos.

Embora a participação de alunos e professores tivesse sido interessante, com um convívio muito aprazível, a componente da sociedade civil faltou. Sem dúvida que na Covilhã, e também na Beira Interior, a generalidade das pessoas desconhece o papel relevante do CICS na investigação com trabalhos e investigadores reconhecidos fora do país, mesmo existindo uma divulgação relevante da comunicação social local, seja através do Jornal do Fundão ou do Notícias da Covilhã. Para quem tem Facebook convido a visitarem a página «CICS-UBI-Health Sciences Research Centre» onde podem ficar informados das atividades e trabalhos deste centro de investigação.

Mas neste caso o que realmente importa celebrar foi a iniciativa pelo segundo ano consecutivo havendo a novidade de dar a conhecer o património industrial que outrora marcou a cidade, tendo a organização optado, e bem, pelo New Hand Lab, na antiga fabrica António Estrela, em plena Ribeira da Carpinteira.

Quem quisesse descontrair ainda tinha a exibição de um espetáculo, numa outra sala, inserido no Festival ContraDANÇA – Festival de Dança e Movimento Contemporâneo, organizado pela ASTA – Associação de Teatro e Outras Artes, o «Orpheu 3», inspirado no controverso número três da revista Orpheu, do qual apenas só são conhecidas algumas provas de página.

Para o visitante sem dúvida que todo este trabalho de coordenação não estava patente. A dispersão do espaço levava naturalmente as pessoas a agruparem-se pelos seus conhecimentos, não se podendo, no entanto, deixar de referir de que se tratava de uma sexta-feira onde muitos alunos e professores optam por sair para fora da cidade. Mas o objetivo foi superado uma vez que no ano transato o convívio limitou-se apenas a uma relação mais próxima entre alunos e professores num contexto muito mais singelo.

Noite Europeia dos Investigadores - Capeia Arraiana

Noite Europeia dos Investigadores

Estou ciente que no próximo ano o evento será ainda mais marcante. Basta chamar mais jovens, talvez do secundário, mais alunos do ERASMUS e também convidar a sociedade civil a entrar neste convívio onde professores e alunos possam explicar, informalmente, os seus trabalhos. Infelizmente nestes territórios não basta publicitar os eventos. E eu que o diga!

É importante o «passa palavra» tanto na faculdade como em casa.

Porém no meu caso não vai ser necessário. Seguramente podem contar com a minha presença!

Parabéns à organização. Até para o ano!

New Hand Lab, 28 de setembro de 2018

:: ::
«No trilho das minhas memórias», crónica de António José Alçada

Deixar uma resposta