Adérito Tavares – Uma justa homenagem

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Atribuir a Medalha de Mérito Cultural ao Professor Adérito Tavares honra o Município do Sabugal!

Adérito Tavares - Capeia Arraiana

Adérito Tavares

O Município do Sabugal decidiu, por unanimidade, aprovar e remeter à Assembleia Municipal de 28 de Setembro a proposta de concessão da Medalha de Mérito Cultural ao Professor Adérito Tavares.
Homenagem mais que justa a este ilustre sabugalense que sempre se mostrou disponível e sempre pugnou pela sua terra natal, Aldeia do Bispo, pelo Concelho, pela Casa do Concelho do Sabugal e em todos os momentos onde a sua presença foi considerada útil e necessária.
Conheço o Prof. Adérito Tavares há muitos anos e sempre vi nele um símbolo de trabalho e dedicação às causas sabugalenses e raianas, no estudo, divulgação e defesa das nossas tradições culturais e das nossas gentes.
Homem de elevada cultura, mas discreto e humilde, nunca o vi pôr-se em bicos de pés para que os outros o vissem, antes preferindo, modestamente, ser o «carregador de pianos», sempre pronto a ajudar o próximo e a contribuir para o êxito das iniciativas em que colaborava.
O regulamento exige que dois terços dos deputados municipais aprovem a proposta do Município.
Por mim, a quem o Prof. Adérito Tavares faz o favor de ser meu amigo, o voto está certo.
E espero que a aprovação seja feita por unanimidade e aplauso como merece.

ps. Faz amanhã 44 anos que se deu a primeira tentativa de acabar com o regime democrático emergente em Portugal após o 25 de Abril de 1974. Orgulho-me, passados estes anos todos, de ter estado do lado correto da barricada.

:: ::
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

5 Responses to Adérito Tavares – Uma justa homenagem

  1. Manuel Nunes diz:

    Homenagem justa e merecida!

  2. jclages diz:

    Respeito e admiro o ilustre sabugalense Professor Adérito Tavares com o qual tenho tido o privilégio de privar ao longo de muitos anos.

    Fiz-lhe e está publicada no Capeia Arraiana uma muito interessante entrevista que nos dá a conhecer melhor a alma deste raiano. (Aqui.) e (Aqui.)

    Fiz-lhe e está publicada em vídeo (passa uma vez por mês no canal LocalvisãoTV e pode ser visto aqui no arquivo do Capeia Arraiana) um importante documentário onde, em conjunto com a Professora Doutora Maria Máxima Vaz (outra injustiçada pelos poderes eleitos sabugalenses) falam junto ao túmulo de El Rei D. Dinis da importância deste monarca para as terras do Sabugal e de Odivelas. (Aqui.) e (Aqui.)

    Adérito Tavares tem colaborado com o Capeia Arraiana (que já leva cerca de 12 anos de publicações diárias ininterruptas) onde tem publicadas muitas e variadas crónicas e artigos de opinião de elevada qualidade e importância. (Aqui.)

    MAS… não são estes os mesmos responsáveis políticos que em Setembro de 2014 negaram em votação a mesma homenagem a esta personalidade sabugalense? Para a vergonha destes eleitos ser ainda maior nem passou na reunião de vereação… Pode recordar (AQUI.)

    Ao contrário do que ensina o Professor Adérito Tavares parece que há alguns que se acham com capacidade de reescrever a História. Ele há coisas no Sabugal…

    De facto, dá jeito, e gostamos todos de ter memória curta.

    José Carlos Lages

  3. Ramiro Manuel Lopes de Matos diz:

    caro Zé Carlos
    Felizmente foi corrigida a enorme injustiça que os eleitos municipais no mandato anterior, que não neste, fizeram ao Prof. Adérito Tavares. O voto secreto quer no Executivo Municipal quer na Assembleia Municipal não permite que se saiba em que sentido votou cada membro, o que é pena, pois se ficaria a saber as responsabilidades de cada um…

  4. jclages diz:

    Caro Ramiro

    Sejamos directos e «desregulamentados».

    Também já ando há anos suficientes a analisar estes (e outros) assuntos para ter as minhas «suspeitas» sobre certos actos, taxas e regulamentos internos.

    No teu caso por vezes dá jeito falar em partidos por vezes dá jeito falar em eleitos. Mas aceito a abordagem. Não temos que ter todos a mesma opinião.

    Sobre o regulamento em concreto só tenho uma opinião.

    Quando é proposto o nome de uma personalidade sem lhe perguntar se aceita que o seu nome seja votado por um colégio onde assentam inteligentes, informados, subservientes ou, também, (alguns felizmente poucos ) ignorantes culturalmente tudo está mal.

    Aqui fica um exemplo concreto para finalizar:

    O executivo camarário propõe o nome de Ramiro Matos para a medalha cultural sem lhe perguntar se está de acordo. Depois se correr bem tem uma votação por unanimidade, ou seja, sete votos do presidente e vereadores eleitos pelos partidos.
    A seguir, ainda mais absurdo, o mesmo nome é novamente votado pelos eleitos pelos partidos e pelos fregueses na Assembleia Municipal. Onde pode ser negada essa condecoração. Mas mesmo que seja aprovada. O condecorado pode recusar? Alguém lhe perguntou se aceitava ir a votos?

    E como fica o indigitado a condecorado que não pediu tal honra. Pode ficar para a história como alguém que não merecia receber tal condecoração.

    Magnífico «Regulamento» que leva a mesma proposta a duas votações em assembleias diferentes.

    Sabes-me dar um exemplo de casos idênticos em democracia?

    Por aqui me fico porque os ilustres sabugalenses Professor Adérito Tavares e Professora Doutora Maria Máxima Vaz mereciam mais respeito.

    Notinha de rodapé: apesar de ser secreto ao que sei o vereador que votou em 2014 contra o Prof. Adérito Tavares assumiu publicamente o seu voto. E ainda estará no executivo? Ou possivelmente a minha memória também é curta.
    José Carlos Lages

  5. Ramiro Manuel Lopes de Matos diz:

    Zé Carlos
    1. Nunca confundo partidos com eleitos, embora considere, para bem da democracia, que yum eleito por um partido deve coordenar as suas posições com o partido pelo qual foi eleito. Como não sou (ainda) membro de nenhum partido não posso dizer o que se passou na altura. Sei que agora, a votação pelo sim foi coordenada no interior do PS..
    2. Não sei se o Executivo Municipal teve um contacto prévio com o Prof. Adérito Tavares.
    3. Mesmo aceitando que o regulamento possa ser alterado, este já hoje tem uma nuance: a votação no Executivo tem que ser por unanimidade e a votação na Assembleia por 2 terços.
    4. Não me considero digno de receber qualquer medalha, mas se, por absurdo, me fosse atribuída recebê-la-ia com muita honra.
    5. É claro que o Prof. Adérito Tavares está muito acima disto e por isso é que continua a pugnar pelos interesses do Concelho do Sabugal.

Deixar uma resposta