Concurso para modernização do troço Guarda-Cerdeira

CP-Comboios - © Capeia Arraiana

Foi apresentado esta segunda-feira, 10 de Julho, na Estação ferroviária da Guarda, o lançamento dos concursos para a empreitada da obra «Modernização do Troço Guarda-Cerdeira», na Linha da Beira Alta, e da obra de Sinalização em vários corredores do FERROVIA 2020.

Estação da Cerdeira na Linha da Beira Alta - Capeia Arraiana

Estação da Cerdeira na Linha da Beira Alta

A IP-Infraestrutras de Portugal informou em cerimónia que teve lugar na Estação da Guarda que a obra de modernização do Troço Guarda – Vilar Formoso, Sub-troço Guarda – Cerdeira tem um investimento associado de 11 milhões de euros e um prazo de execução de aproximadamente 10 meses. Os trabalhos vão renovar integralmente a via em 14 quilómetros com a substituição das travessas de betão bi-bloco por travessas de betão monobloco, a estabilização da plataforma de via e melhoria do sistema de drenagem, a estabilização de taludes, a implementação do sistema de comunicações e a adaptação das actuais Infra-estruturas de Sinalização e Telecomunicações».

Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, esteve na Estação Ferroviária da Guarda, onde presidiu à sessão de lançamento dos concursos públicos da empreitada de modernização da Linha da Beira Alta, entre a Cerdeira e a Guarda, e de sinalização para a rede ferroviária nacional.

«Numa altura em que tanto se tem falado no Interior e no desenvolvimento do Interior, os investimentos ferroviários em curso estão todos encostados à fronteira. Seja no Minho, seja aqui na região da Guarda, seja, por exemplo, no Corredor Internacional Sul, as nossas ligações internacionais, os troços mais próximos da fronteira, são aqueles que estão agora a ser privilegiados, a ser os nossos grandes espaços de investimento», destacou o governante.

Na sessão de lançamento do concurso para a empreitada de modernização da Linha da Beira Alta, entre Cerdeira e Guarda, a primeira a realizar naquela linha, o vice-presidente da Infraestruturas de Portugal, Carlos Fernandes, referiu que o concurso foi lançado pelo valor de 11 milhões de euros.

A obra terá um prazo de execução de 294 dias e naquele troço de 14 quilómetros será realizada a renovação integral da via e a estabilização da plataforma, entre outras intervenções, admitindo que os trabalhos no terreno possam começar no prazo de um ano.

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, reafirmou na ocasião que a cidade e a região têm pela frente o projeto da plataforma ferroviária que, em sua opinião, «será, talvez, o maior desafio para o seu desenvolvimento nas próximas décadas».

jcl (com agência Lusa)

Deixar uma resposta