O juramento dos mortos no antigo Egipto

O antigo Egipto havia um profundo apego à religião e à crença da vida para além da morte, sendo arreigado uso fazer acompanhar os mortos por um documento que atestava que não cometeram faltas graves durante a vida terrena.

Sarcófago egípcio

O texto sacrófago, dirigido ao Deus Osíris, era escrito ainda em vida, e as declarações apresentavam-se pela negativa e acompanhavam o corpo mumificado do faraó ou de outros nobres de vulto.
Exemplo de um juramento sacrófago:
– Nunca matei qualquer pessoa;
– Nunca deixei uma boca faminta por alimentar;
– Nunca neguei o salário ao meu trabalhador;
– Não roubei terras nem desviei águas;
– Não desejei a mulher alheia;
– Nunca abusei de viúvas ou de órfãs;
– Nunca faltei à verdade.
A ideia era apresentar-se puro perante os juízes do além, que avaliariam se o defunto merecia voltar à vida numa reencarnação futura.
:: ::
Por Paulo Leitão Batista

Deixar uma resposta