Um mundo de ambiente

António José Alçada - Orelha - Capeia Arraiana

No passado dia 5 de junho celebrou-se o Dia Mundial do Ambiente. Atualmente é, felizmente, uma data marcante, pese embora alguma vulgarização do tema uma vez que, muitos de nós, ainda associa o «ambiente» às ruas limpas e aos jardins cuidados com passarinhos a chilrear.

O ciclo natural da água - António José Alçada - Capeia Arraiana

O ciclo natural da água

A nossa integração Europeia trouxe-nos, entre ouras coisas, a preocupação ambiental para o nosso quotidiano. É certo que no inico, finais da década de oitenta, os técnicos ambientais exigiam algo impensável, mas a experiência, o conhecimento e a educação nas escolas tem levado a que da utopia se tenha convertido gradualmente em práticas e políticas de bom senso.

Bem longe daqui, mais concretamente em Angola, numa outra realidade, surpreendentemente também há educação ambiental nas escolas, tendo-me sido enviado pelo meu amigo José Geraldes, leitor assíduo da Capeia Arraiana, um texto desenvolvido por jovens estudantes, de uma Escola do Caxito, nomeadamente Antonieta dos Santos Macumbi, Manuela Prata e José Domingos António, sobre a importância da «Água» no contexto da vida, mas usando uma palavra escrita intercalada com a imaginação que nos convida a refletir.

O trabalho intitulado «O nascimento de um milagre» retrata o ciclo da água numa perspetiva nunca vista. Dizem então estes jovens que a evaporação, proveniente das águas paradas, dos rios e dos mares, não deixa de ser o embrião que segue o útero atmosférico, subindo o céu, onde se dá, depois, a condensação. A paixão que junta o Hidrogénio e o Oxigénio, gases que até parecem «raros», acaba por formar o feto a que chamamos «Água», mas em cristais de gelo, tal é o frio que habita nessas alturas.

Mas o verde das árvores e da esperança, acabam por atrair as nuvens do longínquo céu provocando um parto da «Água» no estado líquido, a tão melódica chuva, que não deixa de ser um milagre que a natureza nos brinda com alegria.

E a chuva cai na terra e vai alimentando os rios, embora com a sua força, provocando turvação. Este dom da natureza permite ao homem captar a água para viver sem antes ter de passar pela Estação de Tratamento, onde é previamente decantada para retirar o castanho da terra que as gotas arrancaram. A beleza da «Água» começa então a surgir ainda antes da desinfeção onde, finalmente, pronta para beber fica pura como um cristal: «Pela combinação do poder de Deus refletido na natureza, e a inteligência humana, nasce a mais precisa riqueza denominada Agua Potável.»

Para quem viveu este recente período seco, em Portugal, este texto reflete um impacto que nos leva a pensar na importância da gestão da «Agua», numa perspetiva do uso no nosso quotidiano e que, sendo inanimada porque não conhece o tempo, fronteiras, culturas ou pessoas transmite vida, bem-estar, beleza e até riqueza.

Água - Um bem cada vez mais precioso - António José Alçada - Capeia Arraiana

Água – Um bem cada vez mais precioso

Normalmente quando algo que precisamos escasseia é que lhe damos o devido valor. E, neste contexto, é importante relembrar que por muita água que haja no mundo (curiosamente é sempre a mesma) aquela que precisamos para sobreviver, parece teimar em querer escassear.

Mas para além desta perspetiva, geralmente, não nos apercebemos de uma outra, não menos importante, que para ser bebida tem de ser segura, isto é, tem de ter qualidade, qualidade que salvaguarde a nossa saúde.

E nada mais sensato de que celebrar, neste Dia Mundial do Ambiente, as seguintes palavras, de conclusão deste magnífico trabalho destes jovens angolanos: «Água Potável, Sociedade saudável».

Sabugal, 5 de Junho de 2018

:: ::
«No trilho das minhas memórias», crónica de António José Alçada

2 Responses to Um mundo de ambiente

  1. José Geraldes diz:

    Obrigado Amigo António Alçada, pelo artigo que chama a atenção para a nossa (todos) responsabilidade na manutenção e conservação do ambiente, o que representa dia a dia a melhoria contínua de uma sociedade mais saudável. Abraço

Deixar uma resposta