Doutoramento Honoris Causa de Pinharanda Gomes

Adérito Tavares - Na Raia da Memória - © Capeia Arraiana (orelha)

A Universidade da Beira Interior (UBI) atribuiu esta terça-feira, dia 20 de Março, o grau de Doutor Honoris Causa a Jesué Pinharanda Gomes, ensaísta, pensador, escritor, filósofo e historiador. O mais alto responsável pela Igreja Católica em Portugal, o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, foi o padrinho do homenageado, que é natural da freguesia de Quadrazais, no concelho do Sabugal. Jesué Pinharanda Gomes é o 19.º Doutor Honoris Causa pela UBI.

Intervenção de D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa, que apadrinhou o Doutoramento - Capeia Arraiana

Intervenção de D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa, que apadrinhou o Doutoramento

Jesué Pinharanda Gomes, natural da aldeia de Quadrazais, no concelho do Sabugal, é uma das personalidades mais notáveis da cultura portuguesa contemporânea.

O Doutor Jesué Pinharanda Gomes após a imposição da barretina e a entrega da carta doutoral - Capeia Arraiana

O Doutor Jesué Pinharanda Gomes após a imposição da barretina e a entrega da carta doutoral

Em boa hora a Universidade da Beira Interior (UBI) resolveu homenagear esta figura ímpar de intelectual, atribuindo-lhe o grau de Doutor Honoris Causa, numa sessão que decorreu esta terça-feira, dia 20 de Março, no Anfiteatro das Sessões Solenes. Esta cerimónia, abrilhantada pelo Coro do Orfeão da Covilhã, foi presidida pelo Magnífico Reitor da UBI, Prof. Doutor António Carreto Fidalgo, e o doutoramento foi apadrinhado por Sua Eminência o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, amigo pessoal de Pinharanda Gomes. O Cortejo Académico contou com a participação de dezenas de doutores, incluindo representantes de várias universidades. Entre o público que encheu o Auditório contavam-se numerosos amigos do Doutor Pinharanda Gomes, nomeadamente sabugalenses, entre os quais me conto.

Pinharanda Gomes agradece os demorados aplausos da assistência - Capeia Arraiana

Pinharanda Gomes agradece os demorados aplausos da assistência

O sabugalense Jesué Pinharanda Gomes iniciou os estudos na Guarda, na escola dos Gaiatos e no Colégio de São José. Muito novo, com apenas 16 anos, começou a colaborar na imprensa regional, no semanário «Correio da Beira», onde foi redactor. Seguiram-se ligações a outros jornais portugueses, ultramarinos e brasileiros, bem como a revistas culturais.

Em 1959 foi viver e trabalhar para Lisboa, onde começou a frequentar tertúlias filosóficas e literárias, especialmente no âmbito do chamado «Grupo da Filosofia Portuguesa». Iniciou então um percurso de investigador autodidata que o conduziria a uma extraordinária carreira de ensaísta, pensador, filósofo e historiador, cujo lugar de trabalho mais habitual eram as cadeiras da Biblioteca Nacional.

Desse percurso resultou uma obra singular, pela sua extensão e qualidade, corporizada em dezenas de livros e artigos no âmbito da Filosofia, da História da Filosofia, da Teologia, do Pensamento Português, da História e da Etnografia. É autor de obras referidas e citadas pelas principais publicações portuguesas da especialidade. Como tradutor, verteu ainda para português obras de Platão e de Descartes.

Para lá de outras pertenças científicas, sociais e culturais foi um dos fundadores do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira; é sócio correspondente da Academia Internacional de Cultura Portuguesa e Membro da Academia Portuguesa de História.
Foi também distinguido com várias homenagens ao longo da sua vida, por entidades nacionais e estrangeiras.

Em 2012 doou à Câmara Municipal do Sabugal a sua biblioteca pessoal, correspondência, iconografia religiosa e medalhística, recortes de imprensa, entre outro material, acervo que tem vindo a crescer com ofertas posteriores. Este espólio deu origem à constituição do Centro Jesué Pinharanda Gomes.

:: ::
«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares

Deixar uma resposta