Os bens da igreja de Águas Belas

:: :: ÁGUAS BELAS :: :: O arrolamento dos bens das igrejas e capelas de Águas Belas, no concelho do Sabugal, foi coligida pela comissão concelhia de inventário em 16 de Março de 1912. Para além da sede de freguesia foram contados e arrolados os bens imóveis, móveis e imagens das anexas Espinhal, Vale Mourisco e Quinta do Clérigo. Transcrevemos, na íntegra, os documentos existentes no respectivo processo.

Águas Belas -. Sabugal - Igreja Matriz - Capeia Arraiana

Igreja Matriz de Santa Maria Madalena (1756) – Águas Belas – Sabugal (Foto: D.R.)

Aos dezasseis dias do mês de março de mil novecentos e doze, nesta freguesia de Águas Belas e no edifício da igreja paroquial, denominada a de Santa Maria Madalena, onde compareceram os cidadãos José Augusto Martins Paiva, representante do Excelentíssimo Administrador deste concelho e, bem assim, o cidadão Luiz Pereira, indicado previamente pela Câmara Municipal do referido concelho, comigo Manuel José Gonçalves Coelho, delegado do secretário de finanças e da comissão concelhia de inventário, para os fins consignados no artigo 62º da Lei da Separação das Igrejas do Estado, e assim principiamos o arrolamento e inventário da forma seguinte:

Bens imóveis
Uma igreja que serve de igreja matriz denominada a de Santa Maria Madalena nesta freguesia, situada no largo da Igreja, com campanário e um sino de tamanho regular, sacristia, capela mor, contendo altar mor e dois laterais, um de cada lado.
Uma capela denominada a de São Sebastião, nesta freguesia, situada ao cimo do povo, com uma sineta pequena já quebrada, altar mor, com a imagem de São Sebastião.
Uma capela denominada a de São Marcos, situada no Espinhal, anexa desta freguesia, com uma sineta pequena, altar mor, com a imagem de São Marcos, e dois laterais com as imagens da Senhora dos Milagres e do Menino Jesus.
Uma capela denominada a de São Salvador, situada no meio do povo de Vale Mourisco, anexa desta freguesia, com campanário e uma sineta de tamanho regular, com sacristia, capela mor, contendo altar mor com a imagem de São Salvador e um lateral do lado esquerdo, com a imagem de São José.
Uma capela denominada a da Senhora do Carmo, no sítio da Lameira, na Quinta do Clérigo, anexa desta freguesia, com uma sineta pequena, com altar mor contendo a imagem da Senhora do Carmo.

Bens móveis
Alfaias e outros utensílios:
Três casulas de damasco de diversas cores, em mau estado.
Duas alvas de linho, em uso regular.
Uma sobrepeliz, em mau uso.
Uma pontifical de damasco de diversas cores, em mau uso.
Um estandarte de damasco vermelho, em mau estado.
Um pálio de damasco vermelho e branco, em mau estado.
Uma custódia de prata, em mau uso.
Um cálice de metal, em mau uso.
Um missal, em uso regular.
Uma caldeirinha para água benta de metal amarelo, em mau uso.
Uma campainha pequena de metal, em uso regular.
Dez castiçais de lata, em mau uso.

Imagens
Santa Maria Madalena, orago da igreja.
Senhora do Rosário.
Menino Jesus
São Caetano.
São Bernardo.

(Bens do passal)
Informaram que não os havia.

E não havendo outros bens a inventariar, se conclui este auto, ficando tudo entregue ao presidente da Junta de Paróquia, que vai assinar com os representantes do Administrador do Concelho e do secretário de Finanças, mencionados no princípio deste auto, declarando que o pároco desta freguesia não assistiu por aqui não residir. E eu Manuel José Gonçalves Coelho, secretário que a subscrevi e assino.

Fonte:
Arquivo e Biblioteca Digital da Secretaria Geral do Ministério das Finanças (Fundo: Comissão Jurisdicional dos Bens Cultuais)

:: ::
«Arrolamento das Igrejas», por Paulo Leitão Batista

Deixar uma resposta