…das eleições no Sabugal

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Escrevia há oito anos, e repetia há quatro anos que tinha o direito de, democraticamente, pensar que se perdera uma oportunidade de ouro para alterar o estado a que chegou o nosso Concelho.

Junta de Freguesia do Sabugal - Capeia Arraiana

Sede da Junta da União de Freguesias do Sabugal e Aldeia de Santo António

Infelizmente, quatro anos passados, mais uma oportunidade se perdeu, e, sem dúvida, este ano de uma forma mais grave face ao aumento da diferença de votação entre o PSD e o PS, a que acresce a perda pelo PS da Junta da União de Freguesias do Sabugal e de Aldeia de Santo António.
Mas, custe a quem custar ler isto, acredito que um Executivo sem ideias nem capacidade para transformar o Concelho do Sabugal num Concelho com futuro, vai defrontar-se com uma oposição organizada e, acredito igualmente, em sintonia permanente com o Partido pelo qual foram eleitos, seja qual for a liderança que saia das eleições partidárias que venham a acontecer.
Permito-me, no entanto, tirar dos resultados eleitorais registados algumas conclusões:

1. Existe um grande derrotado que é o Concelho do Sabugal e as suas gentes que veem o seu futuro mais uma vez adiado.

2. A nível partidário, só um partido pode cantar vitória, o PSD, que aumenta a sua votação em 235 eleitores. Tudo indica, face aos resultados que o PSD terá sido o partido menos penalizado com a diminuição dos eleitores, pois, apesar da abstenção ter descido, votaram em 2017 menos 500 eleitores.

3. E se há um partido claramente vencedor, há um partido claramente derrotado que é o PS que perde por 1082 votos, mantendo o agravamento do fosso que o separa do PSD (285 votos em 2009, 539 votos em 2013, 1082 neste ano).

4. Mas se há partidos vencedor e vencido, há também atores políticos vencedores e vencidos.

No lote dos vencedores, não poderia deixar de referir como vencedor o atual Presidente da Câmara, António Robalo, que renova o seu mandato e vê um futuro próximo mais facilitado.
Igualmente vencedor é Francisco Baltazar que ganha a Junta da União de Freguesias do Sabugal e de Aldeia de Santo António.
Vencedores são também, naturalmente, todos os Presidentes de Junta eleitos ou reeleitos.
Como derrotados, os primeiros nomes que me vêm à cabeça são os da Presidente da Comissão Política Concelhia do PS, Sandra Fortuna, dos candidatos a Presidente da Assembleia Municipal e da Câmara pelo PS, Joaquim Ricardo e António Dionísio e, ainda, de Manuel Nabais anterior presidente da Junta da União de Freguesias Sabugal e Aldeia de Santo António.
Igualmente me incluo entre os derrotados, pois não deixo de estar solidário com a derrota do PS, da Sandra, do Toni, do Ricardo, do Manel e de todas e todos os candidatos que integravam as listas do PS derrotadas.

Nota final: O comentário de alguém que se autodenomina como Ana Lista, e com o qual estou no geral de acordo, levar-me-ia a não publicar mais crónica nenhuma sobre este assunto. Mas para satisfazer alguns «inspetores encartados», retomo com esta crónica, no geral, o formato de crónica semelhante publicada após as eleições de 2013.

:: ::
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

2 Responses to …das eleições no Sabugal

  1. luis manuel diz:

    Sr. Ramiro!
    O Sr. tem um “tique” literário um tanto ou quanto estranho! Escreve sempre dando a ideia que não tem intenção de o fazer, mas depois (desculpando-se) acaba por fazê-lo…. Na gira do futebol é aquele jogador que diz que não chuta mas chuta mesmo!
    cumprimentos
    Luis

    P.S: Aguardemos então a afixação da lista dos culpados!

  2. Luís Coito diz:

    Como notas que gostaria de comentar, realço aqui o ponto 1 deste artigo, que apenas é revelador de uma tendência muito própria e visão de quem o escreve, que contrasta como é óbvio com o que a maioria expressou no local apropriado.

    Como democrata que sou, apraz-me muito começar a ler desde já a assunção de culpas por parte de alguém pertencente a um grupo que durante tanto tempo as tardou em identificar.

    Aliás, a regra estava a ser apenas a de em uníssono passar-se um enorme atestado de menoridade aos que se expressaram de forma diferente daquela que os perdedores pretendiam, revelando assim graves e profundas faltas de respeito democrático.

    Cheguei a ler até de responsáveis a palavra ROUBO, repetidamente, aludindo tal em relação aos votos que não tiveram como é óbvio e que…para esses, assim “ilegalmente” para o “outro” lado foram.

    Nunca aliás eu tinha lido alguém a assumir as suas reais culpas.

    Essa assunção das culpas e a análise das mesmas que deve ser feita, não tem para mim especial gozo particular, antes um entendimento muito forte que assim sim, já há condições para o tal futuro melhor aqui potenciado por este artigo. Já é um começo…agora podemos e devemos ir mais a fundo!

    Isto porque quem votou nos tais derrotados, também se sente defraudado e quer respostas!

    Saudações conterrâneas.

Deixar uma resposta