Casteleiro – Ícones da minha infância (2)

José Carlos Mendes - A Minha Aldeia - © Capeia Arraiana

Hoje, a segunda lenda de encantar: a história de um rochedo enorme, a que o Povo sempre chamou o Barroco Riscado. Vamos saber o porquê de se chamar «riscado» e vamos conhecer a lenda que se contava sobre este Barroco. Para a semana, será a vez da Serra da Pena e das Águas Rádium. Certo?

Barroco Riscado - José Carlos Mendes - Capeia Arraiana

Barroco Riscado

Há muitos, muitos anos, nos tempos de antanho, houve uma lenda encantadora que incluía mouras encantadas e a certeza popular de um tesouro escondido debaixo de um rochedo enorme.

Barroco Riscado

Essa rocha é o Barroco Riscado.
O penedo vê-se de quase todo o vale que do Marneto sobe para Sortelha.
Por este mesmo vale, mas do outro lado, corre a mítica Ribeira da Nave, tradicional fonte de fertilidade, com a sua água abundante e cristalina.
Nestes campos de todo o vale, milhares e milhares de pessoas labutaram, de geração em geração, produzindo o essencial do seu sustento.
Todo o Casteleiro e muita gente de Sortelha sempre viveram o vale e os seus mistérios.
Olhar cá de baixo para o Castelo deve ter feito as delícias de toda a miudagem desde tempos idos. Da minha, na década de 50 do século XX, fez de certeza – e não acredito que eu fosse muito diferente, enquanto criança, dos miúdos deste local que viveram no tempo em que se usava a Calçada Romana como via de atravessamento do vale ou dos que ali viveram na Idade Média, por exemplo.
Pois é neste vale que o Barroco Riscado ganha proeminência de quase feitiço.
Este rochedo esconde há muito uma história de encantar.
De encantar as crianças que nós éramos. O povo chamou-lhe «riscado» porque tem a meio, lá em cima, uma enorme fissura de lado a lado: por causa de algum abalo sísmico, de certeza.

Mouras encantadas

No cimo daquela rocha há umas poças redondíssimas, seguramente em resultado da erosão do vento e da chuva, mas que a imaginação popular nos vendeu sempre como sendo os pratos em que comiam as mouras encantadas que viviam dentro do Barroco Riscado…
Por outra parte, contava-se que um dia um cavaleiro e o seu aio passavam pelo local e o nobre terá lido o seguinte numa inscrição feita na pedra: «Quem me voltar, grande surpresa há-de encontrar.» Mais ou menos isto. Foram buscar reforços à aldeia e à vila e lá conseguiram virar o monstro do Barroco Riscado. Depois de virado, encontraram outra inscrição, que foi de facto uma surpresa: «Bem-haja quem me virou / Que já há tantos anos deste lado estou.»
Imaginam a nossa cara de encanto e os nossos olhos de espanto, ao ouvirmos estas histórias, há 50 anos? Era o maravilhoso a impressionar-nos…

:: ::

Notas finais

1 – Nas eleições, o PS, lista única a concorrer, sai reforçado. Bom trabalho – e vão fazer, disso não tenho dúvidas.
2 – Informa o blogue da terra que o Reduto vai ficar mais bonito. Muito bem: será mais um largo a ganhar nova imagem, o que se regista como positivo.
3 – Na próxima semana: o encanto da Serra da Pena…

:: ::
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

Deixar uma resposta