Morreu o Director do jornal «A Guarda»

Obituário - © Capeia Arraiana

Morreu esta sexta-feira, 6 de Outubro, no Hospital da Guarda, o Cónego Eugénio da Cunha Sério, director do jornal «A Guarda».

Cónego Eugénio da Cunha Sério - Jornal A Guarda - Capeia Arraiana

Cónego Eugénio da Cunha Sério (foto: Jornal «A Guarda»)

Natural de Vila Cova, concelho de Seia (19|Fevereiro |1934), frequentou os Seminários Diocesanos do Fundão e Guarda – de 1941 a 1954.
Foi ordenado sacerdote em Vila Cova à Coelheira a 19 de Agosto de1956, por D. Domingos da Silva Gonçalves.
Ao longo dos tempos, o Jornal A GUARDA conheceu uma plêiade de colaboradores que, de acordo com o historiador Jesué Pinharanda Gomes, o elevou a “decano dos semanários católicos portugueses”.
Nas últimas décadas, de entre os colaboradores, mais tarde com funções de redacção e direcção, destaca-se o nome do Padre Eugénio da Cunha Sério.
Mentor de campanhas solidárias, nomeadamente a favor das obras do Centro Apostólico D. João de Oliveira Matos e do Seminário Maior da Guarda, dedicou muitos dos artigos, que escrevia com regularidade, no Semanário A GUARDA, aos acontecimentos que iam marcando o quotidiano da vida.
De uma cultura geral invejável, o Padre Eugénio sempre soube transmitir, com leveza, educação e grande profundidade, os conhecimentos adquiridos em longas e meditadas leituras que sempre o definiram. Atento e conhecedor da realidade que o rodeia, num mundo que é cada vez mais uma aldeia global, não se poupava a esforços para ajudar a desvendar os mistérios dos tempos.
Outra das vertentes do Padre Eugénio foi a de dinamizador de obras que aparecem como marcas de referência na cidade e na Diocese da Guarda. São exemplo disso a construção da Igreja da Mãe de Deus, em São Miguel da Guarda e do Centro Apostólico D. João de Oliveira Matos, na Quinta de Nossa Senhora do Mileu – Guarda.
Ao longo de vários números do jornal A GUARDA, o Padre Eugénio fez apelos à generosidade de todas as pessoas de boa vontade, para que ajudassem na construção do Centro Apostólico e na recuperação do Seminário Maior da Guarda.
Como Director da Casa dos Gaiatos, na Guarda, distinguiu-se pela dedicação e promoção de largas centenas de jovens.
Algumas nomeações:
Outubro de 1956 – Professor e prefeito no Seminário do Fundão,
Outubro de 1961 – Coadjutor da Sé e São Vicente – Guarda;
Novembro de 1963 – Professor no Liceu da Guarda, Acção Católica e Cursos de Cristandade;
Outubro de 1979 – Pároco de São Vicente – Guarda;
Dezembro de 1979 – Pároco do Curato de Nossa Senhora de Fátima – Guarda (São Miguel);
Setembro de 1981 – Director do Secretariado de Liturgia; Professor de Educação Moral e Religiosa católica na Escola do Magistério e na Escola de Educadores de Infância;
Setembro de 1982 – Director Espiritual no Seminário Maior;
Outubro de 1987 – Desvinculado do Curato de Nossa Senhora de Fátima;
Outubro de 1990 – Defensor do Vínculo no Tribunal Eclesiástico – Guarda;
Dezembro de 1990 – Administrador paroquial de São Miguel e São Pedro do Jarmelo;
Fevereiro de 1992 – Membro da Direcção da União Apostólica do Clero;
Setembro de 1994 – Nomeado novamente Director Espiritual no Seminário Maior da Guarda;
Setembro de 1996 – Chefe de redacção do Jornal «A Guarda»;
Janeiro de 1999 – Cónego Capitular da Sé da Guarda;
Fevereiro de 1999 – Cónego Penitenciário da Catedral da Guarda;
Novembro de 2001 – Membro da Comissão Promotora e Coordenadora do Diaconado Permanente;
Março de 2003 – Director adjunto do Jornal «Guarda»;
Setembro de 2003 – Director do Secretariado Diocesano de Liturgia e Comissão de Arte Sacra;
Janeiro de 2005 – Confessor Ordinário no Carmelo da Santíssima Trindade;
Janeiro de 2006 – Director da Casa Veritas;
Julho de 2006 – Director do Centro Apostólico D. João de Oliveira Matos – Guarda;
Novembro de 2008 – Membro do Conselho Presbiteral;
Junho de 2010 – Defensor do Vínculo do Tribunal Eclesiástico da Guarda;
6 de Outubro de 2017 – Morreu no Hospital da Guarda.
jcl (com Jornal «A Guarda»)

2 Responses to Morreu o Director do jornal «A Guarda»

  1. Artigo muito bom. Conheci bem o Falecido. Grande sabedor e personalidade vincada. Generoso e muito culto. Os meus sentidos pêsames à Família enlutada.

  2. deixa saudade a muitos Gaiatos da Guarda

    Conego Padre Eugenio da Cunha

    Os homens de boa vontade deixam a sua marca espalhando o perfume do seu charme
    Porque aplicou com todas as suas forcas a pureza do seu intimo na defesa de valores pra vida cuja a preocupacao se manifesta na base da existencia da humanidade
    Quando assim estamos perante um imortal
    Porque as suas obras permanecem no coracao e mente daqueles que de perto viveram com ele
    E preciso alguem que apareca para ocupar o ligar deixado
    Ou que aqueles que muito receberam deem testemunho
    A Diocese fica mais pobre ao mesmo tempo mais rica por no seu meio teve um homem que se destacou entre outros pela sua entrega ao proximo
    Paz a sua alma

    Vasco
    Suisse

Deixar uma resposta