Turismo dá oportunidade ao Interior

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

A saturação do turismo nas grandes cidades abre oportunidades para o interior do país, que pode chamar a si muitos dos viajantes que se sentem rejeitados pelos grandes centros.

Rua de Lisboa

Em várias cidades europeias os habitantes e os que ali trabalham queixam-se do turismo massivo. O aumento exponencial das rendas de casa e do custo de vida provocados pela onda imparável de turistas levou a que já se peça a limitação do número de visitantes. Chegou-se ao ponto de haver palavras de ordem instando os forasteiros a deixarem as pessoas viver em paz.
Isto era impensável há uns anos, mas a crise que afectou as estâncias do norte de África e da Turquia trouxe às grandes cidades europeias uma onda de visitantes nunca vista. Primeiramente o turista foi bem recebido, por dar dinâmica aos centros urbanos e contribuir para a economia das cidades, mas com o tempo vieram à tona os efeitos perversos do excesso de pessoas.
Barcelona, com 32 milhões de visitantes no ano passado, está a transbordar. Alda Colau, presidente da câmara, é taxativa: «Se não queremos acabar como Veneza, temos de impor limites». E passou à acção suspendendo as licenças para construção de hotéis e travando a emissão de autorizações para apartamentos turísticos. Equaciona ainda criar um imposto de 65 euros por cada turista que passe menos de 12 horas na cidade.
Lisboa e Porto não chegaram ainda à situação em que estão Barcelona e Veneza, mas há quem diga que caminham para lá a passos largos. Têm sido levantados problemas com o chamado alojamento local, com residentes cansados de ver entrar e sair turistas dos seus prédios e de ouvir os seus ruídos durante a noite. Há quem se queixe do aumento desmesurado das rendas de casa, assim como dos preços das refeições que diariamente têm que consumir por trabalharem em locais onde o turismo tem forte expressão.
Mas o mal de uns é muitas vezes uma oportunidade para os outros e a verdade é que tudo isto abre, mais do que nunca, a possibilidade do Interior de Portugal beneficiar do Turismo, oferecendo o que as grandes cidades manifestamente já não conseguem garantir: receptividade, sossego, encontro com a natureza e com a história.
O concelho do Sabugal tem a esse nível especiais predicados, que poderá aproveitar, lançando uma campanha de afirmação das suas potencialidades e criando as condições essenciais para receber bem os que nos visitam.
Essa pode ser a tábua de salvação para o momento que o interior vive, atenuando os efeitos nefastos da despopulação e do envelhecimento das suas gentes.
:: ::
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

3 Responses to Turismo dá oportunidade ao Interior

  1. Carlos diz:

    Tudo isso é verdade. Esta transferência de turismo a que nós chamamos a teoria dos vasos comunicantes, terá mais sucesso e vantagens comparativas se as autoridades souberem promover a formação profissional para bem receber, bem promover a nossa boa gastronomia, os nossos produtos genuínos, etc. Não é por acaso que estes fenómenos turísticos acontecem. Cada vez há e haverá mais tempo livre e mais recursos financeiros. Vai ser preciso muita imaginação para ocupar tantos tempos livres. Eis o grande desafio do futuro próximo..

  2. LUIS PEREIRA diz:

    Caro PLB, já existe uma Unidade no seio da PCM que tem como objetivo o desenvolvimento do setor do turismo no interior do país e também uma Recomendação da AR nesse sentido. Não sei se estas medidas servem só para criar parasitas ou se têm alguma aplicação prática, mas sei que as autarquias do interior devem promover iniciativas de captação de turistas e pouco ou nada têm feito. Em Lisboa o turismo começa a ser uma praga, mas muitos dos turistas que chegam a Lisboa e ao Porto pertencem a uma tipo que procura mais do que o Castelo de S.Jorge e a Ribeira, o problema é que são quase que entabuados nesse locais.

  3. António Alves Fernandes diz:

    Uma ideia interessante. Temos no interior de Portugal tantos monumentos históricos e com história, a nossa cultura, a gastronomia e tantos eventos regionais.

Deixar uma resposta