George Gershwin

A Música dos Clássicos - Capeia Arraiana

George Gershwin (1898 -1937), foi um compositor americano filho de pais russos (por este motivo o seu nome de batismo era Jacob Gershowitz, mas, para uma mais fácil integração no país, seus pais resolveram alterar-lhe o nome.

George Gershwin

Sensivelmente aos dez anos começa a interessar-se por música pelo fato de os seus pais terem comprado um piano para utilização do filho mais velho, Ira; mas quem haveria de tirar real proveito do instrumento foi mesmo George. Aos quinze anos abandona a escola e começa a trabalhar numa empresa que fazia e reparava rolos para pianolas.
Foi uma excelente escola de aprendizagem para ele (as influências jazzísticas talvez tenham tido aqui a sua origem), a qual também aproveitou para editar em rolo obras suas, embora sob pseudónimos. Também foi iniciado na cultura “erudita”, quer pela audição dos clássicos, quer pelo estudo da composição dos mesmos. Assim, não é de estranhar que a sua música combine de uma forma perfeitamente conjugada elementos de cariz popular, jazz e “erudita”.
Também esteve em Paris durante algum tempo onde teve muitos contactos com Ravel, de quem era um admirador (conta-se mesmo que lhe teria pedido para ter lições de música, mas Ravel respondeu-lhe que preferia que ele fosse um Gershwin verdadeiro em vez de um segundo – e pior – Ravel).
A sua obra abarca formas orquestrais (Rhapsody in Blue de 1924 – aqui, Concerto para Piano e Orquestra de 1925 e An American in Paris de 1928 – aqui), Piano solo, música para espetáculos na Broadway e uma ópera com o nome Porgy and Bess (1935). Nesta obra há uma ária com o nome Summertime que, em virtude da sua beleza, viria a ser reinterpretada e gravada pelos mais diversos agrupamentos musicais, quer de origem do jazz, quer fora deste. Assim, e para que se possa perceber as diferentes abordagens da mesma obra musical, salientamos os seguintes sites:
Luísa Amaro & Miguel Carvalhinho (Carlos Paredes) Verdes Anos e Summertime – aqui;
Janis Joplin – aqui;
Oscar Peterson Trio – aqui;
Billy Preston summertime e Bach – aqui;
Ella Fitzgerald – aqui;
Cecily Nall, soprano & The Point Chamber Orchestra – aqui;
“Summertime” from “Porgy and Bess” Ray Brown Trio – aqui.
:: ::
«A Música dos Clássicos», por Luís Teles

One Response to George Gershwin

  1. Ramiro Manuel Lopes de Matos diz:

    Tive o privilégio de assistir á “Porgy and Bess” no Coliseu dos Recreios em 1973. Uma noite memorável com um público vibrante a aderir a uma música espantosa e a um naipe de cantores extraordinário. Lembro que “Summertime” foi cantado várias vezes, pois o público do Coliseu não deixava prosseguir a récita, ávido de voltar a ouvir esta ária. Que boas recordações eu tenho das récitas populares do Coliseu, quando o São Carlos era para a elite do Estado Novo.

Deixar uma resposta