Reabilitar a cidade do Sabugal (1)

Ramiro Matos - Sabugal Melhor - © Capeia Arraiana (orelha)

Inicio hoje um conjunto de crónicas, mostrando o quanto se pode fazer para reabilitar a zona central da cidade do Sabugal.

Sabugal - Ramiro Matos - Capeia Arraiana

Cidade do Sabugal

O Executivo Municipal, em clara intromissão na campanha eleitoral em curso, lembra-se de fazer apresentações fictícias das propostas contidas num Plano de Ação de Regeneração Urbana, ainda em execução e não aprovado.
Segundo estas propostas, prevêem-se intervenções minimalistas no eixo Largo da Fonte – Rua 5 de Outubro – Largo da República – Largo de São Tiago, a que se juntam dois adornos para embelezar a coisa: um nebuloso Jardim «Milagre das Rosas» e um Centro de Artes e Ofícios.
A estas propostas voltarei numa próxima semana, mas saliento desde já, que, pelo que conheço, a reabilitação do eixo referido será uma intervenção mais que minimalista, exclusivamente no espaço público, o que me parece muito pouco e, pior ainda, sem quaisquer mais valias do ponto de vista da qualidade deste espaço, enquanto espaço público e de pouca ou nenhuma influência na captação de novos moradores e investimentos, nem na captação de novos visitantes.
Por hoje, vou tentar mostrar como seria possível fazer mais e melhor, referindo-me a 3 espaços abandonados existentes no centro da cidade (ver mapa).

1. Largo de São Tiago
O primeiro espaço refere-se a um conjunto de edificações em estado adiantado de ruína, exatamente existentes no largo de São Tiago.
Ora acontece que, como se vê pelo mapa, nas traseiras destes edifícios existe um espaço verde (sempre lhe ouvi chamar o «quintal do Zeca»), de dimensões acentuadas que, ainda por cima, termina na rua D. Duarte, um dos acessos ao castelo.
Ora aqui estaria uma boa oportunidade de abrir o largo a uma zona verde que, de forma pedonal, conduziria os visitantes entre o Museu e o castelo.
Claro que tinha que se comprar os edifícios e o espaço verde. Mas para o tal jardim do milagre não vai ser necessário comprar o quintal? Para mim, não tenho dúvidas que a concretizar-se aquele jardim, esta seria uma muito melhor localização para o mesmo.
Com esta intervenção requalificava-se verdadeiramente o largo e ganhava-se um novo espaço de usufruto da zona histórica da cidade do Sabugal.

2. Quintais da Av. Das Tílias
Eis um espaço verde localizado numa zona privilegiada da cidade. O espaço é limitado pela av. das Tílias e rua de Alcanizes, indo até aos quintais dos prédios da rua D. Dinis.
Tem uma vista ótima para o rio Côa e a sua aquisição pela Câmara permitiria abrir um espaço perfeito para tudo o que se queira imaginar: jardim, estacionamento, realização dos mercados de levante que assim regressariam ao centro da cidade, etc. etc.
E voltarei a esta assunto, pois alguma coisa há a dizer sobre os quintais da rua D. Dinis…

3. Quintal das «Frazonas»
Desculpem-me o atrevimento de denominar assim este espaço, até pelo respeito que a família Frazão me merece, mas muita gente assim conhece este espaço.
O mapa diz tudo sobre a importância para a cidade de dispor deste quintal e da casa de residência daquela família.
Aliás, a dimensão da casa permitiria ali criar o tal Centro de Artes e Ofícios prometido.
A intervenção no espaço deveria, em meu entender, ser coordenada com a intervenção no Largo da Fonte, como mostrarei em próxima crónica.

:: ::
ps. O final de Agosto trouxe-me um dos piores momentos da democracia no Sabugal. Por motivos mais que óbvios o candidato António Robalo, ainda Presidente da Câmara, recusou-se a dar uma entrevista ao jornal «Cinco Quinas»!
E, pior ainda, a recusa baseia-se, nas palavras do próprio, numa tentativa de interferência direta nas opções editoriais do jornal!
Pelo que se lê, o candidato que, pelos vistos ainda não compreendeu o que é um jornal, discorda do que ali se vem escrevendo nos últimos tempos.
Conheço António Robalo há anos e com ele estabeleci uma relação de respeito e amizade. Lamento vê-lo entrar por estes caminhos.

:: ::
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

Deixar uma resposta