Sabugal fora da Taça de Portugal

Sporting Clube Sabugal - Sabugal - Capeia Arraiana (orelha)

O Sporting Clube do Sabugal foi eliminado (3-2) da Taça de Portugal em futebol, aos 97 minutos de jogo e na última jogada do desafio, quando se encontrava com apenas 10 jogadores em campo.

Sporting do Sabugal perdeu (2-3) com a Sanjoanense em jogo épico

Sporting do Sabugal perdeu (2-3) com a Sanjoanense em jogo épico

Coube em sorte ao Sporting Sabugal, uma deslocação a São João da Madeira para aí defrontar a Sanjoanense, um clube do campeonato nacional, com pretensões a subir aos campeonatos profissionais. Acrescendo à esperada dificuldade do desafio ainda existia a condicionante do Sabugal ir para o jogo com apenas cinco treinos, enquanto o opositor já leva decorridas duas jornadas do respectivo campeonato.
Nada disto condicionou a vontade de vencer dos raianos que de início o treinador adjunto (por ausência de Ricardo Igreja) fez alinhar: Nuno Morais, Pires, Maio, Hélder, David, Bessa, Nuno Marcos, Hugo, Barra, Camilo e Hammond.
No banco, para possíveis alterações, estavam: Janela, João Marta, Marco André, Macedo, Kiko, Sabat e Riky.
As cautelas defensivas que supostamente os visitantes iram imprimir ao jogo não sortiram efeito pois logo aos 5 minutos os visitados inauguraram o marcador, após uma desatenção da defesa, temeu-se o pior por parte dos adeptos do Sabugal, pois o objectivo, que seria retardar o primeiro golo, não tinha sido conseguido. Mas a equipa soube reagir a esta contrariedade e com a “ajuda” de Nuno Morais, que com duas defesas de elevado grau de dificuldade manteve o Sabugal no jogo.
Findou a primeira parte com o resultado em 1-0 para os visitados, só que, e a exemplo da primeira etapa, o Sabugal entrou desconcentrado no reatamento e também logo de início consentiu o segundo golo aos locais. Parecia sentenciada a partida, pois com esta vantagem e com a falta de frescura física que se começava a notar em alguns atletas, não se esperava uma reacção como a que se veio a verificar. Fazendo das fraquezas forças o Sabugal foi para a frente e reduziu por intermédio de Hammond, após marcação primorosa de um livre por parte de Barra. Neste momento saiu Nuno Marcos e entrou para o seu lugar Macedo, dando assim mais frescura física ao ataque. Só que, com o golo do Sabugal, duas coisas se notaram: em primeiro, a animosidade do público local para com os seus atletas e, em segundo, o festival de mal actuar disciplinarmente, a partir desta altura, por parte do arbitro que condicionou de forma evidente o Sabugal, levando mesmo à expulsão injusta de David. Para evitar mais desgraças, pois o objectivo Sabugal passa pelo campeonato, Tózé retirou o já amarelado Bessa, entrando para o seu lugar Sabat.
Só que, mesmo reduzido a 10, a equipa não baixou os braços e ainda conseguiu o empate por Camilo e novamente após livre marcado por Barra. A equipa de arbitragem concedeu, uns, quanto a nós exagerados, seis minutos de compensação e durante este período ainda se realizou a última substituição, saindo o central Hélder e entrando para o seu lugar Marco André. E quando toda a gente já esperava pelo prolongamento a Sanjoanense marcou aos 97 minutos, portanto já nos descontos dos descontos-
Resultado final: Sanjoanense, 3-2, Sabugal.
A destacar duas situações muito importantes e que é justo realçar, por serem cada vez mais raras no futebol:
Primeiro, a forma inexcedível e simpática como fomos recebidos pela direção da A.D.Sanjoanense que desde o primeiro momento disponibilizou tudo o que necessitássemos;
Segundo, uma palavra de apreço para o público local que não só, nunca ofendeu por palavras ou gestos a nossa equipa como no fim nos brindou com uma grande salva de palmas e nos deram os parabéns pelo jogo conseguido.
SC Sabugal

Deixar uma resposta