Sabugal em destaque no «Mundo Português»

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

O «Mundo Português» é o jornal de maior circulação junto dos portugueses emigrados por todo o mundo. Fundado em 1970 pelo padre Vítor Melícias e pelo industrial gráfico Valentim Morais nasceu com o nome «O Emigrante». A mudança para «Mundo Português» mantendo o lema «agir servindo» serviu para adaptar a publicação a uma nova identidade e sensibilidade cultural da diáspora portuguesa. Esta semana o concelho do Sabugal está em destaque como «a pátria da Capeia que era ponto de passagem para França».

Capa do Mundo Português com o Sabugal em destaque - Capeia Arraiana

Capa do Mundo Português com o Sabugal em destaque

«O Emigrante» foi fundado em 1970 pelo padre Vitor Melícias e pelo industrial gráfico Valentim Morais sob o lema «agir servindo» porque mais do que um jornal era um serviço prestado aos portugueses que saíam de Portugal para viver nas mais duras condições de vida e num abandono cultural e informativo quase absoluto.
Actualmente chama-se «Mundo Português» e assume ser o jornal português de maior circulação no estrangeiro desenvolvendo um trabalho de comunicação institucional junto dos portugueses do mundo inteiro.
A edição desta semana destaque o concelho do Sabugal. Aqui fica, com a devida vénia, um resumo do artigo que pode ser lido na íntegra na ligação do final de página.

Sabugal – Um concelho raiano que era ponto de passagem para França

Outrora ponto obrigatório de passagem de automóvel para França, terra de contrabando e terra raiana no âmbito da Guerra Peninsular, a região de Sabugal foi palco da travessia das tropas francesas de Napoleão.
O artigo recua até cerca de milénios antes de Cristo para nos dar um enquadramento histórico e fronteiriço dos actuais territórios do Sabugal:
«A panorâmica da presença das primeiras comunidades humanas na região, é vasta: desde as referências às desaparecidas antas de Ruivós, Aldeia da Ribeira e Bendada, e a recentemente descoberta em Sacaparte (Alfaiates), passando pelas escavações realizadas no centro histórico do Sabugal (onde se obteve cerâmica com decoração penteada e picotada, artefactos lascados de sílex, machados e enxós, e um machado de cobre) e no habitat das Carvalheiras (Casteleiro), cujas datações de C14 provenientes de amostras aí obtidas proporcionaram uma datação rigorosa de meados do III milénio a.C.»
Mais à frente relembra-se a entrega dos territórios de Castela a Portugal: «O grande termo do Sabugal começou a ser espartilhado, na 1ª metade do séc. XIII, por dois outros concelhos recém-criados: a povoação de Alfaiates terá retirado o seu alfoz do Sabugal e delimitado o seu território, já antes de 1219. Já Vilar Maior terá recebido Carta de Povoamento (retirando o seu alfoz, por sua vez, de Alfaiates), por volta de 1227. Estes três concelhos da margem direita do rio Côa serão integrados no território português em 1296, após uma investida militar que D. Dinis efetua por estas terras, até Ciudad Rodrigo. Esta desavença será sanada apenas com a assinatura do Tratado de Alcanizes entre D. Dinis e D. Fernando IV de Leão e Castela, em 1297. Com este acordo, a coroa portuguesa fica com a posse legítima e perpétua de todas as terras de Riba-Côa, sendo criado um novo limite fronteiriço que, praticamente, se manterá até aos nossos dias.»
O artigo dá a conhecer a gastronomia raiana e destaca a tradição da Capeia Arraiana.

Para ler o artigo completo… (Aqui.)
jcl (com Mundo Português»)

Deixar uma resposta