Autarcas pedem fim das portagens na A23

Estradas - Auto-Estradas - Vias Rodoviárias - Capeia Arraiana

Autarcas da Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) foram de comboio, esta quinta-feira, a Lisboa para entregarem ao Secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins, um Memorando com a moção que foi aprovada pelo executivo camarário onde é exigida a abolição progressiva das portagens na A23 e também a moção aprovada por unanimidade pela Assembleia Municipal da Covilhã onde é exigida a substituição do material circulante na linha da Beira Baixa.

Delfina Leal (vice-presidente da C.M. Sabugal) em Lisboa - Capeia Arraiana

Delfina Leal (vice-presidente da C.M. Sabugal) em Lisboa (foto: C.M. Covilhã)

Esta quinta-feira entre os passageiros do «Intercidades» que às 07:30 inicia a viagem entre a Covilhã e Lisboa estavam os presidentes da CIM-BSE e da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes (PSD), a vice-presidente da Câmara do Sabugal, Delfina Marques Leal (PSD) e o presidente da Câmara da Covilhã, Vítor Pereira (PS).
O objectivo da viagem foi o de entregar ao Secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d’Oliveira Martins, um Memorando com a moção que foi aprovada pelo executivo camarário onde é exigida a abolição progressiva das portagens na A23 e também a moção aprovada por unanimidade pela Assembleia Municipal da Covilhã onde é exigida a substituição do material circulante na linha da Beira Baixa.
Em declarações à agência Lusa o presidente da CIM-BSE, Paulo Fernandes, explicou que «esta é uma acção simbólica e que foi marcada depois de os autarcas da comunidade intermunicipal terem aprovado por unanimidade duas moções, exigindo a imediata suspensão do pagamento de portagens nas autoestradas A23 e A25, bem como a substituição do material circulante na Linha da Beira Baixa» que foi retirado e considerado obsoleto na linha de Cascais.
Segundo Paulo Fernandes que também é presidente da Câmara do Fundão, a moção relativa às portagens reitera os pressupostos que levam os autarcas a estarem contra os pagamentos naquelas ex-Scut (vias sem custo para os utilizadores), a começar pelo prejuízo que as mesmas implicam para a região.
«Além disso aquelas vias» – que ligam a A1 em Torres Novas a Castelo Branco, Covilhã e Guarda (A23) e Aveiro à Guarda e a Vilar Formoso (A25) –, «estão em péssimo estado nalguns dos seus lanços e é mais um motivo para que se proceda à imediata suspensão dos pagamentos», sustentou.
Para Vítor Pereira «esta foi uma ação simbólica em que viemos até Lisboa, utilizando o desajustado material circulante da nossa linha férrea, para entregar ao Secretário de Estado estas duas moções reivindicativas».
O autarca revelou que «a receptividade de Oliveira Martins foi total», tendo o governante demonstrado «compreensão quanto às questões que lhe foram apresentadas. O Secretário de Estado comprometeu-se a estudar as nossas justas exigências para nos poder dar respostas concretas e apresentar soluções».
A Linha da Beira Baixa que liga Lisboa à Linha da Beira Alta na Guarda, passa pelo Entroncamento, Castelo Branco, Fundão e Covilhã. Foi electrificada até à Covilhã faltando completar o lanço entre esta cidade e a Guarda (passando pelo Barracão-Sabugal) que tem estado desativado e cuja electrificação vem sido, sucessivamente, anunciada pelos Governos.
Após a sua electrificação passou a ser servida por «unidades triplas eléctricas» retiradas da linha de Cascais em vez das habituais carruagens por composições. Os autarcas apontam a falta de comodidade e o facto de o equipamento não se adequar nem ao perfil nem à duração da viagem em comboios «intercidades».

A CIM-BSE é constituída por 15 municípios, sendo 12 do distrito da Guarda (Sabugal, Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Mêda, Pinhel, Seia e Trancoso) e três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

:: ::
Ora aqui está aquela que devia a ser a grande bandeira da campanha autárquica de todos os candidatos. Reduzir ou acabar com as portagens na A23. Uns porque têm conhecimento dos dossiês e basta experiência autárquica e outros porque até podem dizer que se ganharem têm grandes afinidades políticas com o Governo de Portugal.
É tempo de deixar o folclore da demagogia das ideias politicamente correctas («para os que cá vivem») e dizerem claramente às populações que no topo das «promessas» estão as ligações rodoviárias e ferroviárias ao concelho do Sabugal. E já agora a eterna ligação à A23.
Haja coragem!

jcl (com agência Lusa)

One Response to Autarcas pedem fim das portagens na A23

  1. Cheira a eleições ;), mas mais vale tarde que nunca 😉

Deixar uma resposta