Regresso do mercado ao centro do Sabugal

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

A devolução do mercado do Sabugal ao centro da cidade é algo que se impõe mas que tarda em acontecer, porque a autarquia vive de costas voltadas para as pessoas.

O mercado pode dar mais vida ao Sabugal

Já aqui propusemos, preto no branco, a mudança do mercado para o âmago do Sabugal, de onde aliás nunca deveria ter saído. Até lançámos a sugestão de se fazer uma experiência, de modo a verificar as reacções e estudar a viabilidade dessa medida – aqui.
Porém nada sucedeu, a não ser a ironia provocatória do presidente do Município na sessão da Assembleia Municipal do dia 30 de Junho de 2016, em que, confrontado com a questão, perguntou por sua vez: «faz-se um referendo?».
Não, senhor Presidente, nem tudo precisa de ir a referendo, basta seguir a sugestão e o exemplo de outros para tirar ilações válidas.
Volto ao caso da cidade da Guarda: fez-se a experiência e o resultado foi claro – o local do mercado vai mesmo mudar, para o aproximar das pessoas. No dia 24 de Junho a Feira de S. João voltou a realizar-se com sucesso no Jardim José de Lemos e ruas circundantes, e o presidente Álvaro Amaro garantiu que a experiência valeu a pena e a mudança vai consumar-se: a cidade vai passar a ter um mercado mensal no centro, mantendo-se o outro no mesmo local. Isso dará mais trabalho à autarquia – na criação de condições, na marcação dos lugares (todos os feirantes querem os melhores), na limpeza, na preservação dos espaços públicos – mas a decisão está tomada, em favor dos guardenses.
O regresso do mercado ao centro do Sabugal é algo que também pode e deve suceder, pois essa medida potenciará o certame. Aumentará o número das pessoas que o visitam, nomeadamente por parte das que têm dificuldades de locomoção, dos que trabalham nas repartições e serviços, dos alunos das escolas. Quem vem das freguesias vê também a vida facilitada. Estar no centro da cidade é resolver tudo no mesmo dia e com facilidade: vai-se feirar, resolvem-se problemas pendentes nas repartições públicas, come-se e bebe-se nos restaurantes e cafés de toda a povoação. Por outro lado, haverá melhores condições de limpeza e de higiene.
O Sabugal, enquanto sede de concelho, precisa de movimento e de dinâmica no centro urbano, e a feira é mais bonita quando entre as suas bancas circula muito povo.
:: ::
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

3 Responses to Regresso do mercado ao centro do Sabugal

  1. Ramiro Manuel Lopes de Matos diz:

    Caro Paulo
    Porque esta é uma ideia que vimos defendendo há muito tempo, não posso estar mais de acordo contigo.

  2. Josecarlos Mendes diz:

    Paulo,
    Claro que a primeira preocupação deve ser o Centro das aldeias, vilas ou cidades… Como já foi repetido também pelo Ramiro em diversas ocasiões e em relação a diversas outras opções.
    Mas, pensando de forma realista e sem querer dizer mais nada se não isto mesmo, digo o seguinte: até 1 de Outubro (eleições), nada será mudado nesta e noutras matérias. Mais ainda vindo a proposta da parte da «oposição», passe o abuso da expressão. No dia 2 (de Outubro), voltemos ao assunto, OK?
    Recordo que «”O Conselho de Ministros fixou a data de 01 de outubro de 2017 para a realização das eleições gerais para os órgãos representativos das autarquias locais”, anunciou a ministra» no dia 30 de Março passado… Citei o ‘DN’.

  3. José Louro diz:

    As pessoas primeiro, não?

Deixar uma resposta