GNR da Guarda tem novo comandante

GNR - © Capeia Arraiana (orelha)

O coronel Luís Cunha Rasteiro, natural do Sabugal, assume no dia 23 de Junho, sexta-feira, a condição de comandante do Comando Territorial da Guarda da GNR. A cerimónia realiza-se pelas 10:30 horas, no quartel daquela força de segurança na cidade da Guarda.

Cunha Rasteiro foi promovido a coronel pelo Comandante-Geral da GNR

O Coronel Luís José Cunha Rasteiro ingressou no quadro permanente de oficiais da GNR em 1990, tendo desempenhado diversas funções, das quais:
· Adjunto do Comandante da Companhia da Guarda Fiscal de Vilar Formoso;
· Comandante do Subdestacamento Fiscal de Vilar Formoso;
· Comandante do Subdestacamento Fiscal de Aveiro;
· Comandante do Destacamento Territorial de Vilar Formoso;
· Comandante do Destacamento Territorial de Gouveia;
· Chefe da Secção de Investigação Criminal do Grupo Territorial da Guarda;
· Comandante do Grupo Territorial da Guarda;
· Chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal do Comando Territorial da Guarda;
· Chefe da Secção Operações, Treino e Relações Públicas do Comando Territorial da Guarda;
· Segundo Comandante do Comando Territorial da Guarda.

O Coronel Cunha Rasteiro tem 49 anos e é licenciado em Ciências de Comunicação, com bacharelato em Relações Públicas. O novo comandante do Comandante do Comando Territorial da Guarda ao longo da sua carreira militar tem averbados 11 louvores, três referências elogiosas e 11 medalhas.
Para assinalar a data e após a cerimónia, vai proceder-se à assinatura do Protocolo de Cooperação entre o Comando Territorial da Guarda e diversas Autarquias do distrito, em matéria de tele-assistência a pessoa vulneráveis.
O Protocolo em apreço é o culminar de um trabalho árduo e desafiante desenvolvido, durante o último ano, em parceria entre o Comando Territorial da Guarda e as Câmaras Municipais. Tem como finalidade implementar respostas imediatas, efectivas e inovadoras, no âmbito da prevenção e promoção da qualidade de vida de pessoas vulneráveis residentes no distrito, tentando combater os efeitos negativos das situações de isolamento e solidão, através da criação de respostas integradas e aproveitando as sinergias que cada parceiro poderá desenvolver, sobretudo nas componentes fundamentais da segurança, do socorro e da acção social.
plb

Deixar uma resposta