Valorizar as nossas praias fluviais

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

O concelho do Sabugal tem excelentes praias fluviais, contudo verificamos que nenhuma delas consegue ser reconhecida nacionalmente pela sua qualidade, o que torna necessário fazer algo mais para a valorização desses espaços de lazer.

Praia Fluvial da Rapoula do Côa

A associação ambientalista Quercus, identificou mais uma vez (fá-lo todos os anos) as águas balneares Portuguesas com Qualidade de Ouro, sendo distinguidas 396 praias, 36 delas Fluviais. Destas, três são do distrito da Guarda: Valhelhas (Guarda), Vale do Rossim (Gouveia) e Loriga (Seia).
O critério principal para que uma praia obtenha o Grau Ouro é o da qualidade da água. Ou seja, é necessário que as análises oficiais da Agência Portuguesa do Ambiente revelem que a praia em questão comprova qualidade excelente da água nas cinco últimas épocas balneares e que todas as análises do último ano estejam acima do percentil 95.
O Grau Ouro distingue-se de outro «troféu» que as praias ambicionam: o da Bandeira Azul. Aqui, além da qualidade da água balnear, são tidos em conta indicadores como a presença de nadador salvador, a qualidade dos acessos e as condições de limpeza. E ainda há outra diferença: enquanto para erguer o galardão Azul as praias têm de ser candidatadas pelo Município onde se inserem, para o galardão de Ouro não precisam disso para ir a concurso.
Em todo o país existem cerca de 250 praias fluviais, tendo o distrito da Guarda mais de duas dezenas, porém, galardoadas só há sete (com o grau ouro, a bandeira azul ou ambos os galardões).
O Sabugal tem excelentes praias fluviais, se bem que nenhuma seja «bandeia Azul» nem «qualidade de Ouro», o que é uma pena. Merecem especial referência seis praias: Fóios, Quadrazais, Sabugal, Rapoula do Côa, Vale das Éguas e Badamalos.
Todas têm por cenário o rio Côa e estão fixadas em locais aprazíveis, com excelente enquadramento paisagístico e com óptimas condições de lazer. Há ainda outras em condições de ser apresentadas, nomeadamente nas terras que são ribeirinhas ao rio Côa. Porém, para garantir o seu reconhecimento como praias de qualidade, é necessário que as entidades públicas, a começar pela Câmara Municipal, lhes prestem atenção.
O que há a fazer: controlo regular da qualidade da água, limpeza da área envolvente, desassoreamento, instalação de equipamentos de lazer, desimpedimento de acessos (incluindo para pessoas com mobilidade reduzida), instalação de bares, sanitários, zona de merendas, equipamento de socorro, programação de actividades de animação, presença de nadador salvador, meios para desportos náuticos, circuitos de manutenção, equipamentos desportivos,…
Só valorizando as nossas belíssimas praias fluviais é possível que elas recebam os galardões de qualidade que efectivamente merecem ostentar e que, garantidamente, as tornarão mais atractivas.

:: ::
O Município do Sabugal vai agora dispor de um Gabinete de Apoio ao Consumidor, onde será prestado atendimento jurídico e esclarecimento de dúvidas aos munícipes.
Já não era sem tempo, porque logo no início de 2014 demos conta de que a Câmara Municipal do Sabugal necessitava de criar um Centro de Informação Autárquico ao Consumidor (CIAC) – aqui.
No final desse mesmo ano verificámos que a Câmara decidira atingir parte desse objectivo pela celebração de um protocolo com a Associação Portuguesa de Direito de Consumo (APDC), com sede em Coimbra – aqui.
Na altura afirmámos que isso ainda era muito pouco, porque se impunha fazer mais para criar um verdadeiro Centro de Apoio ao Consumidor sabugalense.
Passados três anos, o Município, com a celebração de um novo protocolo com a DECO, criou finalmente as condições para que o consumidor seja informado, encaminhado e acompanhado sempre que peça apoio ou apresente uma reclamação.
No Sabugal, ainda que muito lentamente, faz-se caminho!

:: ::
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

Deixar uma resposta