O Fundão na vanguarda

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

O Fundão, por virtude do seu povo e dos seus autarcas, transformou-se na «Terra das Tecnologias». Hoje o Município fundanense é um caso de sucesso das políticas de desenvolvimento económico e pode transformar-se a breve trecho num pólo difusor do progresso nas terras do Interior.

Escola Profissional - um dos esteios da estratégia de desenvolvimento tecnológico do Fundão

Escola Profissional – um dos esteios da estratégia de desenvolvimento tecnológico do Fundão

O Município do Fundão tem seguido uma estratégia integrada para atrair investimento. Desenvolveu e levou à prática um programa de apoio às empresas que se queiram instalar no território, que inclui também incentivos à mão-de-obra qualificada que se pretenda fixar ao serviço dessas empresas.
Apostando no conhecimento, o Município tornou-se parceiro da Universidade da Beira Interior e do Instituto Politécnico de Castelo Branco para as áreas da investigação e desenvolvimento de projectos tecnológicos. A par disso integrou-se no Parkurbis – centro empresarial de investigação, de ciência e tecnologia, da Covilhã.
Outra aposta complementar foi a criação de um Centro de Formação e Tecnologia, numa parceria que reúne o Município, o IAPMEI e a Escola Profissional do Fundão. Esse Centro foca-se em áreas estratégicas para a região: polimentos, relojoaria e joalharia para grandes marcas multinacionais. A taxa de inserção dos formandos no mercado de trabalho é superior a 90% e o sector já emprega cerca de 500 pessoas no parque industrial do Fundão.
O apoio à inovação e à criatividade têm proporcionado o chamado empreendedorismo, traduzido na instalação de novas empresas, muitas delas investindo em projectos como a Robótica da YDREAMS, a biotecnologia com uma BioFábrica, a formação em tecnologia, a investigação em Telemedicina, entre outros.
A escolha desta via estratégica visa criar condições para o fortalecimento da economia da região através da tecnologia aplicada à indústria e aos serviços, assim como pela aparição de novos sectores e pela actividade de investigação e desenvolvimento (I&D).
O presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, sabe é na fixação de pessoas com soluções profissionais que está a chave do desenvolvimento e da repovoação do interior.
A aposta está ganha. O Fundão voltou a ressurgir como grande centro económico da Beira Interior e transformou-se num exemplo a seguir pelos autarcas que pretendem desenvolver os seus territórios.
:: ::
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista
leitaobatista@gmail.com

Deixar uma resposta