Há 50 anos morreu Fidelino Figueiredo

Efemérides - 2015 - © Capeia Arraiana

Em 20 de Março de 1967 faleceu em Lisboa o ensaísta e professor universitário Fidelino Figueiredo, autor de profusa obra bibliográfica.

Fidelino Figueiredo

Fidelino Figueiredo

Nascido em Lisboa, em 20 de Julho de 1889, Fidelino de Figueiredo foi historiador, crítico literário e ensaísta.
Licenciou-se em Ciências Histórico-Geográficas na Faculdade de Letras, em 1910.
Dedicar ao ensino e à vida política no decurso da Primeira República, exercendo funções no Ministério da Educação, sendo ainda director da Biblioteca Nacional e deputado. Fundou e dirigiu a Sociedade Portuguesa de Estudos Históricos e a Revista de História (1912-1928).
Exilou -se em Madrid em finais da década de 20, por razões políticas. Já na década de 30, depois de regressar a Portugal, celebrizou-se como conferencista e professor de Literatura em várias universidades europeias e americanas.
Foi professor na Universidade de S. Paulo, no Brasil, entre 1938 e 1951, tendo aí fomentado os Estudos de Literatura Portuguesa, de cujo magistério nasce um dinâmico grupo de discípulos, de entre os quais António Soares Amora, Cleonice Berardinelli, Segismundo Spina, Carlos de Assis Pereira, Massaud Moisés.
Atingido por incurável e progressiva doença, deixou as funções docentes em S. Paulo, regressando definitivamente a Portugal.
Deixou profusa obra nos campos da Crítica Literária e do Ensaio, da História e da Literatura Comparada, bem como da Teoria Literária.

A obra publicada de Fidelino de Figueiredo:
História da Crítica Literária em Portugal, 1910;
O Espírito Histórico, 1910;
A Crítica Literária como Ciência, 1912;
História da Literatura Romântica, 1913;
História da Literatura Realista, 1914;
Características da Literatura Portuguesa, 1915;
História da Literatura Clássica, 3 vols., 1917-24;
Estudos de Literatura, 5 vols., 1917-51.
História da Literatura Portuguesa (Manual Escolar), 1918;
Epicurismos, 1923;
Torre de Babel, 1924;
Sob a Cinza do Tédio, 1925;
História dum “Vencido da Vida”, 1929;
O Dever dos Intelectuais, 1930;
A Épica Portuguesa no Século XVI, 1930 (1950);
As Duas Espanhas, 1932;
Depois de Eça de Queirós, 1933;
Pyrene: ponto de vista para uma introdução à história comparada das literaturas portuguesa e espanhola, 1935.
Aristarchos: quatro conferências sobre Metodologia da Crítica Literária, 1939; Últimas Aventuras, 1941;
Antero: quatro conferências, 1942;
Cultura Intervalar, 1944;
História Literária de Portugal (Sécs. XII-XX), 1944.
A Luta Pela Expressão (Prolegómenos para uma Filosofia da Literatura), 1944.
Um Pobre Homem da Póvoa de Varzim, 1945.
Um Coleccionador de Angústias, 1951;
Música e Pensamento, 1954;
O Medo da História, 1955;
Um Homem na Sua Humanidade, 1956;
Diálogo ao Espelho, 1957;
Entre Dois Universos, 1959;
Símbolos & Mitos, 1964;
Ideias de Paz, 1967;
Paixão e Ressurreição do Homem, 1967.
plb

Deixar uma resposta