Emigrantes da Nave almoçam com Marcelo

Hoje destacamos... - © Capeia Arraiana (orelha)

O jornal «Público» traz esta quarta-feira, 4 de Janeiro, uma história que mexe connosco raianos do concelho do Sabugal. Sem mais vamos reproduzir a notícia que fala de um almoço no segundo dia de 2017 no Palácio de Belém, a convite do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, de uma família da freguesia da Nave. O título é bem sugestivo: «Emigrantes almoçaram com Marcelo e saíram com estrelas nos olhos»

Almoço Presidente Marcelo Rebelo Sousa - Nave - Capeia Arraiana

Almoço com Presidente Marcelo Rebelo Sousa (foto: Miguel F. Lopes – Pres. República)

«No segundo dia do ano, o Presidente quis confraternizar com duas famílias divididas geograficamente, como a sua. Eram lesados do BES e o chefe de Estado reacendeu-lhes a esperança num acordo.
Quando Helena Manso, presidente da Junta de Freguesia de Nave, Sabugal, foi contactada pela câmara para encontrar um casal de emigrantes que estivesse em Portugal a 2 de Janeiro, pensou logo nos seus pais. Foi assim que Francisco Manso, 66 anos, e Maria Albertina, 65, se viram no Palácio de Belém no segundo dia do ano, acompanhados de dois filhos e uma nora, para almoçar com o Presidente de República. E a emoção não podia ser maior.
“É uma coisa inédita, única, não há palavras”, conta Helena, ela própria nascida em França e de regresso a Portugal há 15 anos. Palavras idênticas às usadas por Albano Sousa, que já vive há mais anos na Suíça (30) do que os que passou em Penalva do Castelo, onde nasceu há 56 anos: “Foi uma oportunidade única, uma recordação para a vida que hei-de contar aos netos”.
Albano fora apanhado de surpresa em Genebra, onde trabalha num colégio, quando em meados de Dezembro recebeu um telefonema a convidar a família para almoçar com Marcelo Rebelo de Sousa. Tinha acompanhado a visita presidencial à Suíça em Outubro e tirado uma selfie com Marcelo porque, apesar de não ser da mesma cor política, “era capaz de votar nele”. Agora tirou fotografias oficiais com o Presidente, ao lado da mulher e de dois primos, também emigrantes em terras helvéticas, e da família Manso.
O chefe de Estado, também com emigrantes na família – o filho e os netos vivem no Brasil -, quis promover este almoço como “um gesto que assinala o espírito de reencontro familiar que marca a quadra e também a atenção dedicada aos compatriotas que estão fora das fronteiras físicas do país”, como se explica no site da Presidência. As conversas andaram por aí: Marcelo falou da sua própria experiência de ter parte da família fora do país, quis perceber o que inquieta quem vive fora, saber se sentiam diferenças de tratamento devido aos novos fenómenos de rejeição aos emigrantes. Mas não ouviu queixas deste tipo.
“Estamos lá há 30 anos, estamos integrados, não temos dificuldades lá e temos desejos de regressar a Portugal mais tarde, quando nos reformarmos”, conta Albano Sousa ao Público. Os problemas são outros, bem portugueses, e surgiram no fim do almoço pela sua voz.

Lesados do BES à sobremesa
“Estou a arder com o BES”, diz Albano, que investiu grande parte das suas economias nos produtos daquele banco que foram vendidos aos emigrantes como se fossem de capital garantido (depósitos a prazo), mas que mais não eram do que títulos de dívida do BES e do GES, escondida através de sociedades-veículo sediadas em paraísos fiscais.
Nem de propósito, Francisco Manso partilha da mesma infelicidade: ambos fazem parte dos quase 2000 emigrantes que não aceitaram a proposta de acordo apresentada no Verão passado, e que consistia em receberem a maior parte do capital investido sob a forma de obrigações com maturidade em 2049 e 2051. Foram para tribunal e agora levaram o problema à mesa do Presidente.
“O meu pai ia abordar o assunto, mas já no final do almoço o outro senhor fez isso mesmo”, conta Helena Manso, sublinhando a “injustiça de ver pessoas que trabalharam a vida toda e viram as suas poupanças desaparecer quando estão a chegar ao fim da vida”. Albano Sousa acrescenta que são ainda “muitos os emigrantes lesados e que querem tirar as suas economias de Portugal e não enviar mais” remessas.
De Marcelo Rebelo de Sousa receberam palavras de esperança. “O Presidente disse-nos que o Governo está a tentar resolver o problema e eu disse-lhe que se nos reembolsassem a 80% já estaríamos dispostos a aceitar”, diz Albano Sousa.
Seja como for, o almoço com o chefe de Estado ficará para sempre na memória. “O Presidente é excepcional, o arroz de pato estava muito bom, o melhor bolo de chocolate do mundo e a fruta exótica laminada também, e até adivinharam o que gosto para aperitivo: um copo de vinho branco”.
Quase duas horas depois de terem entrado em Belém e visitado o Palácio tendo o chefe de Estado como guia, o regresso a casa fez-se de alma cheia. Ou, na expressão de Helena Manso, “com estrelas nos olhos”.
jcl com artigo da jornalista Leonete Botelho do Público

One Response to Emigrantes da Nave almoçam com Marcelo

  1. Silvestre Rito diz:

    Isto é Marcelo mesmo assim sem pôr nem tirar, e , completamente diferente dos outros presidentes, no contacto fácil com todos os portugueses onde quer que os mesmos se encontrem, procurando estar próximo e ouvindo os seus anseios e preocupações, pois só assim poderá ajudar na resolução dos problemas de todos os os compatriotas:
    Eu próprio tive uma experiência com ele , quando veio inaugurar a sede da U.G.T. no dia 10 de Outubro p.p., sendo que por coincidência a esposa do secretário geral -Dr. Carlos Silva, é também de famílias da Nave e Aldeia da Dona.
    Nesse dia verifiquei que a viatura do presidente estava estacionada perto do meu escritório- jardim Vale Granje – Alta de Lisboa, sendo que o Professor Marcelo andava simplesmente a visitar o jardim e o bairro; acompanhei-o durante cerca de 10-15 minutos e dei alguma informação sobre o jardim e características do bairro: é simplesmente uma pessoa cuja companhia é agradável que se interessa por todos e cada um e que muito contribui julgo eu para o levantar do ânimo e da esperança de muita gente , pois nestes momentos difíceis que muita gente tem passado isto é um contributo enorme para que as pessoa possam acreditar e se levantem para uma nova fase da sua vida com mais vontade e alegria de viver!
    Para além disto ao seu contributo para uma aproximação das partes no âmbito da concertação social, tem também sido enorme e é mais um valor acrescentado á sua disponibilidade para que possamos fazer o nosso país mais próspero e mais afirmativo, pondo de parte quezílias inúteis e que só reduzem a nossa capacidade de afirmação interna e externamente; por isso o nosso muito obrigado ao nosso Presidente professor Marcelo.

Deixar uma resposta