Futebol – Sabugal empata em Fornos

Sporting Clube Sabugal - Sabugal - Capeia Arraiana (orelha)

O Sporting Clube do Sabugal foi a Fornos arrancar o empate a uma bola, que apenas não foi vitória por lhe ter sido anulado o segundo golo por fora de jogo que não existiu.

Um empate que poderia ter sido vitória

Um empate que poderia ter sido vitória

O Sporting do Sabugal deslocou-se no domingo, dia 4 de Dezembro, a Fornos para disputar mais um jogo do distrital de futebol.
A deslocação antevia-se difícil, por se tratar de defrontar o líder da distrital, mas tal não veio a acontecer pois o Sabugal não se amedrontou, nem com o nome do adversário nem com o facto de jogar na qualidade de visitante.
O treinador fez alinhar: Nuno Morais, Pires, Sérgio, Pedro, Maio, Barra, João Pedro, Quelhas, Jorgito, Velho e Camilo, no banco para possíveis alterações sentaram-se Nuno Marques, Nuno Marcos, Rui, Janela, David, Vendeiro e Hugo.
Foi um jogo agradável, com duas boas equipas que proporcionaram ao público presente um bom jogo de futebol, outra coisa não seria de esperar, estando em campo duas equipas recheadas de bons elementos. Como lhe competia, até por jogar em casa, entrou mais pressionante o Fornos, embora as melhores oportunidades de golo fossem do Sabugal. Não fora aliás a boa prestação do guarda redes local, o Sabugal poderia por duas vezes ter inaugurado o marcador. Foram 45 minutos de bom futebol com jogadas de ataque quer de uma quer de outra equipa e momentos houve que mais parecia um jogo de futsal tal era a rapidez com que o perigo rondava quer uma quer a outra baliza.
Premiando o labor defensivo das duas equipas chegou o intervalo com o nulo no marcador. Com o reatar do jogo, mais do mesmo, isto é, futebol de ataque lances durinhos , sem serem violentos sempre com o arbitro por perto a serenar os ânimos com um ou outro cartão amarelo, sempre que tal se justificava. Durante a segunda parte o técnico do Sabugal retirou Velho de campo, entrando para o seu lugar o ponta de lança Rui Santos. Saiu também João Pedro, entrando Hugo e por fim entrou Nuno Marcos para o lugar de Quelhas. À passagem do minuto 20 o Fornos inaugurou o marcador, numa jogada de insistência. A defensiva do Sabugal não foi lesta a aliviar a bola, permitindo que um jogador local, entre dois defesas do Sabugal, conseguisse rematar e fazendo um golo de belo efeito.
Com este duro golpe, de todo imerecido a equipa do Sabugal adiantou as suas linhas começou a pressionar o adversário ainda no meio campo defensivo deste e foi sem surpresa que, passados apenas sete minutos, o Sabugal empatou a partida com um grande golo de João Pedro na conversão dum livre perto da grande área local.
A partir desse momento os jogadores locais começaram a usar de jogadas mais duras, de forma a travar o melhor futebol forasteiro, e aquilo que até ao momento era jogo duro, depressa descambou para jogo violento, sem que o critério disciplinar do árbitro acompanhasse essa mudança. Por ironia do destino, a 10 minutos do fim do jogo, o jogador mais fustigado por entradas maldosas, de seu nome Barra, foi expulso do terreno de jogo com um segundo amarelo que, se o árbitro tivesse seguido, esse critério desde o início aos 15/20 minutos de jogo não haveria jogadores em campo que permitissem a realização do encontro.
Apesar da inferioridade numérica o Sabugal foi para “cima” do adversário, querendo ganhar o jogo, e foi também de forma natural, tal o sufoco a que o Fornos foi submetido, que a dois minutos do fim o Sabugal marcou o segundo golo, que lhe daria a vitória, não fosse o erro clamoroso e nada natural do árbitro auxiliar que anulou o golo por pretenso fora de jogo do nosso avançado. E dizemos nada natural pois este árbitro auxiliar, ainda muito novo para jogos desta dimensão, já por três vezes que arbitrou o Sabugal teve decisões erradas, sempre em prejuízo do Sporting sendo o responsável pela subtracção de 4 pontos à equipa raiana, com os quais estaria o Sabugal isolado no topo da classificação.
Para terminar uma nota final para o árbitro Hugo Geraldes, que realizou um bom trabalho, com um ou outro erro, o mais grave a expulsão de Barra que não a merecia também devido ao critério largo que adoptou durante o jogo, no que aos cartões diz respeito, quanto aos auxiliares muito bem o do lado do peão, quanto ao do lado da bancada ficaremos só pela incompetência para não dizermos coisas piores.
SC Sabugal

Deixar uma resposta