O Congresso do Foral do Sabugal

Sabugal - © Capeia Arraiana (orelha)

Foi há 20 anos que se realizou no Sabugal o Congresso comemorativo do sétimo centenário dos forais do Sabugal e de Vilar Maior, evento que durante três dias evocou a história do concelho nas suas diferentes vertentes.

Um congresso histórico

Um congresso histórico

O Congresso realizou-se nos dias 8, 9 e 10 de Novembro de 1996, no Salão Nobre da Câmara Municipal do Sabugal, com a intervenção de diversos oradores que falaram de temáticas ligadas à história, às tradições e aos principais valores do concelho.

INTERVENIENTES
O primeiro orador foi o já falecido padre claretiano Francisco Vaz, de Alfaiates, que abordou o tema «A religiosidade Popular no Concelho do Sabugal».
O crítico literário João Bigotte Chorão, natural da Guarda e descendente de sabugalenses, falou sobre «A interioridade e a raia».
O historiador sabugalense Carlos Alberto Morgado Gomes apresentou o livro de sua autoria «Os Forais do Sabugal».
Vitor Pereira Neves, historiador natural de Sortelha, abordou o tema «Os Concelhos Medievais Integrados no Concelho do Sabugal».
O professor, especialista em Filosofia Contemporânea, António Amaro Monteiro, de Aldeia da Dona, abordou o tema «Cultura e Sociologia do Concelho do Sabugal».
O jornalista, já falecido, Virgílio Afonso, natural de Gonçalbocas mas ligado às Quintas de S. Bartolomeu, no concelho do Sabugal, falou sobre «Escritores e Jornalistas do Concelho».
O advogado e escritor da Bismula, Manuel Leal Freire, fez uma intervenção sobre «Aspectos Etnográficos do Concelho».
A arquivista Maria José Mexia, natural de Coimbra mas ligada ao concelho do Sabugal, falou sobre «Livrarias particulares do Concelho, no Século XVIII».
O historiador de Aldeia do Bispo Adérito Tavares falou do tema «O Culto Raiano da Tauromaquia».
O filósofo quadrazenho Pinharanda Gomes abordou por sua vez a temática «Os Geógrafos da Côa».
O arqueólogo sabugalense Fernando Patrício Curado falou sobre «O Património Arqueológico do Concelho».
O professor e historiador do Sabugal José Manuel Louro fez uma intervenção sobre “Valores da Natureza e da Arte”.
O historiador do Rochoso, mas ligado a Vilar Maior, Mário Simões Dias, fez uma intervenção acerca de «D. Dinis e o Foral de Vilar Maior».
O professor e advogado sabugalense Horácio Alexandrino falou sobre «O Sabugal e os Desafios do Futuro».
O professor catedrático natural do Sabugal Mário Bigotte Chorão encerrou o congresso com uma muito apreciada prelecção sobre «O Primeiro Foral do Sabugal».

ACÇÕES ANEXAS
O Congresso contou ainda com algumas acções anexas:
Exposição bibliográfica dedicada aos escritores do concelho, que teve como coordenador o poeta guardense Fernando Pinto Ribeiro.
Homenagem a Carlos Alberto Marques, geógrafo e escritor de Vale de Espinho, pelo descerrar de uma placa na casa onde nasceu e viveu, evocando assim o primeiro centenário do seu nascimento.
Homilia de Acção de Graças, na igreja matriz do Sabugal.
Concerto de música barroca pelo Symphoniae Portucalensis Musici.
Publicação das actas das intervenções e comunicações, após a realização do congresso.

COMISSÃO DE HONRA
O Congresso teve uma Comissão de Honra, da qual fizeram parte diversas entidades:
• Ministro da Cultura – Manuel Maria Carrilho
• Governador Civil da Guarda – Fernando Lopes
• Bispo da Guarda – D. António dos Santos
• Presidente da Assembleia Municipal do Sabugal – António Serra
• Presidente da Câmara Municipal do Sabugal – José Freire
• Presidente da Junta de Freguesia do Sabugal – Manuel Rasteiro
• Presidente da Junta de Freguesia de Vilar Maior – António Gata
• Pároco do Sabugal – António Teixeira Souta
• Presidente da Fundação Lusíada – Abel Lacerda Botelho

Proponho-me, em sucessivas edições, dar conta de como se organizou e realizou esse congresso evocativo do foral de D. Dinis, o qual marcou indelevelmente o Sabugal por ter sido uma realização única, com impacto em toda a região.
:: ::
Por Paulo Leitão Batista

Deixar uma resposta