Geopark Naturtejo é um sucesso internacional

Naturtejo GeoPark - Capeia Arraiana

Os 10 anos de existência do Geopark Naturtejo foram comemorados em Penamacor. Durante a cerimónia o ministro da cultura, João Soares, fez questão de afirmar que «o projecto é exemplar a todos os níveis, não apenas para a região, mas também para o País e para a Europa». O projecto integra os concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Ródão e Penamacor.

Geoparque Naturtejo - Capeia Arraiana

Geoparque Naturtejo

«Tenho um profundo orgulho na lição de cultura que nos estão a dar», fez questão de destacar João Soares, ministro da Cultura, na cerimónia de comemoração dos 10 anos do Geopark Naturtejo. O governante referia-se à cooperação entre Castelo Branco, idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Rõdão e Penamacor, os sete concelhos que integram o Geopark Naturtejo.
O Geopark Naturtejo foi o primeiro geoparque português a integrar a Rede Global de Geoparques, constituída actualmente por 120 áreas em 33 estados-membros.
«O Geopark Naturtejo tem dado ao país um contributo muito importante na afirmação de valores culturais, que são valores identitários e que são também uma das nossas mais-valias em termos de afirmação no mundo de competição internacional», afirmou João Soares.
«Actualmente, o Geopark Naturtejo já simboliza o que eu quero para o turismo e é o que eu considero um bom exemplo do turismo em Portugal, nomeadamente pela capacidade de articulação e cooperação», lembrou Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, que acompanhou o arranque do projecto há 10 anos noutras funções administrativas.
A governante acrescentou que o turismo em Portugal já representa 16 por cento das exportações sublinhando que «ainda é preciso fazer mais valorizando a importância da cooperação transfronteiriça e da afirmação do trabalho ibérico».

Presidente de Penamacor destaca vantagens da cooperação
O presidente da Naturtejo, Armindo Jacinto, lembrou que o projeto e os esforços desenvolvidos ao longo da última década permitiram a passagem de 39 unidades de alojamento, que existiam então naquele território, para as atuais 89. Na área da restauração passou-se de 114 para 147 estabelecimentos e, se antes não havia centros de BTT, agora há quatro.
As estatísticas apontam ainda para a presença do Geopark Naturtejo em 43 feiras e em mais de 150 colóquios e congressos.
Durante a cerimónia, o presidente da Câmara Muncipal de Penamcor, António Luís Beites, que foi anfitrião da festa de aniversário destacou as mais-valias que a cooperação com o Geopark Naturtejo já representa para o concelho, designadamente em termos de divulgação.
«A aposta tem contribuído para uma melhor exploração do território a nível turístico com destaque para os recursos naturais, endógenos e culturais do concelho», destacou o autarca.
Os 16 geomonumentos identificados num cenário marcado pela generosidade da natureza com 4600 quilómetros quadrados, o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional oferece aventura todo o ano. Os icnofósseis de Penha Garcia, o tronco fóssil de Perais, a mina de ouro romana do Conhal do Arneiro ou a cascata das Fragas da Água d’Alta são apenas alguns exemplos dos monumentos naturais, com 600 milhões de anos, que podem ser visitados.
No Geopark Naturtejo da Meseta Meridional é possível observar algumas das espécies mais raras e emblemáticas da Península Ibérica a sobrevoarem uma paisagem de cortar a respiração. Cegonha-preta, águia-imperial, grifo, águia-de-bonelli, abutre-negro, melro-azul, abutre-do-Egipto, chasco-preto, ganga, cortiçol-de-barriga-negra, abetarda, sisão, alcaravão, grou, rolieiro, calhandrinha e calhandra-real. Se estes nomes não lhe são estranhos, é possível que ande a sonhar com a oportunidade de ver algumas destas aves no seu habitat natural.

:: ::
Um geoparque é uma área com um património geológico singular e de relevância internacional, onde existe um plano ou uma estratégia de desenvolvimento sustentável envolvendo ativamente as comunidades locais, com particular enfoque nas áreas da Educação, Ciência, Cultura e Economia.
jcl (com agência Lusa)

Deixar uma resposta