Convocar o Congresso da Capeia

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

É absolutamente crucial realizar a breve trecho um congresso que reúna as forças vivas e a população em geral para discutir o presente e o futuro da nossa mais peculiar e original tradição: a Capeia Arraiana.

Como tirar o melhor partido da nossa tradição

Como tirar o melhor partido da nossa tradição

Regresso a uma proposta que apresentei há cerca de um ano, mas que até ao momento não teve qualquer desenvolvimento por parte da Câmara Municipal (aqui).
Classificada a Capeia como património imaterial é necessário avançar com outras iniciativas, sendo de primordial importância a análise e discussão salutar do potencial da capeia enquanto motor dinamizador do nosso desenvolvimento.
É fundamental que a Câmara, enquanto entidade pública com a responsabilidade de contribuir para o desenvolvimento do concelho, chame as pessoas ligadas ao espectáculo impelindo-as a contribuírem para a discussão de como manter viva uma tradição que tem potencial para a promoção das nossas terras.
Os jovens que agarram à galha, os que carpinteiram o forcão, os festeiros que organizam o espectáculo, os cavaleiros que encerram os touros, os ganadeiros que criam o gado bravo, os jornalistas que descrevem o evento, os historiadores que estudam as origens da tradição, os autarcas que falam das suas potencialidades, os agentes turísticos e os aficionados raianos que mantém viva a chama popular: todos têm uma palavra a dizer num encontro que urge organizar.
A Câmara tem a obrigação de apresentar propostas para discussão, nomeadamente sobre como preservar a tradição e, ao mesmo tempo, dinamizar o espectáculo para que o concelho tire o melhor partido da dinâmica social e económica que o mesmo oferece.
Alguns afirmam que a Câmara não tem legitimidade para intervir nem para ditar e fazer cumprir quaisquer regras. Pois isso não é inteiramente verdadeiro. Há diferentes formas de impor regras e a melhor delas é fazê-lo assertivamente, levando as pessoas a aderirem ao seu cumprimento.
A Câmara deve quanto antes, e o congresso pode a esse nível dar contributos, preparar normas claras para a atribuição de apoios financeiros à realização das capeias de verão. Uma das regras de ouro pode ser a de que a capeia se deve efectivar dentro de preceitos que a não descaracterizem e que garantam a sua dinamização. Os que não cumpram as regras estipuladas poderão realizar a capeia mas perderão o direito ao apoio financeiro do Município.
Isso, por si só, fará com que sejam as mordomias e as populações locais a garantir que as normas que preservam a tradição se cumpram escrupulosamente, e esse pode ser um dos pontos a apresentar e a debater no Congresso da Capeia Arraiana, que a Câmara tanto tarda em convocar.
:: ::
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

3 Responses to Convocar o Congresso da Capeia

  1. Ramiro Matos diz:

    Caro Paulo
    Concordo com aquilo que vens escrevendo sobre a Capeia e, especialmente, com a ideia de juntar todos os interessados numa discussão séria sobre o presente e o futuro deste fenómeno da cultura popular da raia sabugalense.
    Tal, aliás, devia ter acontecido logo que houve o reconhecimento enquanto património cultural imaterial.

    Seria também muito importante que mais gente viesse à liça e emitisse a sua opinião.
    Por mim, é o que farei já amanhã.

    Ramiro

  2. António Emídio diz:

    Amigo Leitão :

    Não sou um aficionado das capeias, mas nada me impede de dizer o seguinte : a memória é a base da personalidade individual, assim como a tradição o é da personalidade colectiva de um povo. Agora vejamos, para modernizar, não é necessário rechaçar completamente a tradição, tem de haver uma modernização equilibrada e sustentável, só assim se consegue uma reinterpretação da tradição. Nada de fundamentalismos modernos nem antigos !

    António Emídio

  3. Kim Tomé diz:

    há anos que digo isso!!!!
    Mas como havia alguns que pensavam que a capeia era deles e até queriam registar a marca…
    ainda me ofenderam.
    E esses alguns teem nome e andam aí a dizer que defendem a capeia… quando na realidade queriam era que ficasse nas suas mãos e obviamente ganhar com isso.

Deixar uma resposta