No país de Alice

César Cruz - Desassossego - Opinião © Capeia Arraiana

No imaginário de todos nós existe uma ideia de realidade fictícia no país de Alice. Ora bem, nunca gostei do maravilhoso mundo de Alice. Aliás é tempo de desconstruir as realidades reconstruídas para desmistificar o que nos tem sido transmitido. É tempo de acabar com Alice (pedindo desculpa a todas as que se chamam Alice). É tempo do mundo real, chamado de vida!

Alice no País das Maravilhas - Capeia Arraiana

No país de Alice…

No país de Alice, as maravilhas aconteciam. Magias e outras coisas assim faziam o imaginário de quem atravessava as fronteiras desse país irreal. Estamos nós no país da Alice? Tudo vai bem. Tudo corre convenientemente. Estamos todos felizes. E contentes também! Enquanto a miséria impera e enquanto os reis passeiam, o pobre povo definha, à espreita de uma migalha que caia da mesa dos fidalgos senhores. Tudo vai bem neste país da Alice! Tudo vai bem neste país das maravilhas. O silêncio do povo é tido como contentamento do banqueteamento dos nobres que nos governam. E tardam vozes. E tardam gritos que revelem o descontentamento do povo massacrado e cansado pelo desnivelamento. É natural, dizem eles. É natural uns serem os senhores e outros os súbditos. Tem de ser assim. Os de fraca nascença nunca poderem aceder ao elevado estatuto e os de sangue real serem os predestinados da vera sociedade. Que sociedade a nossa. Onde os incompetentes ocupam os lugares de relevo que os estudados e os puros de coração sustentam.
Não é tempo de acordos. Não é tempo de vassalagem senhorial. É tempo de dizer que o pão amassado pertence a todos por igual. É tempo de construir mas também é tempo de destruir o que não nos deixa prosseguir. Senhores da arte da ilusão serão deitados ao chão. Que sociedade queremos? Quem somos afinal? Sozinhos nada. Juntos queremos e podemos. É chegada a hora de dizer não. A nossa sociedade é individualizada por falta de capacidade de olhar o outro. O outro não é um instrumento mecanizado nem muito menos um número gravado. Não somos uma multidão anónima. Somos uma vontade. Um querer. Uma determinação. Basta. É tempo de mudar!
No país maravilhoso de Alice existem coelhos. No país desta nossa realidade deixarão de aparecer em cartolas de mágicos falidos e vilipendiados. É chegada a hora da sociedade civil assumir um compromisso com a sua história. É chegada a hora de sentar na mesa dos réus os que nos roubaram e inventaram histórias.
:: ::
«Desassossego», opinião de César Cruz

One Response to No país de Alice

  1. António Emídio diz:

    César :

    « Basta. É tempo de mudar ! ». Não era difícil César, o problema é a alienação de muitos e muitos, juntando a isso o que muitos e muitos comem da res publica, já viu o que é uma sociedade civil minada por esta gente ? Só vejo uma solução, uma Revolução das Consciências. Uma Utopia esta Revolução ? Não ! A nossa história, a história de Portugal, já nos mostrou que esta Revolução é viável, mas atenção ! O destino de corruptos, ladrões, energúmenos, hipócritas, ou seja, gente sem um mínimo de ética, mas passando na sociedade por « gente importante » teria um destino que não se coadunaria muito com a Democracia…

    António Emídio

Deixar uma resposta