A viabilidade das Termas do Cró (1)

Paulo Leitão Batista - Contraponto - © Capeia Arraiana (orelha)

A recente inauguração de uma unidade hoteleira nas termas do Cró melhora a atractividade da estância e potencia o seu desenvolvimento, situação de que pode beneficiar todo o concelho do Sabugal. Há porém um conjunto de acções complementares que é necessário colocar em prática para que o Cró tenha viabilidade.

O Município do Sabugal deve reforçar o apoio às Termas

O Município do Sabugal deve reforçar o apoio às Termas

Os tempos não estão bons para o termalismo em Portugal. Depois de um período de crescimento e consolidação, sobreveio a crise económica, agravada com a política de cortes orçamentais que fizeram com que os tratamentos termais deixassem de ser comparticipados.
A queda no termalismo afecta todo o sector, quer no chamado termalismo clássico, voltado para os tratamentos, quer no sector do bem-estar, que é complementar aos banhos terapêuticos.
É neste cenário desfavorável, ainda que com sinais ténues de recuperação, que surge o desafio das Termas do Cró, renovado com a entrada em acção do novo hotel, cujo investimento importou em 3 milhões de euros.
A Câmara Municipal do Sabugal tem a obrigação de reforçar o apoio às Termas, por duas ordens de razões: a necessidade de viabilizar um negócio onde houve investimento público e a importância de contribuir para a melhoria na saúde e no bem-estar dos munícipes.
Uma das formas essenciais de apoiar as termas é a da criação e dinamização de um Programa de Termalismo Sénior, que possibilite actividades de lazer voltadas para a promoção da saúde e o bem-estar dos mais idosos do concelho.
Em cooperação com as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), nomeadamente as que detêm e gerem lares e centros de dia no concelho, a Câmara deverá garantir condições para que os utentes usufruam da estância termal.
Nesse programa, o Município deverá protocolar com as IPSS o custeio do transporte de ida e volta às termas, complementado com passeios de lazer e actividades de carácter cultural e recreativo. A Câmara poderá ainda apoiar os tratamentos termais, sobretudo os dos utentes de menores recursos. Já o acompanhamento dos idosos, poderá ficar a cargo dos técnicos das IPSS.
Tudo pode e deve ser acordado entre o Município, as IPSS e as Termas, definindo a responsabilidade de cada entidade e os termos que garantam a execução do Programa.

Os idosos do concelho devem poder usufruir dos serviços termais

Os idosos do concelho devem poder usufruir dos serviços termais

Há outras medidas que poderão ser adoptadas para ajudar a viabilizar a estância termal, e disso falaremos em próximas crónicas.
:: ::
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

One Response to A viabilidade das Termas do Cró (1)

  1. Concordo plenamente com a exposição ou crónica do nosso Amigo Paulo Leitão.
    A Câmara Municipal não se pode fechar em Copas e deixar andar….
    Desejo os maiores êxitos para as duas inidades…
    Estou a frequentar as Termas do Cró, num tratamento das Vias respiratórias….
    Quanto a mim, os serviços prestados e o nível profissional do pessoal, é de muito bom nível, que não Fica a dever nada ao profíssionalismo Francês…

Deixar uma resposta