Efemérides 2015 – 14 de Junho

Efemérides 2015 - Junho - Capeia Arraiana

:: :: EFEMÉRIDES 2015 :: 14 DE JUNHO :: :: O Capeia Arraiana publica diariamente as efemérides mais relevantes de cada data… Hoje destacamos o cruel castigo de «varadas» aplicado a cinco soldados em Penamacor, em 1848.

Penamacor, Largo do Quartel - há 167 anos soldados vergastados morreram ou ficaram inutilizados

Penamacor, Largo do Quartel – há 167 anos soldados vergastados morreram ou ficaram inutilizados

 

Efemérides - Hoje Comemora-se - Capeia Arraiana

>> Dia de D. Eliseu.
>> Dia Nacional da Luta Contra a Dor.
>> Dia Mundial do Dador de Sangue.
>> Feriado Municipal em Abrantes.

 

Efemérides - Hoje aconteceu - Capeia Arraiana

>> VARADAS A SOLDADOS DE PENAMACOR
Há 167 anos, a 14 de Junho de 1848, foi aplicado o castigo de «varadas» a cinco soldados da guarnição de Penamacor que se tinham insubordinado. As varadas (ou vergastadas) foram de tal violência que três dos soldados morreram e os outros dois ficaram inutilizados para toda a vida. Em 1856 as varadas foram proibidas em Portugal.

O registo histórico
Quem registou facto foi o historiador e etnógrafo de Penamacor, José Manuel Landeiro, no seu livro «Esboço de uma Vida»:
«É aplicado na “Vinha Grande” o castigo das varadas a soldados que se insubordinaram contra o seu comandante, o Major Esteves. Sobre estas varadas, aplicadas com barbaridade e
de que ainda se fala em Penamacor, muito se escreveu, chegando os gritos dos castigados ao Parlamento, pelo que este castigo militar foi retirado em 1856, tendo sido estas as ultimas varadas aplicadas em Portugal.»

Um castigo desumano
Introduzindo em Portugal em 1764, com os regulamentos do conde de Lippe, um alemão que tomou conta do exército português no tempo do Marquês de Pombal, o castigo das varadas, perduraria quase um século.
Nuno Miguel Leheman Alves Pinto, explica a origem e os contornos do regime das Varadas, no seu trabalho de investigação, intitulado «O tratamento de militares no hospital de São Marcos de Braga (primeira metade do século XIX)»:
«As “Varadas”, eram um característico castigo prussiano, bastante comum no exército português durante este período. O soldado sentenciado era chicoteado com uma vara que, apesar de flexível, era bastante dura, causando muitas vezes ferimentos graves, levando frequentemente o militar sentenciado a precisar de assistência hospitalar.»
Na verdade, durante muito tempo os militares foram disciplinados com recurso a varadas, açoites, prisão a pão e água e até o fuzilamento.
No início do século XIX, o problema dos castigos corporais no exército era já muito preocupante, e reclamavam-se medidas que os atenuassem, porém a necessidade de disciplinar o exército face às invasões francesas e, depois, com o eclodir da guerra civil entre Liberais e Miguelistas, a punição de varadas manteve-se face manifestações de indisciplina.
Em 1831, correspondência de várias entidades para o Marquês de Tancos, Ajudante-General do Exército Miguelista, dava conta da grande preocupação com o excesso de varadas e pranchadas com que os comandantes castigavam os soldados.
Porém os castigos corporais continuaram a praticar-se no exército durante o Regime Liberal, e isso tornou-se numa grande preocupação pelas consequências graves que eles provocavam aos castigados. Em 1955 o Ministro da Guerra, duque de Saldanha, debate intensamente o problema com o comandante do exército, visconde da Luz, e pede-lhe uma relação exaustiva dos soldados dos diversos corpos do Exército que sofreram esse castigo nos últimos anos.
Em 1856, foi definitivamente abolida a punição das varadas, por lei assinada pelo barão de Monte Pedral, visconde de Sá da Bandeira e visconde de Algés, pondo-se termo a esse castigo extremo e desumano.

Prof. Esperança Pina

Prof. Esperança Pina

>> JOSÉ ANTÓNIO REBOCHO ESPERANÇA PINA
Há 77 anos, nasceu em Lisboa José António Rebocho Esperança Pina, académico e cientista, doutorado em Medicina, descendente de Vilar Maior, freguesia do concelho do Sabugal.

O percurso da figura ímpar da Medicina Portuguesa
Filho de José Gonçalves Pina e de Isabel Maria Rebocho Esperança Pina, concluiu em 1966 o curso de Medicina, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.
Entre 1967 e 1969 cumpriu o serviço militar como alferes médico em Angola.
Terminado o serviço militar manteve.se um ano em Angola como colaborador científico da Faculdade de Medicina da Universidade de Luanda.
Regressado a Lisboa, foi, entre 1971 e 1974, investigador do Centro de Estudos Anátomo-Funcionais de Angiologia, do Instituto de Alta Cultura, no Instituto de Anatomia Humana Normal, da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e responsável pelo Sector de Investigação Científica, do Instituto de Anatomia Humana Normal, da mesma Universidade.
Em 1972 doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, sendo aprovado por unanimidade com Distinção e Louvor
Especialista em Cirurgia Geral, tornou-se Professor Agregado e depois Professor Universitário da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.
Em 1977 é presidente do Conselho Científico do Instituto de Ciências Biomédicas, e presidente do Conselho Nacional de Ensino e Educação Médica, da Ordem dos Médicos.
Em 1979 é presidente do Conselho Científico das Ciências da Saúde, do Instituto Nacional de Investigação Científica (I.N.I.C.).
Em 1980 torna-se vice-reitor da Universidade Nova de Lisboa, cargo que manteve por dois anos.
Em 1982 é eleito Reitor da Universidade Nova de Lisboa, cargo que manteve até 1991.
Entre 1987 e 1989 foi presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas.
Desempenhou cargos internacionais, como o de representante de Portugal num programa da OCDE, membro do Conselho de Investigação Médica da Fundação Europeia de Ciência, Secretário-Geral da Federação Internacional das Associações de Anatomia.
O Professor Esperança Pina, fruto do seu prestígio enquanto pedagogo e médico, é Sócio Correspondente Nacional da Academia das Ciências de Lisboa, Membro da Academia Portuguesa de Medicina. Possui a Legião de Honrada França, a Ordem Militar de Santiago de Espada de Portugal e a Ordem da Instrução Pública de Portugal.
É autor de livros e artigos de carácter cientifico.
Em 1998 proferiu a última Lição de jubilação, sendo agora Professor Decano da Universidade Nova de Lisboa.

 

Efemérides - Regionais - Capeia Arraiana

>>1848 – Aplicação do castigo de «varadas» a cinco soldados da guarnição de Penamacor que se tinham insubordinado.

>>1938 – Nascimento, em Lisboa, de José António Rebocho Esperança Pina, académico e cientista, doutorado em Medicina, descendente de Vilar Maior (Sabugal).

 

Efemérides - Nacionais - Capeia Arraiana

>>1940 – O Papa Pio XII profere a encíclica «Saeculo Excunte Octavo», pela qual insta à formação do clero indígena nas possessões coloniais portuguesas.

>>1946 – Chega a Lisboa, onde estabelece residência, o ex-rei de Itália Humberto de Saboia.

>>2005 – Constituição da Fundação Champalimaud, para a investigação e acompanhamento, na área da saúde.

 

Efemérides - Internacionais - Capeia Arraiana

>>1699 – O capitão Thomas Savery apresenta, na Royal Society de Londres, o primeiro modelo da máquina a vapor, patenteada a 02 de julho de 1698.

>>1791 – A I República Francesa proclama o direito ao trabalho, em liberdade de escolha.

>>1920 – Morte do sociólogo alemão Max Weber.

>>1928 – Nascimento do revolucionário argentino Ernesto (Che) Guevara, que se distingui como um dos chefes da guerrilha cubana. Feito prisioneiro na Bolívia é assassinado a 9 de Outubro de 1967.

>>1936 – Morte do escritor russo Máximo Gorki.

>>1940 – Entrada das tropas alemãs em Paris, onde permanecerão até à libertação de França em 1944.

:: ::
>> Dia 165 de 2015. Faltam 200 dias para o fim-de-ano.
:: ::
jcl e plb

Deixar uma resposta